Autor de 'A Origem dos Guardiões' fala sobre seu amor ao universo do livro

terça-feira, janeiro 08, 2013


Muita tinta já foi gasta e muitos bits foram pulverizados na internet para discutir o fim do livro impresso. Mas uma das declarações de amor mais poderosas feitas ao vetusto produto gutenberguiano apareceu, há dois anos, onde menos se imaginava: na loja de aplicativos Apple App Store.




No aplicativo "The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore", o autor e ilustrador de livros infantis William Joyce conta a história de um rapaz apaixonado pela leitura que é levado por um furacão, criado à imagem e semelhança dos que sopram em "O Mágico de Oz", a uma enorme biblioteca, onde passa a viver.

O aplicativo em questão foi adaptado ao formato de um curta de animação, logo em seguida. E o filme acabou levando o Oscar do gênero no ano passado.
Depois de ter aparecido em iPhones, iPads, computadores e telas de cinema, a história encerrou seu ciclo e foi enfim adaptada para um livro.

Para tratar de "Os Fantásticos Livros Voadores de Modesto Máximo" (Rocco), como a obra foi batizada aqui na tradução competente de Elvira Vigna, e do futuro do livro, o americano William Joyce, 55, falou à Folha.


Folha - "Modesto Máximo" é uma clara declaração de amor ao universo dos livros. Qual é a sua opinião sobre o tão debatido fim do livro impresso?
William Joyce - Não penso em morte do livro, mas em evolução. Ainda que "Modesto Máximo" tenha começado como um aplicativo e um filme é um projeto sobre a importância dos livros.

Ao passo que o mundo do livro ilustrado evolui e se adapta às novas tecnologias, sinto que é importante reforçar a ideia de que, apesar dos lampejos que os aplicativos possam trazer, sempre haverá a necessidade e o espaço para os prazeres únicos da página impressa. O livro impresso jamais irá morrer.

Por que acredita nisso?
Por vários motivos, mas vale dizer que um livro pode ser molhado, e ainda poderá ser lido. Um livro pode cair no chão, e ainda poderá ser lido. Seu cachorro pode mastigá-lo, e ainda poderá ser lido. E tem mais: ele nunca ficará sem bateria.

Eu me diverti bastante brincando com as novas tecnologias dos aplicativos.

E acho que, no futuro, haverá muitos aplicativos interessantes que mesclam texto, estrutura de livro e animação, com cada maneira de contar uma história funcionando bem separadamente.

Mas, mesmo quando isso acontecer, continuaremos carregando felizes livros impressos em papel.

Como foi adaptar o filme "Modesto Máximo", feito com milhares de imagens, para um livro infantil, de poucas páginas?
"Os Fantásticos Livros Voadores de Modesto Máximo" foi concebido anos atrás como um livro infantil. Eu pensei que seria interessante fazer um curta de animação como peça promocional para o livro. Mas, enquanto o filme estava sendo produzido, a Apple lançou o iPad e achei que seria uma boa plataforma para uma história de animação. Vi menos como a separação entre filme, aplicativo e livro, mas como três partes de uma história.

Qual linguagem você mais admira?
Tudo o que faço em meu estúdio vejo inicialmente como um potencial livro.

Não é que eu valorize menos outros formatos e que eles não tenham tanto mérito intelectual, mas é minha maneira de criar.

Fazer um livro é complicado, mas menos complicado do que fazer um filme, um game, um aplicativo ou outras formas de contar uma história. É mais simples por uma razão essencial: você depende só de si mesmo.

Você se identifica com o personagem Modesto Máximo?
O personagem Modesto Máximo foi inspirado num querido amigo e mentor chamado Bill Morris, um amante dos livros e um grande cavalheiro da área da publicação de livros infantis.

Pessoalmente, sempre fui apaixonado por bibliotecas e sempre tento escrever histórias nas quais elas apareçam.

A ideia de um homem que é seguido por sua biblioteca me pareceu fascinante.


Como foi a experiência, pouco comum para um autor de livros, de receber um Oscar?
Foi inacreditável. Quando eu e Brandon Oldenburg fomos escolhidos como finalistas para o Oscar, a Academia nos pediu, como faz com todos, que preparássemos os discursos para o caso de ganharmos. Mas simplesmente não o fizemos. E tivemos um branco enorme quando subimos no palco. Estava em frente de Meryl Streep, George Clooney e toda esta turma e não conseguia pensar em nada. Depois, as pessoas me diziam: "Adorei seu discurso". Eu não tinha ideia do que dissera. Só consegui entender depois, quando assisti a uma gravação. Foi surreal.

Muita gente do mercado editorial acredita que, como desenvolver um aplicativo bem- feito é caro, os livros digitais para crianças serão dominados por estúdios de cinema ou empresas do gênero. O que você pensa sobre isso?
Ainda é caro criar aplicativos, mas acredito que este formato vai continuar se desenvolvendo e ficará cada vez mais viável economicamente. Acho que é uma maneira interessante de enriquecer a experiência de contar uma história.

Não imagino que este segmento vá ser dominado por estúdios de cinema.

Na realidade, acho que as portas estão se abrindo para que as pequenas companhias e os coletivos possam desenvolver seus projetos e apresentá-los de uma maneira muito democrática e de longo alcance.

São tempos maravilhosos para os criadores os que estamos vivendo.


AUTOR William Joyce
TRADUÇÃO Elvira Vigna
EDITORA Rocco
QUANTO R$ 39,50 (56 págs.)

Fonte por CASSIANO ELEK MACHADO

Você também pode gostar

3 comentários

  1. Oie!!!
    Eu amo esse curta!
    Muito legal ele virar livro, vou comprar com certeza. Eu gosto muito de bibliotecas para parar de comprar livros impressos, acho que essa onda de ler em tablet não me pega, até pq aqui no Rio roubam muito, livro é mais facil de comprar outro rsrsrsr
    bjosss

    http://enquantoescrevoumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Zilda,


    Muito bom esse post, gostei da entrevista e o video nem se fala...parabéns....abçs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto