O problema é que a gente se acostuma

quarta-feira, março 27, 2013

Se você já se acostumou a levar a sua vida repetindo as mesmas ações é porque não ouviu o que Antônio Abujamra tem a dizer. 


Pronunciando cada palavra com uma avidez desconcertante, Abujamra nos dá a noção de como nos acostumamos com coisas que julgamos tão necessárias. No vídeo do programa Provocações, ele dá vida ao texto Eu sei, mas não devia, de Mariana Colasanti. 

Sempre com entrevistas e convidados interessantes, Provocações nos presenteia com o que há de melhor sobre a cultura nacional.




Eu sei, mas não devia
Marina Colasanti

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.

A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

Confira o poema na íntegra aqui

Marina Colasanti nasceu em Asmara, Etiópia, morou 11 anos na Itália e desde então vive no Brasil. Publicou vários livros de contos, crônicas, poemas e histórias infantis. Recebeu o Prêmio Jabuti com Eu sei mas não devia e também por Rota de Colisão. Dentre outros escreveu E por falar em Amor; Contos de Amor Rasgados; Aqui entre nós, Intimidade Pública, Eu Sozinha, Zoológico, A Morada do Ser, A nova Mulher, Mulher daqui pra Frente e O leopardo é um animal delicado. Escreve, também, para revistas femininas e constantemente é convidada para cursos e palestras em todo o Brasil. É casada com o escritor e poeta Affonso Romano de Sant'Anna.


Você também pode gostar

0 comentários

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto