Debate #03: A banalização do conhecimento. O leitor está encurralado!?

quarta-feira, maio 23, 2012

Olá queridos leitores!
Hoje é dia de debate na Cachola, e mais uma vez quero compartilhar um vídeo com vocês para debatermos sobre o posicionamento dos pais em relação ao acesso à leitura e de que maneira os pais vêem conduzindo seus filhos na era da informatização.
















O debate de hoje traz um vídeo bem humorado de como "alguns" pais tornam-se preconceituosos em relação ao consumo de livros sejam eles didáticos ou não. Sabemos que as redes sociais, os sites de busca estão aí para facilitar a vida de qualquer estudante, blogueiro, etc. Agora, se tais ferramentas serão utilizadas beneficamente, aí é outra história...

O vídeo que vos apresentarei é um retrato cada vez mais comum a nossa realidade. Infelizmente,  alguns pais incitam que seus próprios filhos se distanciem dos livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação. Muitos pais criam contas virtuais para filhos com meses de idade. Ou seja, que tipo de referência essa criança terá futuramente? Salvo alguns que, ao longo do seu crescimento despertam-se para o mundo real, sabendo dissociar o que é bom no mundo virtual e o que não é.

Assistam o vídeo e divirtam-se!




O vídeo "Larga esse livro, menino!" é muito engraçado, mas o assunto é sério, e por esse motivo acho válido um debate sobre o tema em questão.
Em tempos de "Para nossa alegria", " Luísa volta para o Canadá" e tantas coisas estapafúrdias que estamos vivenciando, acho que o vídeo tem muitas mensagens sublinhares. Por favor, não estou defendendo particularmente os leitores. Não! Até porque eu gosto de blogar, tuitar," facebookear", "emesenear" (não estranhem tais vocábulos e suas conjugações),pois estes são utilizados por muitos jovens, digo, entre os 11 e 15 anos de idade. Isso é real! Acreditem!

Por esse motivo, quero saber de vocês. O que mudou? A inversão de valores é tão notória que os próprios pais decidiram que incluir seus filhos numa rede virtual seja tão importante?

Alguns leitores costumam dizer que, antigamente seus pais não tinham muito estudo e consequentemente filho tinha que ir para a lida ou labuta, tinha mesmo é que trabalhar. Que estudo era coisa para os mais abastados. Livros? Só os de cunho público. E pouca coisa mudou em nosso país no que diz respeito ao acervo literário das bibliotecas públicas. Ou seja, ler pra quê? Ser escritor não dá dinheiro, ser advogado para trabalhar em algum escritório contábil, ser médico para ganhar um "salário de fome" em hospitais falidos! Muitas pessoas pensam assim!


É complicado! O que sei que essa banalização da leitura, do conhecimento e da cultura é preocupante. Não estou generalizando porque sabemos que existem muitos pais preocupados com a educação de seus filhos. Eu sou uma delas e levanto essa bandeira SEMPRE! Uma coisa é fato! Podemos e devemos caminhar com a modernidade a nosso favor. Basta sabermos como utilizá-la e aplicá-la da melhor maneira em nossas vidas.


Seja você, pai, mãe ou filho(a) quero saber saber sua opinião a respeito do assunto.

Assista o vídeo e deixa sua opinião. Ela é muito importante! 


O vídeo é muito engraçado, mas o assunto é sério! Então, vamos discuti-lo!





Participem! Comentem!

Até mais!

Você também pode gostar

24 comentários

  1. Eu acho a leitura fundamental para a formação do ser humano, incentivo totalmente minha filha a ler, mas também a fazer amigos, a praticar esportes, a desenhar, a utilizar a internet (com moderação e supervisão) enfim, diversificar suas atividades para que, no futuro, ela possa encontrar seu próprio caminho. 
    Vejo que a maioria dos amigos dela não tem o hábito de ler livros e revistas, e quando precisam fazer os trabalhos escolares, preferem pegar tudo pronto da internet. Com isso, o que poderia ser uma pesquisa rica, com várias fontes, acaba virando simples cópia, sem acrescentar nada ao aluno.
    Acredito que a internet deve completar, e não substituir tanto o conhecimento quanto os relacionamentos.
    Beijos... Elis Culceag.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Zilda,

    Acho tremendamente válido esse tipo de debate. O que posso 'dizer' a respeito é o seguinte: tenho dois filhos adolescentes que vivem sob o mesmo teto, foram criados pela mesma mãe (leitora e escritora) e possuem os mesmos hábitos quanto às redes sociais. Entretanto, um deles somente lê quando é obrigado pela escola e o outro lê a literatura dos séculos XIX e XX, compulsivamente. Acredito que o papel dos pais está em mostrar o que existe, criar condições para, ler na frente dos filhos, comentar sobre filmes, documentários e livros. E ficar por aí. O resto faz parte de uma busca individual e do tipo de alimento que cada alma quer/necessita. Não acho que também por se ser um ávido leitor signifique possuir cultura, porque nem tudo que se "consome literariamente" tem valor. Tudo é importante: ler, viver, refletir, se divertir e ganhar dinheiro. Nós, como pais, temos de mostrar o quanto é saudável manter-se um equilíbrio entre tudo isso. 


    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. não quero filhos , mas se tiver quero que eles leiam , mas menos do que eu... quero que eles façam as suas próprias histórias ...

    ResponderExcluir
  4. Bom... eu como mãe... incentivo muito a leitura... mas sofro preconceitos sobre o tanto que fico lendo mas sei que tem muitas pessoas que não incentivam, mas não conheço ninguém que seja como os pais do vídeo, espero sinceramente que isso seja só piada...

    ResponderExcluir
  5. O video é engraçado, mas é verdade. Meu pai vive brigando comigo: "porque comprar livros se você pode ler no computador, ocupa menos espaço". O problema é que usar o computador está prejudicando minha visão, e eu só saio do Pc pra ler, se eu começar a ler, minha miopia vai a mil graus (nem vou falar quantos graus são).
    Hoje em dia, pessoa caseiras como eu e meu irmão, não são valorizadas. Todo mundo briga comigo porque eu não gosto de sair e ir pra festas (beber, é claro). Não sou chegada a esse tipo de coisa. Prefiro ficar aqui na minha casa lendo. 
    Pior é que na escola também ninguém mais quer saber de estudar. Se você estuda, leva as coisas a sério, você é "trouxa", "idiota" e outras ofensas mais.
    E porque ninguém mais respeita os professores? Eles são a base da sociedade.
    Se os filósofos estivessem vivos hoje, eles estariam se remoendo de raiva, porque o conhecimento, a filosofia, o raciocínio, o "pensar", está totalmente desvalorizado.
    Excelente post, parabéns. Beijão.

    ResponderExcluir
  6. A facilidade cria o vício. Entendo perfeitamente que a vida hoje em dia é um corre-corre danado e muitas vezes, para conforto de alguns pais, manter um filho em casa "sossegado" de frente para o computador é mais fácil. Assim como é mais fácil não precisar ajudá-lo a procurar em livros a pesquisa solicitada pelo colégio, a ter que sair para comprar materiais ( já que pelo site você pode ter tudinho na comodidade do seu lar), não ter que desembolsar um tostão para adquirir um livro ou CD... Mas também perde uma oportunidade de convívio preciosa!
    O problema é que, como o ditado diz, o hábito cria o monge. Quem disse que educar é fácil? Se em casa não lemos ou não damos importância, dificilmente os filhos serão diferentes (é óbvio que existem exceções). 
    Gosto da internet, mas sou profundamente vigilante. Assim como podemos obter inúmeras vantagens online,os "vírus" também chegam no pacote...
    Um beijo

    ResponderExcluir
  7. Ai como eu gosto do desse programa da MTV!!!
    Enfim, eu sempre coloco livros pros meus filhos lerem. Aliás a literatura faz parte da vida deles tanto quanto da minha!!
    Aqui o lance de ler é natural, não é forçado, não tem essa de "MENINO VAI LER UM LIVRO!"
    Claro que eu tenho que levantar as mão aos céus por eles terem nascido na geração Harry Potter, que ajudou muito, rs
    To gostando disso.

    Bjkas

    ResponderExcluir
  8. Um dos melhores posts que já vi aqui na Cachola1 Parabéns, Zilda, pela abordagem delicada, mas nem por isso descomprometida.
    A leitura sempre foi um píncaro pouco almejado e atingido na escalada da nossa população. Hoje, com a presença de tantos aparatos lúdicos/instrutivos, há uma espécie de "substituição cultural". Na verdade, é um pensamento errôneo esse que muitos se tornaram defensores - o de que o livro pode ser substituído. Geralmente, quando alguém tende a jogar uma obra de lado e correr para o computador, ele só tende a pensar na questão do entretenimento, isto é: "o ambiente virtual entretê mais e de forma mais acessível, rápida e prática do que um monte de papel." É fato que, os livros desempenham esse caráter lúdico, porém, não apenas. O livro instrui, modifica, expande as ideias, criatividade e pensamento crítico. Claro que é possível obter isso em outros meios, como a internet. Mas, a forma como isso é feito é unilateral - ao passo em que a leitura fornece inúmeros recursos de uma única vez e de maneiras mais, digamos, "sadias e verdadeiras." Quem nunca ficou zonzo após horas e horas de digestão mental, diante da wikipedia ou do google? O número de "informação" é imenso, maior até do que um livro poderia nos dar. Mas, nosso cérebro não assimila toda a proteína da internet e não raro, dispersamos nossa cabeça num emaranhado de ideias desorganizadas. Particularmente, nunca vi isso ocorrer após a leitura. A "tontura" é outra. Sem falar que, como dizia Frank Zappa: "Informação não é conhecimento, conhecimento não é sabedoria."
    Sabedoria: eis a essência primordial dos livros. É muito legal navegar nas redes sociais, jogar um bom game online... eu mesmo faço isso e não digo que repudiarei meus filhos nesse intuito. Mas, faz-se necessária uma consciência mais veemente acerca da importância e da imparidade da leitura - afinal, aquele jogo maneiro, site legal ou mesmo o facebook, foi criado por alguém que lê ou já leu, um dia; de livros técnicos à literatura popular.

    Abraços.

    eltonsdl.blogspot.com 

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Mais que absurdo! O vídeo pode até ser engraçado, mas podemos encontrar pessoas assim atualmente.
    Quero que os meus filhos sejam atualizados sim, mas não alienados. Essa é a grande qualidade do livro: A "Desalienação".
    Belo debate e tema Zilda!
    Beijos*

    http://luahmelo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Engraçado, pra mim funcionou ao contrário. Minha mãe sempre me incentivou a ler, mas quando mais nova, não tomei gosto pelo hábito de ler livros mesmo (lia revistas, gibis, coisas mais fáceis). Depois, quando tive mais acesso à internet, ai a coisa mudou. Claro, tenho perfis nas redes sociais mais populares, mas foi através delas que comecei a conhecer mais os livros, me interessar mais por isso.
    Agora não nego que é assim mesmo, em alguns casos: Leitura é coisa inútil.

    Absurdo ._.

    ResponderExcluir
  11. Eu incentivo meu filho na leitura... Desde já, com apenas 4 anos ele escolhe livros comigo na livraria e passa horas folheando, pedindo para mim ler e perguntando. Vou incentivar a leitura para ele sempre! A internet idem. Ele já vê vídeos no Youtube. Irei supervisionar, mas nçao proibir, nenhum tipo de assunto, porque quero que meu filho seja educado para o que no mundo e aprenda a distinguir o que é bom e ruim! Adorei o tema abordado!

    ResponderExcluir
  12. Excelente post, Zilda. Remete sempre a reflexão, e isso é pertinente sobretudo. A nossa sociedade moderna está sempre voltada ao espetáculo, ao instante, ao momento em que tudo perdura acontecer. Mas devemos ter ciência também, que não faz parte somente dessa época, outras épocas tiveram seus graves problemas. Como por exemplo, atores de trupes teatrais serem queimados na fogueira, escritores que foram ridicularizados, ou mais recente pessoas torturadas na ditadura militar.
    Todas as épocas temos nossas lutas, talvez a luta dessa, (devem haver outras) seja a de conscientização, incentivo não só a leitura mas ao teatro, as artes visuais, a música. Coisas que aos poucos vão se perdendo.  

    ResponderExcluir
  13. Venho de uma família de leitores, então já nasci em um ambiento propício para me tornar a leitora voraz que sou hoje. Só que AMO internet. Acredito que é uma questão de achar a medida. E os pais têm que incentivar a leitura, mas sem obrigar o filho a ler o tempo inteiro.

    Bjs

    Carissa
    http://artearoundtheworld.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Pior que é verdade!

    Minha mãe vive brigando comigo quando eu compro livros, eu nem compro descontroladamente, mas ela diz que romance não me leva a canto nenhum. :T

    E quando eu peço pra ela algum livro pra facul ela sempre arranja uma desculpa pra não comprar....

    Eu sei bem como é isso.


    Beijos,Samantha MonteiroWord In My Baghttp://wordinmybag.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Magiasbook livros23 de maio de 2012 23:09

    Os valores estão perdidos hoje em dia,pois como foi citado uma coisa sem pé nem cabeça como vídeo Para nossa Alegria ganhou um ibope imenso,uma coisa grotesca  na minha opinião,nosso País é pobre em tudo e principalmente educação e ai por diante minha mãe mesmo não tem muito estudo pois é do tempo da lida na roça ou trabalhou muito em casa de família para ajudar a sustentar os Irmãos minha mãe não podia estudar para trabalhar.
    Eu procuro muito conversar com meus filhos mostrar o certo e o errado,procuro sim incentivar a leitura sempre até minha princesa de 3 anos tem livrinhos ela adora quando leio para ela eu mais ainda.
    Lamento muito por Pais que não compartilham um pouco dessa conscientização aos filhos que são  o Futuro.
    Até vou parar senão vou escrever um livro,rsrsrs.
    Mas adorei o post tem tudo a ver com atualidade de hoje em dia pois tem muito pai desligado.
    Alexandra

    ResponderExcluir
  16. Oie!

    Aqui em casa sempre foi diferente: minha mãe sempre deu liberdade para escolher o que eu quisesse, se eu quero livro ela apoia minhas compras.

    Infelizmente, falta um pouco de apoio dos pais na educação dos filhos.

    Esse quadro precisa mudar rápido!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  17. "
    antigamente seus pais não tinham muito estudo e consequentemente filho tinha que ir para a lida ou labuta" Sempre digo a quem perguntar, minha mãe não teve estudo e meu pai apenas o ensino fundamental, e afirmo, o que mais desejavam pra nós, os filhos, que estudássemos e realizássemos o sonho de seguir uma carreira. Minha mãe costumava dizer que seu sonho era que seus filhos não fossem "ignorantes" como ela. E eu digo, nosso sonho só foi possível por causa da dedicação que eles tiveram conosco e nunca desejamos decepcioná-los, mesmo porque estudar era para o nosso bem, para o nosso futuro, era o nosso propósito. 
    Portanto, mesmo não seguindo um padrão do tipo,me espelho em meus pais, na nossa concepção o que desejávamos era ser uma família feliz e realizada.

    "eu gosto de blogar, tuitar," facebookear", "emesenear"" Termo até engraçado de se usar, a vida é muito séria, porque não brincar com as palavras de vez em quando? Disse "brincar" e não levar esse vocabulário a sério, afinal Twitar, blogar, facebookear, pra muitos é apenas um meio de diversão outros, como nós é trabalho e prazer. Não vejo mal brincarmos com as palavras, vamos blogar??

    Bom, minha filha nasceu no meio da leitura, mas ela se desviou, preferiu o mundo chamado animes, jogos, e nem dando exemplo foi o suficiente pra mudar sua opinião, penso que chegará a sua hora, leu apenas dois livros, mas ler diariamente mangás. e não bloga, orkuta, emessenea, nada disso. 
    O interesse pela leitura é pessoal, influenciável e quando chega, ninguém tira de vc.

    ResponderExcluir
  18. Olá que bacana esse debate, na verdade não sei falar na grande maioria dos lares brasileiros, mas posso falar com conhecimento de causa que as vezes sou chamada de louca por gostar de ler, não pelos meus pais, mas por amigos, conhecidos e até parentes. o que é muito triste e te faz sentir como um estra terrestre. rs

    ResponderExcluir
  19. Lilianfarias_educadora24 de maio de 2012 15:00

    é um vídeo que dá pra se debater muita coisa, principalmente a influencia da mídia na sociedade brasileira! A sociedade passou a valorizar o trivial, a falta de ética etc.
    Os valores tomaram proporções novas, ou seja bonito é quem joga bola, não quem estuda. Como se fosse impossível fazer os dois. Belo é aceitar que o esporte tome proporções de pancadaria...  
    Cabelo 'bom' é o da chapinha; mulher bonita é a de plástico e mente sadia é a vazia! 

    ResponderExcluir
  20. Oii Zilda *-*

    Só hoje pude entrar aqui! Desculpa pela demora...
    Infelizmente essa é a realidade de muitos hoje em dia. 
    Existem muitos pais que realmente não acham que é correto o filho ler... que é coisa de gente que nao tem amigo, etc...
    Eu acho isso um absurdo! 
    Recebo muito apoio dos meus pais... eles me incentivam muito a ler, estudar e deixar o computador de lado, haha :D
    Concordo com vc: "
    Podemos e devemos caminhar com a modernidade a nosso favor. "

    Beijos, Lara E.
    http://naspaginasdeumlivro.blogspot.com.br/ 

    ResponderExcluir
  21. Carmen da Silva Machado28 de maio de 2012 16:42

    Olá, pessoas amigas.
     Bem ao estilo do Comédia MTV, exagerado, mas o assunto é sério mesmo.
    Lidar com toda a tecnologia sem perder o vínculo com o mundo real, e a leitura em particular.
     Não dá pra gente fugir da tecnologia, como mãe(tenho4) sempre faço o possível e o impossível para manter leituras sempre à disposição dos meus filhos. As surpresas(na verdade não é bem isso, já que o que a gente quer mesmo é que eles leiam) vem quando, vejo o menor (9 anos) vindo da escola quase todos os dias com um livrinho retirado da biblioteca, aí ele lê pra mim e depois corre pro PC e toca jogar, e face, e twitter etc. Negociação e exemplo, pra mim, é o melhor caminho. Como faço de tudo um pouco trablhar, ler, blogar, ler, tarefas domésticas, ler, rsrsrs estou sempre na volta do PC mas mesmo assim não deixo de ler.
    bjokk a todos.
    Cármen. (Ideiasdecanarioblogspot)

    ResponderExcluir
  22. Eu gosto muito do Adnet e do jeito como eles fazem piadas, então, sim eu ri demais!!!
    Mas o assunto debatido é bem pertinente no mundo de hoje, porque a cada dia que passa as pessoas estão mais conectadas e menos interessadas em estudar, conhecimento e principalmente na leitura. Sempre ouço a máxima "vão fazer filme, então eu espero". Eu não consigo entender essa posição. Entre o filme e o livro eu prefiro SEMPRE o ler e imaginar eu mesma, sabe? Mas esse meu gosto de leitura (quase compulsão, paixão, etc) foi cultivada pela minha mãe que sempre comprou livros e me instigava a ler. Hoje quando ela vê a conta, se arrepende kkkkk

    Brincadeiras a parte, eu acho que ler é mais importante do que contar sobre o seu dia. É viajar, é aprender a criticar, argumentar, conhecer. O que acontece com as crianças/adolescentes de hoje é que eles se prendem na facilidade do mundo tecnológico e nunca se tornam verdadeiramente capazes de vencer desafios. Perdem a paciência, se tornam imediatistas e preguiçosos no pensar. Isso se reflete na política, na família, e no cultivo dos relacionamentos.

    gostei muito do tema levantado, e merece mais uma discussão.

    bjinhus,

    Sa (Mundo-sa)

    ResponderExcluir
  23. Wanessa Guimarães29 de maio de 2012 13:25

    Marcelo Adnet é um figura! KKKKKKKKKK

    www.estanteseletiva.com

    ResponderExcluir
  24. Tem muitos pais que fazem isso. "Larga esse livro" "vai sair com seus amigos" "meu filho é estranho..."
    Outro dia estava no salão e uma mulher reclamava do filho de 15 anos que tinha gastado 100,00 comprando livros e gibis no Sebo, ela disse "meu filho tem algum problema, os meninos da idade dele saem o dia todo." Eu não me aguentei, olhei pra ela e disse "Você gostaria que seu filho gastasse 100,00 com drogas, bebidas e batesse o carro? Pois é isso que acontece com muitos jovens."
    As vezes as coisas não mudam mesmo.
    Na minha casa, nunca tive problemas em amar ler, meu irmão coleciona gibis Disney desde os 5 anos de idade, então já tenho um motivo para leituras.Apesar de que eu goste de leituras diferentes das dele.
    Pais tem que cuidar com aquilo que incentivam os filhos.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto