Preservar é preciso

terça-feira, julho 30, 2013


Olá,pessoal!

Como andam as coisas por aí? Por aqui as coisas andam meio esquisitas. A maré tá meio alta e as coisas não estão fluindo muito bem. Problemas de saúde na família e outras coisas que vem afetando diretamente o bom andamento do blog.



Não sei se vocês repararam, mas as postagens andam espaçadas e o blog anda meio desatualizado. Digo isto com muito pesar porque quem acompanha o blog sabe o quanto eu prezo por sua qualidade e frequência. De qualquer maneira venho tentando colocar minhas leituras em dia. Não tem sido fácil devido aos problemas que venho passando, mas gostaria de tranquilizá-los que a Cachola não irá lhes abandonar, pelo menos não por enquanto. Só gostaria de pedir um pouco mais de paciência a todos vocês, leitores e parceiros do blog. Não me abandonem!

Tenho muitos livros para resenhar, mas o tempo anda cada vez mais curto e não estou conseguindo administrá-lo como eu gostaria. Acho que todo mundo já passou por algo parecido, por isso, conto com a compreensão de vocês.

Pensando nessa fase difícil encontrei um texto de um cara que acompanho e gosto muito. Gregorio Duvivier é colunista da Folha e estreou há pouco com um texto bem legal que traduz um pouco o meu sentimento em relação a tudo que venho sentindo. O texto fala um pouco sobre o relacionamento de um casal e como ambos encaram as transformações que ocorrem no seu dia-a-dia. É mais ou menos isso que gostaria de transmitir o que sinto. Que possamos sempre guardar as coisas boas. É por aí...


Mas antes


Ela saiu de casa batendo a porta. Mas antes, ele tinha mandado ela tomar no cu. Mas antes, ela tinha pedido que ele pelo menos limpasse a merda que fez. Mas antes, ele tinha derramado vinho no tapete. Mas antes, ela tinha duvidado de que ele derramaria o vinho todo no tapete. Mas antes, ele tinha dito que derramaria o vinho todo no tapete. Mas antes, ela tinha dito que a culpa não era dela de ele não ter um emprego. Mas antes, ele tinha dito que ela não precisava jogar na cara que ele não tinha dinheiro nem para comprar um tapete. Mas antes, ela tinha dito que a mãe dela merecia respeito, afinal de contas era ela quem tinha mobiliado o apartamento, do ventilador ao tapete. Mas antes, ele tinha dito que a mãe dela era uma vaca. Mas antes, a mãe dela tinha saído do apartamento batendo a porta. Mas antes, ele tinha pedido que a mãe dela saísse, de preferência sem bater a porta. Mas antes, a mãe dela tinha dito que ele estava mais gordo. Mas antes, ele tinha dito que a mãe dela estava mais velha. Mas antes, a mãe dela perguntou se ele tinha conseguido o emprego. Mas antes, ele disse que a mãe dela chegar de surpresa era só o que faltava. Mas antes, a mãe dela tinha chegado de surpresa. Mas antes, eles tinham se beijado e pedido desculpas e prometido que não iam brigar. Mas antes, ele perguntou por que é que nada que ele faz nunca está bom. Mas antes, ela tinha reclamado que ele não sabia nem abrir um vinho. Mas antes, ele tinha tentado abrir um vinho. Mas antes, ela tinha sugerido que ele abrisse o vinho. Mas antes, eles tinham se beijado. Mas antes, eles tinham deixado os filhos na casa da irmã dele. Mas antes, eles tinham dito que seria uma noite linda. Mas antes, eles tinham passado no supermercado e comprado o melhor vinho. Mas antes, ela tinha dito que tinha muito orgulho do marido que ele era. Mas antes, ele tinha chorado porque não era assim que ele se imaginava aos 35. Mas antes, ele tinha sido recusado na entrevista de emprego. Mas antes, ela tinha dito que confiava cegamente nele. Mas antes, ele tinha dito que era só uma entrevista de emprego, e que nada estava certo ainda. Mas antes, eles tinham combinado de comemorar as duas coisas, o aniversário e o emprego novo. Mas antes, eles tinham acordado e percebido que, naquela noite, eles iriam comemorar sete anos juntos. Mas antes, eles tinham sido felizes. Isso antes.


Você também pode gostar

6 comentários

  1. Oi amiga!
    Estou com saudades, beijos*

    ResponderExcluir
  2. Desejo de coração que essa maré passe e você volte para a nossa blogosfera. Afinal, além de deseja que você seja feliz, faz falta ler suas postagens e resenhas :)

    Adorei o texto, acho que me encaixei hahaha

    Beijinhos

    www.meumeiodevaneio.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Zilda!
    Olha, eu sei bem como é isso. Tente colocar sua vida em ordem primeiro, isso é o mais importante. Problemas todos temos, então vamos entender qualquer tempo que você precisar. :)
    Espero que tudo se resolva o mais rápido possível, viu?

    E o texto é super bacana! Tem que ter um talento DAQUELES para escrever de trás para frente assim, contando uma história do fim para o começo. ADOREI.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  4. Espero que esteja tudo bem e que você possa voltar com tudo.
    ;)
    Beijos.
    Livros y Viagens

    ResponderExcluir
  5. Estamos torcendo por você, espero que consiga colocar tudo em ordem em breve, mas as coisas são assim mesmo.
    O texto é lindo, adorei!
    Beijos!

    http://www.istoeleitura.com/

    ResponderExcluir
  6. Zilda o/
    Sinceramente, não gostei nenhum pouco do que vi por aqui. Ainda é o mesmo problema de família e me parece - ao menos pelo texto - que mais um. Ai, fico preocupada, sei que nossa amizade foi repentina, tudo na maior sacanagem, mas hoje estou séria (só um pouco, acredite) e fico me perguntando o pq de sempre coisas indesejáveis acontecerem quando menos se espera!
    Que droga!!!

    Estou na torcida, tenha fé em Deus e tudo se resolverá!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto