É preciso inspirar, expirar e não pirar

segunda-feira, setembro 09, 2013


Acredito que uma pessoa é e sempre será a maior inimiga dela mesma. Infelizmente, tenho provas disso todos os dias, mesmo sem querer. É claro que conscientemente ninguém vai se maltratar ou se ferir. Mas existe um universo desconhecido dentro de nós mesmos e no fundinho dele tem uma parte chamada boicote.


É como uma espécie de anjinho e diabinho: o anjinho caminha para o lado do bem, o diabinho puxa com força seu braço para o caminho da lama. E a vida nada mais é que uma tentativa absurda, diária e árdua de equilíbrio.

Nem sempre consigo ser tão equilibrada, ponderada e organizada quanto gostaria. Alguns dias são bem perturbadores e nunca sei direito como lidar com eles. De certa forma resisto um pouco em dar o braço a torcer para a falha. Eu não sei perder, tampouco gosto de não ter razão. Um lado orgulhoso ainda tem muito o que aprender sobre os precipícios. Nem sempre quero cair, às vezes, mesmo torta, exausta e me arrastando quero continuar andando. Preciso aprender a me deixar levar, a aceitar que chega um momento em que a gente perde a força e a própria verdade. Mas sou turrona, durona, não desisto tão fácil. Juro que quando bate o desânimo eu o aceito, acolho, beijo, abraço e mando embora. Muitas vezes o desânimo só quer um carinho, por isso faz essas visitas inesperadas.

Existe também a famosa culpa. Por que fiz isso? Por que não fiz aquilo? Esqueço que o que eu fiz já está feito. E às vezes remendar só fica pior. Então é preciso inspirar, expirar e não pirar. Volta e meia chega aquela insanidade travestida de esperança, o tal do "e se". E se eu tivesse tido uma chance? E se não estivesse chovendo? E se eu não tivesse me calado? É pura insanidade, pois o momento que passou não volta. E não adianta ficar filosofando incansavelmente sobre ele, isso nunca vai mudar aqueles milésimos de segundos que já se foram e não mais voltarão. 

Quando tenho uma meta muitas vezes pego alguns caminhos alternativos, desvios, esconderijos secretos. Nada que me desvie completamente do rumo escolhido, mas o caminho é mais longo e muitas vezes um pouco espinhoso. E olha que tenho pressa de chegar ao destino, não sou nada paciente, mas me boicoto frequentemente. Talvez não me ache capaz ou merecedora de bençãos e alegrias. Talvez. Ou talvez eu pense que vida bonita é coisa de filme. Talvez. Ou talvez eu ainda ache que essas coisas não são pra mim. Talvez. Penso demais e isso me atrapalha, fico tentando concatenar fatos, coisas, pessoas, situações e acabo no vazio, na imensidão, no questionamento. Ao invés de me aquietar, focar e ir atrás dos meus objetivos fico com interrogações mentais que nunca são solucionadas. Não entendo por qual razão penso tanto, às vezes, mesmo no silêncio, o pensamento está lá, lavando, passando, cozinhando, conversando, divagando. E eu fico ouvindo, afinal, não posso virar as costas para o coitado. Ele é sempre tão generoso e solícito comigo, seria uma injustiça bater a porta na cara dele. Então eu ouço. E por vezes ele tem um quê de inconveniência, sinto vontade de mandá-lo embora, mas me calo e escuto. Já me falaram dá-um-chega-pra-lá-nele, mas não consigo. Preciso aprender a ser mais dura, a pensar menos, a me equilibrar mais, a me estragar menos. Tomara que um dia eu chegue lá.



Você também pode gostar

7 comentários

  1. Que super texto hein, amei!

    http://devaneiosdeuma-adolescente.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Lindo esse texto! Digno de prêmio! Gosto de refletir sobre essas questão, penso que a vida é semelhante ao um rio, e não sei, parece que sempre gostamos de ir contra a maré. Confesso que não gosto do "e se", mas, as vezes se fazem necessário. bjinhos :)

    ResponderExcluir
  3. uau! Texto incrível! Ultimamente tenho deixado o boicote ganhar espaço. Pergunto-me diariamente E se? Por quê? Lendo este texto percebi que, antes me arrastava torta mas não me deixava cair. Hoje caí e estou me enterrando em um sentimento de culpa!
    Mas não tem que ser assim. Eu ainda posso mudar e tem que partir de mim!
    Parabéns pelo post!
    bjs
    http://sobrevivendomundomoderno.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Zilda, não gostei da entonação do texto. Você está bem? Tá acontecendo algo? Hum, tô preocupada.

    Ps: Roubaram meu celular, logo perdi teu número. Quando quiser, manda uma mensagem (pode ser pelo whatsapp) que eu salvo novamente.


    Beijos, Clicando Livros

    ResponderExcluir
  5. Texto maravilhoso *--* Disse tudo é claro, sem mais nem menos :D Reflexão baixou aqui em mim hahahaha

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Amei o texto, muito lindo caraca! Adorei o blog, seguindo com amor! Visita? http://oficialmeusdocesversos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. "se" palavrinha poderosa essa e portanto, muito perigosa. Entrando no clima da sua reflexão, gosto da carta que Sophie escreveu para Claire no filme Cartas para Julieta.

    '' 'E' e 'Se' são duas palavras tão inofensivas quanto qualquer palavra. Mas coloque-as juntas, lado a lado, e elas têm o poder de assombrá-la pelo resto de sua vida.
    'E se?'... E se? E se?
    Não sei como sua história acabou. Mas se o que você sentia na época era amor verdadeiro, então nunca é tarde demais. Se era verdadeiro, então, por que não o seria agora? Você só precisa ter coragem para seguir seu coração.
    Não sei como é sentir amor como o de Julieta, um amor pelo qual abandonar os entes queridos, um amor pelo qual cruzar os oceanos. Mas gosto de pensar que, se um dia eu o sentisse, eu teria a coragem de agarrá-lo.
    E se você não o fez, espero que um dia o faça.

    Com todo o meu amor,
    Julieta.''

    Beijos. Cila- Leitora Voraz
    http://www.cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto