Governo adia novo acordo ortográfico para 2016

sexta-feira, dezembro 21, 2012

O governo federal vai adiar para 2016 a obrigatoriedade do uso do novo acordo ortográfico. As novas regras, adotadas pelos setores público e privado desde 2008, deveriam ser implementadas de forma integral a partir de 1º de janeiro de 2013.




A reforma ortográfica altera a grafia de cerca de 0,5% das palavras em português. Com o adiamento, continuará sendo opcional usar, por exemplo, o trema e acentos agudos em ditongos abertos como os das palavras “ideia” e “assembleia”.

Além disso, o adiamento de três anos abre brechas para que novas mudanças sejam propostas. Isso significa que, embora jornais, livros didáticos e documentos oficiais já tenham adotado o novo acordo, novas alterações podem ser implementadas ou até mesmo suspensas.

“Há muita insatisfação. Ganhamos tempo para refletir, discutir e reduzir o número de regras irracionais”, afirma o senador Cyro Miranda (PSDB-GO), que defendeu o adiamento e quer promover audiências com professores e embaixadores dos países de língua portuguesa na Casa.

A maior pressão é de professores, que reclamam terem sido excluídos das discussões.
diplomacia

A decisão é encarada como um movimento diplomático, uma vez que o governo, diz o Itamaraty, quer sincronizar as mudanças com Portugal.

O país europeu concordou oficialmente com a reforma ortográfica, mas ainda resiste em adotá-la. Assim como o Brasil, Portugal ratificou em 2008 o acordo, mas definiu um período de transição maior.

Não há sanções para quem desrespeitar a regra, que é, na prática, apenas uma tentativa de uniformizar a grafia no Brasil, Portugal, nos países da África e no Timor Leste.

A intenção era facilitar o intercâmbio de obras escritas no idioma entre esses oito países, além de fortalecer o peso do idioma em organismos internacionais.

“É muito difícil querer que o português seja língua oficial nas Nações Unidas se vão perguntar: Qual é o português que vocês querem?”, afirma o embaixador Pedro Motta, representante brasileiro na CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa).

A minuta do decreto do adiamento foi feita pelo Itamaraty. O texto precisa passar pela área jurídica da Casa Civil antes da assinatura da presidente Dilma Rousseff.




Você também pode gostar

6 comentários

  1. Boa noite Zilda,

    Não é fácil se adaptar a esse novo acordo e acho esse adiamente necessário, parabéns pelo post...abçs.

    Divulgando aqui.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada,Marco!

    ResponderExcluir
  3. Acho o adiamento ótimo. Ainda não me adaptei, assumo.


    Beijos,


    Carissa
    http://artearoundtheworld.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Bom dia!
    Passando para agradecer
    sua Amizade durante 2012
    e desejar que continuemos
    juntos por muitos anos mais...
    FELIZ NATAL! Que DEUS ilumine
    teu Lar e traga bençãos de
    renovação para todos de teu
    convivio...Até Breve!

    ResponderExcluir
  5. Oie

    Nossa ainda bem que foi adiado !!!

    Mal me acostumei com as mudanças.

    Aff viu rs não sei pra que essa mudança ¬¬

    Beijus

    Renata Sara


    http://amordelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Nossa! Eu fico as vezes confusa e nem sei que dia vamos usar  novo acordo ortográfico. 

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto