Cresce no Brasil o mercado de livros infantojuvenis voltados para meninas

sexta-feira, julho 26, 2013

O fenômeno cada vez mais vistoso da literatura infantojuvenil voltada para garotas, que faz a fama de nomes como a americana Meg Cabot e a brasileira Thalita Rebouças, já tem uma leva de autoras best-sellers no Brasil.



Pode não ser esse um nicho tão badalado quanto o universo dos bruxos, vampiros e seres fantásticos, mas a, digamos, jovem literatura mulherzinha, que tem características de diário íntimo e conversa entre melhores amigas, ocupa espaço cada vez mais relevante nas estantes das livrarias.

Quando comecei, há 10 anos, era praticamente só eu. Hoje, quando vejo tanta gente querendo escrever para esse público, fico muito feliz. Mas ainda é um mercado pequeno se comparado ao americano, por exemplo – diz Thalita, autora de sucessos como Fala Sério.

Na mesma trilha, seguem autoras como Paula Pimenta, conhecida pela série Fazendo Meu Filme, e Patricia Barboza, que assina a série As Mais.

Na época em que eu era adolescente, existiam vários livros como os da coleção Vagalume. Mas, durante um tempo, não apareceu nenhuma novidade, até que a Thalita revitalizou esse mercado – destaca Paula. – Escrevo lembrando de histórias que vivi. As experiências dessa fase são mais ou menos as mesmas.

Segundo Patricia Barboza, identificação com a garotada é um fator de grande importância:

A maioria dos títulos para esse público eram traduções de best-sellers internacionais. As adolescentes são grandes leitoras e, quando encontram livros com características brasileiras, identificam-se imediatamente. Com as redes sociais, o contato direto com as escritoras aumentou ainda mais o interesse. A autora de livros infantojuvenis se tornou quase uma amiga, aquela com quem você pode compartilhar um problema pelo e-mail, tirar foto, conversar abertamente.

O interesse por essa fatia cor-de-rosa do mercado teen – o segmento jovem responde por entre 30% e 45% das vendas totais das editoras – estimula iniciativas como o recente lançamento de O Livro das Princesas, assinado por Paula, Patricia e pelas americanas Meg Cabot e Lauren Kate, best-sellers internacionais.

Procurei reunir autoras com as quais as adolescentes já têm uma identificação. A Meg tem mais de 1 milhão de exemplares vendidos aqui, a Lauren Kate, 800 mil. Espero que essa união mostre a popularidade das nossas autoras para o mercado internacional – diz Ana Lima, editora do selo Galera Record.

Responsável pela área comercial da Editora Gutenberg, que tem Paula entre seus autores, Judith Almeida confirma que aumenta a oferta de textos para esse público:

Muitos querem escrever sobre esse universo, mas o sucesso da Paula vem do fato de ela conseguir se comunicar como uma igual, e não como uma adulta se passando por adolescente. A rigor, ela escreve para meninas de 16 e 17 anos, que se identificam com histórias sobre o fim da vida escolar. Mas as filas nos seus lançamentos indicam que ela conquistou também meninas de 11 e 12 anos. Se o universo fantástico contempla meninos e meninas, esse nicho específico do universo feminino conta com fãs muito fiéis.


O Livro das Princesas


Recém-lançado pelo selo Galera Record, o livro que reinventa personagens clássicas dos contos de fada com uma abordagem contemporânea ilustra o investimento das editoras brasileiras em autoras nacionais. Nesta coletânea, ao lado de duas norte-americanas reconhecidas internacionalmente – Meg Cabot (de Diário da Princesa) e Lauren Kate (de Fallen) –, estão as best-sellers Paula Pimenta (de Fazendo Meu Filme) e Patricia Barboza (As Mais), que seguem os passos da carioca Thalita Rebouças.


Thalita Rebouças

A escritora carioca já vendeu mais de 1 milhão de exemplares de títulos como os da série Fala Sério. Lançou sete livros em Portugal e prepara para 2014 sua entrada no mercado latino-americano. Em agosto, na Bienal do Livro, Thalita lançará, pela Rocco,Ela Disse, Ele Disse – O Namoro, parceria com Mauricio de Sousa ilustrada pela Turma da Mônica Jovem. Em outubro, apresenta seu primeiro livro infantil, Por que Só as Princesas se Dão Bem?. O musical Tudo por um Pop Star, inspirado em seu livro homônimo, está em cartaz no Rio.


Paula Pimenta

A autora mineira já soma mais de 250 mil exemplares de livros vendidos. De seus nove títulos, destacam-se os quatro volumes da série Fazendo Meu Filme (editora Gutenberg), iniciada em 2008 e que tem como protagonista Fani, uma menina apaixonada por cinema que vê sua vida sofrer uma reviravolta após fazer um intercâmbio – o primeiro volume vendeu 64,4 mil exemplares. Em 2011, Paula lançou o primeiro livro de uma nova saga, Minha Vida Fora de Série, sobre uma adolescente que encara o recomeço decorrente de uma mudança de cidade.


Patricia Barboza

A escritora carioca tem nove livros publicados e é conhecida pelo sucesso da série intitulada As Mais, cujo primeiro volume, lançado em 2012, já vendeu 20 mil exemplares – outros dois volumes somam mais 10 mil livros vendidos. As Mais fala sobre a amizade de quatro meninas, Mari, Aninha, Ingrid e Susana. O primeiro livro é narrado pelas quatro personagens. A partir do segundo, cada garota narra sua própria versão da história – a série terá cinco volumes publicado pela Verus, selo da editora Record.


Novas autoras

Entre outras escritoras que despontam no universo adolescente, destaca-se a paulista Carina Rissi, de Perdida, lançado em 2010 pela Verus e relançado em 2013. Uma das apostas da Gutenberg é Bruna Vieira, mineira de 19 anos que levou para o livro Depois dos Quinze seus relatos no blog homônimo – lançado em março, já vendeu 15 mil exemplares. A mesma editora prepara o lançamento de Diário de Classe, no qual a catarinense Isadora Faber, 13 anos, narra as experiências escolares que foram tema de polêmica quando publicadas no Facebook.



Você também pode gostar

8 comentários

  1. Eu nunca havia considerado isso como um gênero, haha! Pra mim, era infanto-juvenil ou YA, sei lá! Só li um livro da Thalita, e alguns da Paula. Não sou chegada à Meg, mas quero muito ler "O livro das princesas".

    @mmundodetinta
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br
    https://www.facebook.com/maravilhosomundodetinta?fref=ts

    ResponderExcluir
  2. Já li os livros da série "Fazendo meu filme" da Paula Pimenta, e talvez já tenha lido algum da Thalita, embora não me recorde de nenhum. E já li alguns da Meg Cabot também. Parece mesmo que esse mercado tá crescendo bastante e fazendo sucesso aqui no Brasil, porém não sou muuuuito fã desse estilo literário rs.

    Bjs!
    Laila.

    www.escritoriando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Desses que vc postou li Perdida (AMO) e Fazendo meu filme comprei o livro das princesas só esperando chegar ^^ os outros eu ainda não tive a oportunidade de ler... tô louca pra ler depois dos quinze..ainda tá meio carinho mas espero poder comprar logo =)

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Miga,
    Realmente esse mercado está cada vez maior, isso é muito bom.
    Não li nenhum desses mais quero ler As Princesas e Perdida.
    Beijos

    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Zilda,

    Essa é uma notícia muito bom...e espero que continue crescendo, gosto muito desse estilo de literatura....abraços.


    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi !!!
    Não li nenhum desses livros mais parece ser bom.

    Já coloquei na minha lista de leitura.

    Aproveitando, te indiquei para um selinho lá no meu blog

    http://no-mundo-dos-livros.blogspot.com.br/2013/07/selinho-versatile-blogger-award-7.html

    ResponderExcluir
  7. Uma coisa é certa: os livros têm o poder de mudar a vida de uma pessoa. Logo, qualquer gênero que influencie, positivamente, inspirando, ensinando ou apenas dando força a alguém é válido. Teria adorando ler livros do tipo na minha época, ao invés das Capricho, TodaTeen e Atrevidas da vida (q acho dignas, mas não tanto quanto um livro).Não curto muito chick lits, por exemplo, por achar o humor do gênero meio fútil, mas alguns rendem boas risadas, o que já vale muito! Pq não livros voltados p o público bem jovem feminino? Acho muito legal ver as meninas curtindo uma história fictícia que não englobe 1D ou afins e, sim algo que ainda desperte o hábito da leitura. :)

    ssentrelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. essa notícia é ótima, adoro esse gênero. Amo os livros da paula pimenta e da Carina Rissi

    http://www.lostgirlygirl.com

    bjos

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto