Reverie # 09- Quartinho dos fundos

quarta-feira, fevereiro 01, 2012

Olá,caros leitores!
Após nos presentar com belíssimos contos no mês de Janeiro,esse mês o nosso colunista Kleberson M. irá nos presentear com suas crônicas. Convido-lhes a conhecer e apreciar seus textos.


Uma vez ouvi dizer que muitas vezes somos tratados feito terreno baldio; oras, se assim somos depósito de infiéis, é porque permitimos. Chegamos a um instante da nossa vida, que começamos a perceber que a o mal em nós, assim como o bem em todo o resto. Somos portadores da chave de entrada e saída de nossa vida. Permitimos muitas vezes, o que nos é mais agradável, mas que pelo fato de si próprio, nos engana, faz bagunça. Pessoas tem o poder de 'Tsunami' em nossa vida.

A gente vai amarrotando as coisas dentro do coração, feito quartinho escuro e dos fundos. Vamos enfiando goela adentro, toda essa falsidade, egocentrismo alheio. Também, fazemos com que os outros engulam a podridão que temos criado. Está tudo errado: quem era para nos fazer o bem, simplesmente está fazendo somente o contrário. Obviamente que ninguém vai ser para sempre bom e mau, mas as pessoas parecem que mesmo sendo 'boazinhas' não enxerga que está sendo maldosa.

E quado abrimos a porta, tudo parece cair em cima de nós, de uma vez, sem dó e nem piedade. Daí parece que acordamos um pouco e resolvemos fazer uma limpeza, mas ainda assim, estamos acostumados com certas coisas, que mesmo sabendo que deve ir para o lixo, não vai, simplesmente arrumamos outro espaço para 'guardar' aquilo. Não compreendemos que se decidimos fazer a arrumação de nossos recôncavos, deve-se limpar tudo. Amizades, amores e sentimentos verdadeiros podem sim, ser trocados. E entendam que não falo de trocar de amigos, mas simplesmente de sentimentos, pois tudo um dia acabado, desse modo, prefiro jogar tudo fora, já que o que for para ser meu, seu, nosso, vai voltar ainda melhor e o que não for, nunca mais teremos de volta e isso vai nos poupar de grandes frustrações.

Temos que parar de querer reciclar o que não presta e também parar de dar para os outros, aquilo que não presta em nós. Até quando agiremos e deixaremos que agem em nós, como se fossem depositários de entulhos? Chega um momento que a gente percebe que nossos amigos falham, nossa família falha e que as pessoas que chamamos de namorados ou namoradas também falham. Não há defeito nas falhas, mas ainda assim, podemos pedir para que levem aquilo e voltem apenas quando as coisas nos forem boas e que possam fazer isso com os nossos sentimentos também. Não é que não queremos também as coisas ruins dos outros em nossa vida, mas nós por nós mesmos já somos capazes de produzir lixos em nossa vida. Para que mais?

Kleberson M.


Sobre o autor:

Kleberson M. (Kleberson Marcondes) é de Pindamonhangaba/SP, nascido em 1989. Estudante Técnico Jurídico no Centro Paula Souza. Amante de Nietzsche e apaixonado por F. Scott Fitzgerald, carrega ainda uma paixão avassaladora por Nirvana, Pitty, Cazuza e Janis Joplin. Sonhador convicto encontra no ofício de escrever, uma válvula de escape para expressar aos poucos como enxerga o mundo, as pessoas, os detalhes. Encontra nas crônicas o evangelho do ser humano contemporâneo, nos contos a fantasia que as pessoas esqueceram e na poesia, notas e partituras, o meio da existência. Filho do mundo, poeta dos incoerentes e observador dos devaneios, já que isso é onde todos se encontram.





Vocês querem conhecer mais sobre o autor.
Visitem seu blog: Kleberson M. ou adicione ele no twitter: @klebersonm__

Gostaram,pessoal!

Então não deixem de comentar!!

Bjs!!!

Você também pode gostar

13 comentários

  1. UAU! Eu adorei, minha parte preferida foi essa: "A gente vai amarrotando as coisas dentro do coração, feito quartinho escuro e dos fundos".

    Beijos!
    http://sutileprovocante.com/ml

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto. Parabéns Kleberson. Você escolheu um ótimo tema para este texto. Acho que todos nós passamos por "fases" que acontecem este tipo de coisa. Acumulamos "lixo" e mais "lixo", e não sabemos ou, por estarmos acomodados, não queremos saber como nos livrar dele. Mas, assim como em toda casa, é necessário uma faxina, pois se continuarmos a guardar estes "entulhos", cada vez ficará mais difícil de nos livrarmos deles.

    Mateus Noremberg - Livros Preciosos

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo texto Kleberson! *.*
    Incrível, amei... ta de parabens! haha
    Bjs, Lara E.
    http://naspaginasdeumlivro.blogspot.com/ 

    ResponderExcluir
  4. Gosto muito das crônicas do Kleberson, e essa mais uma vez ficou muito boa, gostei do tema e da maneira que o texto foi se desenvolvendo, parabéns! ''
    Temos que parar de querer reciclar o que não presta e também parar de dar para os outros, aquilo que não presta em nós''

    Abraços
    http://entrepaginasdelivros.blogspot.com/ 

    ResponderExcluir
  5. Adorei a crônica hehe
    Muito bem construída e concisa. Me fez refletir sobre diversas coisas...
    Meus parabéns Kleberson. HOHO
    E parabéns Zilda *--* Por abrir espaços tão bons aqui no Cachola hehe *-*
    Ps: Cadê suas caixinhas do Correio? Bora gravando, bora gravando... kkkkk 
    Sucesso SEMPRE diva, beeijão ;*

    Ewerton Lenildo - Academia de Leiturapapeldeumlivro.blogspot.com@Papeldeumlivro 

    ResponderExcluir
  6. Nossa como escreve bem! Já é a segunda crônica que eu leio dele aqui no blog, e fiquei de boca aberta de novo!
    Parabéns mesmo!!!
    Bjs
    Daiane
    nouniversodaliteratura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. OMG! QUE MARAVILHA É ESSA ??/ MEU VC TEM QUE ESCREVER UMLIVRO TIPO NOW!

    ResponderExcluir
  8. Adorei!!! Todo mundo deveria fazer esse tipo de faxina, mensalmente... O lance é não acumular... Ou até diariamente antes de deitar! Adorei!

    ResponderExcluir
  9. La Mademoiselle http://mademoi1 de fevereiro de 2012 18:44

    Oi,

    amei a crônica!!! Além de super bem escrita, falou coisas bem reais!

    Amei! :D

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Essa crônica me fez lembrar de momentos de minha vida em que epor me sentir um entulho eu quase me matei, quase  destruí o coração do meu filho, mas ainda bem que tudo passou, hoje me valorizo, e capricho  nas coisas que tenho de passar para as pessoas que amo, pq é uma rua de mão dupla.
    Crítica que me fez bem ,obrigada.
    Viviane

    ResponderExcluir
  11. ameeeeeeeeeeeeeeeei tá PARABÉNS! Incrível, muito digno. :) 

    ResponderExcluir
  12. Estou precisando de uma limpeza dessas na minha vida, minha alma.

    Adorei a crônica. 

    ResponderExcluir
  13. Oi zilda, desculpe a demora....
    muito trabalho, adorei a cronica!!!
    Vc sempre trazendo bom conteudo ao blog, parabens...

    Passa lá no blog
    http://dailyofbooks.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto