Resenha: A Bibliotecária - Logan Belle @editorarecord

quinta-feira, agosto 15, 2013




A jovem Regina Finch acaba de chegar a Manhattan para trabalhar na Biblioteca Pública de Nova York. Mas o que parecia ser a promessa de uma rotina tranquila em meio a clássicos da literatura logo se revela um irresistível jogo de sedução quando ela conhece o envolvente Sebastian Barnes, investidor da instituição e um dos homens mais cobiçados da cidade, que fica obcecado pela beleza da bibliotecária. A até então ingênua Regina se entrega a um crescente e selvagem desejo que parece consumi-la mais a cada dia, uma paixão que despertará na jovem sensações jamais imaginadas.



Não é novidade pra ninguém que aprecio livros do gênero e por esse motivo estou sempre à procura de novas leituras. Quando me propus a ler A Bibliotecária procurei não me basear em opiniões alheias, pois discordo de colocações a respeito do gênero. Mas dessa vez eu deveria ter feito o contrário. Ah..se arrependimento matasse! A Bibliotecária é um dos piores livros que já li em toda minha vida. E não falo isto apenas ao que se refere a sua classificação. 

O livro é um conjunto de erros grotescos. Escrita ruim, enredo fraco e personagens mal construídos. Tive a impressão que a autora compilou tudo o que tem de ruim em alguns livros que surgiram no mercado e por fim, decidiu curtir com a cara do leitor. Por que não é possível que em sã consciência uma pessoa se dispusesse a escrever algo tão ruim. 

Em A Bibliotecária Logan Belle toma como modelo a norte-americana Bettie Page para construir sua personagem. Bettie Page tornou-se famosa na década de 1950 por fotos de temática pin-up e fetichista. Ficou conhecida como "Rainha das Pin-ups" e seu visual, cuja marca registrada eram os cabelos pretos lustrosos e uma franja. Todas as características físicas de Bettie Page estão inseridas em Regina. 

Tal admiração resultou num livro praticamente performático. Quem conhece um pouquinho que seja da historia de Bettie irá notar diversas semelhantes entre ambas. Pra quem não conhece basta ir ao Google e pesquisar a seu respeito, e verá que a autora transferiu praticamente a vida de Bettie para compor Regina. Não sou contra tal homenagem, mas acredito que se fosse este o caso seria mais adequado que ela escrevesse uma biografia e não um romance ou que no mínimo tentasse inovar. 

Dar-me-ia por satisfeita se a autora utilizasse as características mais importantes e a personalidade de Bettie, porém, ainda sim, isto não seria suficiente para escrever um bom romance. Dentro de um romance erótico uma das primeiras coisas que nos chama a atenção é a química entre os personagens e, essa é uma das primeiras falhas do livro. Regina, a personagem principal é apática, inexpressiva, completamente sem sal. 

Recém-formada em Biblioteconomia, Regina chega a Nova York para assumir o emprego que sonhara durante toda sua vida: trabalhar na Biblioteca Pública de Nova York. Regina vai morar com Carly, uma jovem rica fútil que troca de “namorado” como quem troca de calcinha. Regina por sua vez é o oposto. Nunca tivera nenhum relacionamento sério e a sua única experiência sexual é masturbar-se praticamente todos os dias. Um das tarefas mais difíceis para Regina é lidar com os gritos e barulhos provocados por Carly e seus respectivos companheiros bem ao lado de seu quarto. Sendo assim, a mocinha convoca seus dedinhos. Eis um talento nato de Regina além de catalogar livros. 

Tão animada quanto A voz do Brasil, a vida de Regina segue sem muitas alterações até que surge O homem: o fotógrafo Sebastian Barnes. Regina e Sebastian se esbarram na escadaria da biblioteca e sua vida está prestes a mudar completamente. Tal como a história em si, o encontro dos dois é tão inexpressivo quanto. 
Sebastian abala as estruturas de Regina e passa a tomar conta dos seus pensamentos. Como de praxe Sebastian é milionário, sedutor, o senhor do sexo selvagem e está disposto a tudo para dominar Regina. Só que nossa mocinha é virgem, nunca vira um homem nu. Dá pra imaginar? 

Bem, a previsibilidade tomam as rédeas da narrativa. Em A Bibliotecária a prática BDSM é apresenta corriqueiramente. Nada é muito explorado. Aliás, NADA é explorado. A começar pelos personagens principais. Não se sabe nem quantos anos tem Regina, ou seja, a autora acaba nos privando do básico. Fora que Regina e tão, tão sem sal que eu seria capaz de achar um zumbi mais interessante. Apática, passiva ao extremo e totalmente sem noção Regina não conhece nada. Sebastian é outro fiasco. Mesmo com todo o esforço da autora em idealizar um milionário sedutor e atraente a coisa não funciona. Sebastian trabalha como fotógrafo e colabora para um prêmio literário organizado pela Biblioteca. 

Tanto em relação a Regina quanto a Sebastian, a autora não explora o mínimo possível para que pudéssemos identificar com seus personagens. A autora poderia ao menos ter explorar o conhecimento literário de Sebastian já que o personagem é formado em literatura, porém nem na fotografia, que é a sua verdadeira aptidão o personagem passa credibilidade. Seu trabalho como fotógrafo não transmite emoção. Não existe paixão. Não conseguimos visualizar a magia em determinados diálogos onde o personagem aborda sobre o determinado tema. 

A relação dominadorXsubmissa chega a ser ridícula. Regina cede muito facilmente enquanto Sebastian age como um robô programado diante da mocinha. Resumindo: diálogos pobres, relacionamento superficial e narrativa tediosa. Se até mesmo os personagens principais foram tão mal construídos imagine o que a autora fez com os secundários. Eles estão presentes, mas trilham o mesmo caminho. Não acrescentam nada a narrativa e estão ali somente para encher linguiça. 

Não foi fácil concluir esta leitura. Desde os primeiros capítulos previa que o livro não me agradaria. Como é comum em livros do gênero quando a narrativa não possui um enredo bem desenvolvido esperamos no mínimo uma tensão em relação aos personagens. Até nisso a autora foi infeliz. Sebastian esconde um segredo que nem gera tanto conflito assim, já que a autora não consegue explorá-lo. Os personagens não transmitem confiança muito menos emoção. Livros que descrevem sexo por sexo têm aos montes por aí, mas nenhum autor fora tão infeliz quanto Logan Belle. 

A única coisa boa nessa história toda é que pelo menos até onde sei o livro não terá continuação. Ainda bem né porque pelo amor.. Fico a me perguntar quem foi que disse: “Um dos livros mais quentes do ano” no The New York Post. Essa pessoa realmente leu o livro? Entendeu alguma coisa? Ou simplesmente o recomendou porque Logan homenageia a americana Bettie Page? Vai saber? Americano tem dessas coisas_ patriotismo acima de tudo.




FICHA TÉCNICA
Editora: Record 
ISBN: 9788501402165
Ano: 2013
Páginas: 283

Você também pode gostar

20 comentários

  1. Ah que pena!
    Estava querendo comprar esse livro... mesmo depois de ler sua resenha ainda estou curiosa pra conhecer rs.
    Achei a capa tão linda, que pena que o enredo foi tão fraco.
    Manuscrito de Cabeceira.
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu gostei do livro. achei algumas coisas diferentes, porém muito semelhante com 50 tons de cinza

      Excluir
  2. Quando li a sinopse e a classiicação no skoob imaginei que fosse ruim e nem perdi meu tempo. Mas vendo você descrever fez eu entender que estava certinha em não me interessar em o ler.

    Me parece com o livro da "Bem Profundo" de Portia da Costa.. Semelhança? Biblioteca, e história fraca!

    ResponderExcluir
  3. Ótima resenha como sempre! Confio muito na sua visão, já que temos visões parecidas para o gênero... Estava esperando uma resenha confiável... Não irei ler. Não é a primeira que critica negativamente. E diante disso: "Regina cede muito facilmente enquanto Sebastian age como um robô programado diante da mocinha." eu prefiro ocupar meu tempo com livros bem conceituados na mídia e que sei que irão me entreter.

    ResponderExcluir
  4. Oi amiga!!

    Pelo que vi você sentiu a mesma coisa que eu ao ler este livro. Menina, eu pos minhas expectativas neste livro e me frustrei.
    Terrível né, este livro não me agradou em nada, como se fosse vazio. Você disse tudo na sua resenha, gostei.

    Concordo contigo amiga, quem foi que edisse que este livro é quente? Acho que não leu não... rsrsrs

    Beijinhso*

    ResponderExcluir
  5. Oii!
    Adorei a capa do livro e até a sinopse, mas depois de ler sua resenha e algumas outras desisti...rs
    Um monte de autores querem escrever seu próprio "Cinquenta tons de cinza" , fazer o que né?
    Se puder, me faz uma visitinha!

    Bjs!

    http://meninacomhistorias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oie :)

    Nossa cara todos estão falando muito mal desse livro, nem quero chegar perto !!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/ ( comenta lá :D )

    ResponderExcluir
  7. Oii amigaa
    kkkkkkkk, Oh God... libera geral!!!
    Amigaa... eu tava querendo esse livro, mas agora.. que que eu vou dizer né.. tu sabe que eu levo a tua opinião a sério, ainda mais hoje quando tambem fiz uma resenha de um livro onde NADA é explorado...hehe
    Adorei a resenha amiga... como sempre, brilhante..

    Beijão

    TeLa
    http://www.penseiraliteraria.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Poxa, estava ansiosa pelo lançamento do livor e vocÊ chega com essa resenha falando mal do livro, fiquei com um aperto no coração, mas mesmo assim, adorei, você pelo menos falou a verdade. Só que mesmo assim, ainda irie ler o livro! Parabéns pela resenha!
    http://leituramagnifica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Menina, que babado. Você acredita que eu quase comprei esse livro pela capa essa semana??
    Ainda bem que segurei!! Bem, comprei Perdida, não tinha como sair da livraria sem nada, rs.
    Adoro sua sinceridade, rsrsrs.

    Bjkasssss

    Lelê Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Zilda, amei sua sinceridade ^^
    Eu até pensei em ler este livro, mais fiquei numa dúvida danada, agora eu não quero ler.. e foi ótimo ler sua resenha, quero passar longe deste livro..


    beijos Mila
    Tem Resenha nova no Daily ^^
    http://dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Zi
    Esse livro chamou logo a minha atenção, gostei da capa, da sinopse... *-* recebi ele semana passada e já vou iniciar a leitura dele ;)
    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  12. Olá Zilda,
    Eu li o livro... E realmente concordo com você. Não gosto quando a narrativa é pobre e a previsibilidade aparece logo de cara. Não tem criatividade. E gosto menos ainda quando a protagonista é tonta e ingênua. Argh!
    Você já leu 'Cretino Irresistível' de Christina Lauren? Eu adorei, achei muito melhor. Na verdade, não dá para comparar, são livros diferentes (sem BDSM e narrativa de ambos os lados) e com mais emoção: Pelo menos ela é páreo para ele!
    Um beijo
    Cinthya
    cinthyacmattos@gmail.com

    ResponderExcluir
  13. Eu estava louca pra ler esse livro. Estou com o e-book. Ainda bem que não comecei porque, como você, prezo por detalhes e uma história que não seja previsível.
    Sua resenha está maravilhosa! Como uma garota que se masturba todo dia nunca viu um homem nu?? Como seria as fantasias dela durante a masturbação? Definitivamente, de todos os livros recém lançados, já algum tempo, poucos são os que valem a pena ler. E como você bem fechou, graças a Deus não tem continuação. Não aguento essas séries!!
    bjs
    sobrevivendomundomoderno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. O livro termina com eles voltando para Biblioteca pra ver a Margareth ganhando o prêmio ? Não pq de verdade eu ja procurei varias versões e todas dizem que sim se for mesmo é muita sacanagem o livro acaba essa forma me mande um email e me esclareca se acaba nessa parte mesmo por favorto confusa elisabethcristina.ec@gmail.com indignada me define vc falo bem na resenha

    ResponderExcluir
  15. Acho que ste livro tem caracteristicas muito parecidas com o livro 50 tons de cinza: uma garota virgem que tem medo de ser sub de um homem rico e sedutor e q acabam se apaixonando.... enquanto lia fiquei lembrando mt do desse livro, tem um enredo parecido so q mt mais fajuo e sem graça... o final me decepcionou mais ainda ( se isso chega a ser possivel), sendo q termina de uma forma mt sem ccoerencia nenhuma, o amor entre eles e mt sem sal e sem acucar, a chefe dela e mt idiota, a amg mt tosca, tudo sem coerencia q me fez perder completamente a paciencia... se qr ler um livro sobre submissao, o q recomendo e q leia "o diario de uma submissa", pelo menos ele conta uma historia real... bjs, otimoo blog

    ResponderExcluir
  16. Eu gostei, porém esse foi o primeiro livro que li do gênero... Você pode me indicar algum livro desse gênero que vc achou bom? obrigada !!

    ResponderExcluir
  17. Bom falem o que quiserem, mas eu gostei do livro é um dos meus preferidos, e a personagem da regina me lembra a macambéa de "a hora da estrela" da autora Clarisse Lispector. Eu havia ouvido falar muito mal do livro mas, li mesmo assim porque eu nunca concordo com a opinião da maioria dos resenhistas, e só entrei nesta página porque queria saber se haveria continuação, li sua crítica descordando mas, opinião é opinião! E eu respeito apesar de que não concordo.

    ResponderExcluir
  18. Mal começei a ler o livro, e já o estou achando estúpido. Procurei hoje por uma resenha e encontrei a sua, que define tudo.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto