Concorrência inflaciona aluguel de espaços em livrarias e reduz variedade dos destaques

sábado, dezembro 29, 2012

Duas semanas atrás, quem passasse pela Fnac da avenida Paulista ou por quatro das megastores da Saraiva em São Paulo corria o risco de esbarrar num hobbit, um dos pequenos seres que habitam a ficção de J.R.R. Tolkien.
























"Morte Súbita", de J.K. Rowling, em ponta de gôndola na Fnac, um dos espaços que costumam ser negociados

Mais do que isso: poderia ouvir o homenzinho comentando seu estilo de vida, esmiuçado na autoajuda "A Sabedoria do Condado", de Noble Smith, que a Novo Conceito lançou por ocasião da estreia do filme "O Hobbit".


A ação exigiu da equipe de marketing da editora paulista certo jogo de cintura -na véspera do Natal, anões com talento para interpretar hobbits já estavam ocupados como ajudantes de Papai Noel em shoppings- e um grande investimento em dinheiro.

Não só pelo cachê dos atores e pela autorização das livrarias para mantê-los nas lojas, mas também para garantir a boa exposição dos livros durante a ação. Na Fnac, por exemplo, manter um título 15 dias em destaque na beira de uma gôndola custa R$ 5.000.

Esse é só um exemplo recente do ponto a que chegou um procedimento comum no Brasil há uma década, mas cada vez mais concorrido: o aluguel, por parte de editoras, de espaços em livrarias para expor seus títulos.

É comum que livros destacados em gôndolas, em pilhas no chão ou nas vitrines estejam nesses lugares não por mera recomendação dos livreiros, mas porque os editores pagaram uma boa quantia para mantê-los à vista.

Com a disputa cada vez mais acirrada entre grandes editoras, esse mercado vem sofrendo reajustes muito superiores aos da inflação.

Reportagem da "Ilustrada" em 2006 informava que editoras pagavam até R$ 2.000 para expor obras por 15 dias nas lojas. O valor hoje pode chegar a R$ 10 mil, segundo aFolha apurou. Um aumento de 400%, ante menos de 40% de inflação acumulada no período, segundo o IPCA.

"Com o surgimento de grandes editoras, como a Novo Conceito e a Intrínseca, e o crescimento de outras, como a Sextante e a Companhia das Letras, o espaço ficou mais concorrido", diz Marcos Pereira, sócio da Sextante, uma das maiores do país.

"Com isso e com a profissionalização das livrarias, a exposição do livro, que era meramente uma questão de relacionamento e de gosto do livreiro pelo produto, acaba virando um negócio à parte."


CURADORIA

"As livrarias estão se profissionalizando. Além do espaço físico para comercializar o livro, como antigamente, ela hoje precisa se rentabilizar. Sem isso, a conta não fecha", diz Rodrigo Castro, diretor comercial da Cultura.

A rede da família Herz cobra até R$ 5.000 por 15 dias de exposição na vitrine, com adesivagem, e R$ 2.000 pelos "cubos", caixas de madeira afastadas das gôndolas.

"Fazemos questão de deixar clara a diferença entre o que é curadoria da loja e quais os espaços para ações de marketing, que sempre precisam antes ser aprovadas pela livraria", afirma Castro.

Para o leitor, entretanto, a distinção não é tão clara.

Editores dizem que pilhas de livros, como as do tablado central na loja principal do Conjunto Nacional, não são negociadas na Cultura, embora o sejam na Saraiva, na Fnac, na Laselva e na Travessa.

Em quase todos os casos o pagamento pode ser feito com descontos maiores na hora da compra ou consignação de títulos pelas livrarias.

Mas nenhum livreiro gosta de tratar do assunto tão abertamente. "Nós é que decidimos os destaques. O que acontece é que às vezes convidamos editoras a participarem da decisão", diz Marcílio Pousada, CEO da Saraiva.

Algumas editoras participam tanto que várias lojas se sentiram em condições de, no último ano, aumentar os preços dos espaços, limitados. Até 2011, expor por 15 dias uma pilha de livros, o chamado "metro quadrado", numa loja da Fnac custava R$ 5.000. Hoje, paga-se R$ 8.000 pelos mesmos espaço e período.

Mas nem todo destaque é pago. Segundo todos os livreiros ouvidos pela Folha, a Intrínseca há meses não precisa desembolsar nenhum centavo para garantir os montes de pilhas dos "Cinquenta Tons" espalhadas pelas lojas. "Estão lá porque vendem", diz Samuel Seibel, da Livraria da Vila, que não negocia espaço -apenas anúncios na sua revista mensal.

Situação diferente acontece com "Morte Súbita", de J.K. Rowling. Um livreiro disse àFolha nunca ter visto investimento tão maciço quanto o que a Nova Fronteira fez.

Até a pequena Argumento foi assediada. A editora tentou comprar espaço nas cinco vitrines das duas lojas, mas a negociação não avançou.

Procurada, a Nova Fronteira não quis se manifestar. É provável, comenta-se no meio, que o contrato com a autora estipule uma parcela mínima -e alta- de marketing.














































Você também pode gostar

3 comentários

  1. Que interessante! Nunca havia pensado nisso!
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi flor,
    Não imaginava esses valores tão altos hein rs... mas e aquela coisa do Mkt que sempre quando o livro está mais visivel ela vai chamar mais atenção então o investimento vale a pena em muitos dos casos, como foi o caso de 50 tons...
    Beijos

    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  3. Nossa! E olha que na ultima vez que entrei numa livraria foi difícil encontrar o livro que eu queria porque ele estava bem escondido. 

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto