Reverie #03- O aluno

quarta-feira, dezembro 21, 2011

Olá,meus caros leitores!
Hoje é dia de nos deliciarmos com mais um dos textos do nosso colunista Keberson M.
Confiram!

















A inteligência de Ramon, não era somada aos números da álgebra do professor Aílton, menos ainda descrito na gramática de D. Chica do Beabá, educadora mais velha do Colégio Irmã das Dores e muito sábia pelos contos e fábulas produzidas há décadas com o tear de experiências que desenvolveu em sua vida lecionaria. 

Caligrafia feia, e frases estranhas rascunhadas entre as lições que a Geografia lhe propunha analisar. Era um aluno desajustado, escondido por detrás de um belo fundo de garrafas sobre os olhos e pincelado pelas roupas retalhadas e costuradas na confecção de sua avó Maria da Penha, outra senhora ímpar na proximidade da estátua monumental de um burro, símbolo da cidade. 

Era um garoto questionador de si mesmo, mas nunca das razões do mundo. Sentava-se abaixo das pitangueiras do parque central e único por sinal e ali passava as tarde da semana toda. Logo que saía da escola, ficava para ali mesmo. Não se via mais vida naquele ser pequeno e estranho. A não ser pelo movimentar de páginas e mais páginas. Talvez fossem livros de fácil compreensão, também pudera, ele mal sabia ler ou escrever coisas grandiosas. 

Ramon era filho da dona de casa Ruth e do tempo. Não conhecera o pai que morreu antes mesmo de serem apresentados. Assim dizia sua mãe quando questiona por ele sobre o pai: – esse aí morreu para mim e para você. Portanto, tão inocente era o garoto, que o pai morreu. 

Não tinha irmãos, tinha primos. Não tinha amigos, havia um bocado de gente que simplesmente apertava suas bochechas. Não tinha nada, mas se contentava com o pouco e assim ia vivendo sua vida. 

As horas passavam e o tempo ia se tornando escasso. Com isso, Ramon teve que aprender a ser gente. Foi difícil, mas o pobre órfão de pai aprendeu entre as linhas tortas a se comunicar com o mundo das letras e dos contos imaginários. Era visto ora ou outra rabiscando pequenos pedaços de papel branco com tinta preta. 

Tudo ia se encaminhando bem quando, de supetão, ouviu-se uma voz trêmula, mas convincente de um canto da sala que disse: – Aqui aprendi a ler, agora vou embora pra aprender ser gente. 

Ramon, que já estava na última série, levantou-se e caminhou em direção a porta. De cabeça baixa, não olhou para os lados e nem para ninguém. Era chegada a hora que o tempo lhe prometerá debaixo do pé de pitangas. 

O jovem de olhos fundo de garrafas saiu da cidade. Fora morar com a Tia Gertrudes na cidade grande e lá se iniciou no curso de Filosofia. Fora lido tempos depois alguns de seus pequenos textos em salas de aula e alguns dos seus livros tornaram grandes para o povo simples e essencial para o simples povo. 

Ramon aprendeu com o tempo e o tempo lhe rendeu Ramon Levisnky. 


Kleberson M.
Sobre o autor:

Kleberson M. (Kleberson Marcondes) é de Pindamonhangaba/SP, nascido em 1989. Estudante Técnico Jurídico no Centro Paula Souza. Amante de Nietzsche e apaixonado por F. Scott Fitzgerald, carrega ainda uma paixão avassaladora por Nirvana, Pitty, Cazuza e Janis Joplin. Sonhador convicto encontra no ofício de escrever, uma válvula de escape para expressar aos poucos como enxerga o mundo, as pessoas, os detalhes. Encontra nas crônicas o evangelho do ser humano contemporâneo, nos contos a fantasia que as pessoas esqueceram e na poesia, notas e partituras, o meio da existência. Filho do mundo, poeta dos incoerentes e observador dos devaneios, já que isso é onde todos se encontram.




Vocês querem conhecer mais sobre o autor.
Visitem seu blog: Kleberson M. ou adicione ele no twitter: @klebersonm__

Gostaram,pessoal!

Então não deixem de comentar!!

Bjs!!!

Você também pode gostar

17 comentários

  1. Olá!
    Nossa, que legal!!
    Estou adorando esta coluna!!

    Bjinhs
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. La Mademoiselle http://mademoi21 de dezembro de 2011 16:04

    Oi,

    não conhecia a coluna, mais adorei!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Belas palavras Kleber!!! Gostei bastante do seu texto, tu é poeta no sangue, deveria também ser contista nacional!!! 

    leiturasvivas.com
    @rafa__rafa 

    ResponderExcluir
  4. Belo texto, gostei muito. A nova coluna do blog tá indo muito bem, parabéns! Espero o novo texto...

    http://entrepaginasdelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Que interessante!

    ai isso de aperta as bochechas é chato demais! heheh
    belo texto
    Bjs
    http://mahzinhasantana.blogspot.com/ 

    ResponderExcluir
  6. GabrielaLaganowskiReis21 de dezembro de 2011 16:47

    Gostei do texto, refinado e inteligente!

    ResponderExcluir
  7. Bem legal o texto!

    http://colorful-mushrooms.blogspot.com/

    Beijoos ;*

    ResponderExcluir
  8. Bela história...Escrita pessoal e convicta...

    Deu-me prazer ler...que mais desejar?

    ResponderExcluir
  9. Quero  mais!!
    Continuaaaaaaaa, adorei!!

    bjkasssssssss

    ResponderExcluir
  10. Sheyla Valença Xavier21 de dezembro de 2011 23:07

    Belo texto e o autor é demais !!!  Parabéns!!
    bjosss

    ResponderExcluir
  11. ótimo, texto! Ele prende agente e só solta quando lemos tudo e ficamos com aquele gostinho de quero mais! parabéns!

    ResponderExcluir
  12. Belo texto. :)

    Passando para avisar que tem selinho para você no meu blog: http://recantodecaliope.blogspot.com/2011/12/selo-1.html. Abraços!Fátima Menezes - @fatimamdhttp://recantodecaliope.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Muito bom!
    Você escreve muito bem :)
    Parabéns! 

    Bjs
    Tati
    http://coracaoliterario.blogspot.com/ 

    ResponderExcluir
  14. Amiga linda do meu coração, to passando pra desejar um Natal repleto de alegrias e que Cristo, o verdadeiro motivo do Natal, possa renascer em seu coração. Deus te abençoe. Bjs docinhos

    ResponderExcluir
  15. Bacana, bonita história!
    Feliz natal flor, bjs!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto