Sobre Ler e Escrever

quinta-feira, janeiro 31, 2013



Todo esforço de uma palavra ou página está num livro. Desfolhamos vida, peles, membranas e camadas antigas. Começar um livro é muito bom. Os primeiros parágrafos e páginas podem ser sempre mágicos.

Entrar pelas folhas é abrir uma nova porta ou janela e descortinar uma paisagem, um novo mundo desconhecido. Tudo parece novo, chão, ares, cheiros, sons, cenários.

Na textura do papel tateamos as páginas com nossos dedos e emoções, vamos decifrando as sensações e ideias de quem a escreveu, um processo que nos devora lentamente e muitas vezes nos engole vivos.

Certos livros são tão apaixonantes que devem ser lidos da forma mais confortável possível: no sofá, na cama, na rede. Com atenção total, desligando tudo em volta. Só assim conseguimos nos entregar e mergulhar sem pensar em um mundo do qual não queremos sair.

Até terminar um bom livro nos alegra, mesmo se o desejo era ainda ouvir suas palavras e personagens. O gosto e a saudade de ter terminado nos acompanham durante um tempo.
Ler é viver. Viver é ler.

Quando lemos escrevemos alguma coisa em nossas mentes e corações. E quando escrevemos também relemos algo, sinais do mundo que nos marcam e não nos largam. Com as palavras vamos decifrando pessoas, ambientes, barulhos e vozes que tentamos recriar como ficção.

Quando escrevemos a memória pode ser um cinema mágico – num tempo lento, brilhante e com cores muito vivas: podemos nos empolgar e nos concentrar sem cansaço durante horas ou dias debruçados sobre diálogos, pensamentos, descrições, devaneios, memórias.

Tudo por muito esforço e algumas poucas frases que nos satisfaçam, palavras, parágrafos e muitas emoções que encontram seu destino em poesia, conto, crônica ou um texto qualquer.

Escrevemos para vivenciar de novo o que vivemos mas queremos sentir de novo.
Escrevemos para procurar dentro de nós mesmos algo que não sabemos, não lembramos ou descobrimos. Nossos acontecimentos e tudo à volta, pessoas e coisas.

Quem escreveu e terminou de produzir algo deseja muito que outras pessoas leiam.
Escritores e leitores, estamos todos perdidos no mesmo misterioso universo de palavras e textos que nos cercam.

Escrever e Ler são dois lados que se complementam na mesma moeda.
É muito importante entender o segredo do que mantém este fogo da linguagem aceso por centenas de anos de escrita:

Não basta apenas ler e escrever:
Leia como quem Escreve.
Escreva como se estivesse Lendo.


Fonte por Roberto Tostes

Você também pode gostar

7 comentários

  1. Que lindinho!!!
    rs
    Adorei, e escrever com absoluta certeza é sempre bom.
    clicandolivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, achei seu texto muito bem escrito e lindo. Ainda mais eu que sou escrita...sei bem....

    Beijocashttp://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Belo texto!
    Você vai se dar bem nas dissertações!
    Beijos,

    Vinícius
    - Livros e Rabiscos

    ResponderExcluir
  4. Boa noite Zilda,


    Demais o seu post...um  texto muito legal, interessante e verdadeiro..parabéns...abçs.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/
     

    ResponderExcluir
  5. Oi amiga!
    Nossa, eu amei o texto. Ele diz tudo!

    Bjinhs*

    ResponderExcluir
  6. Olá!!

    Que texto lindo!1 Parece aquelas colunas que lemos em revistas sobre determinado assunto, escrito por pessoas que entendem, alguém que escreve livros. xD

    O texto mexeu bastante comigo!!

    Parabéns!!

    http://naty-land.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto