Foco - a palavra da vez

segunda-feira, março 24, 2014

Quando nasce um texto? 

Você já se fez esta pergunta alguma vez na vida? Você deve estar se perguntando o porquê de tal questionamento, mas irei tentar explicá-los de onde e quando surgiu tal indagação. Tenho o hábito de visitar e acompanhar alguns colunistas do jornal da Folha e me deparei com um texto bem legal do colunista Gregório Duvivier.



Sempre muito irônico quando o assunto é narrar o comportamento humano Gregório disserta sobre um dos males mais corrosivos que afetam a sociedade contemporânea: a procrastinação.
Levando-se em conta a maneira como ele a descreve, fiquei a pensar sobre como nos comportamos diante da tela de um computador quando estamos atolados de tarefas a cumprir.

Quem nunca ao chegar ao trabalho antes mesmo de acessar a tela remota (área especifica onde acessamos as informações da empresa) se viu acessando os perfis do Facebook ou twitter? Fala a verdade! Lembre-se: mentir é pecado.

Isso quando você tem aquela leitura para iniciar e a deixa de lado para ler notícias que provavelmente não mudariam sua vida: “Golfinho na Malásia sofre dois dias com a perda de seus dentes". “Mulher Melão jura não ter colocado silicone e que tem seios fartos desde os oito anos. É coisa de família". "Dilma confessa detestar a cor vermelha. “Sempre gostei mais de verde abacate”. E por aí seguimos rumo ao Vale das Sombras. Perdemos-nos em meio a tantas informações inúteis e o compromisso por ora vai sendo adiado. Por isso você deve se perguntar por quanto tempo se mantém procrastinado. Por mais difícil que seja admitir tal desvio precisamos nos ater ao fato de que somos bombardeados a todo o momento por informações inúteis que tem por objetivo nos desviar a atenção. 

As redes sociais e outros aplicativos estão aí para comprovar isto. O whatsApp é outra pedra no nosso caminho. Depois da proliferação de recursos tecnológicos nossa vida nunca mais fora a mesma. Aliás, é a nossa produtividade que é atingida. É claro que não devemos bani-la do nosso cotidiano, até porque dependemos dela indiretamente para nos manter atualizados, mas aí até passar horas do nosso valioso dia convidando os “amigos” para jogar “Crush sei lá das quantas” ninguém merece.


Foco é a palavra da vez! Focar no trabalho, naquela leitura por ora deixada de lado, naquele texto que você deve apresentar na faculdade e etc. Então, eu lhe pergunto: Quando nasce um texto? Quando nasce uma resenha?

Expomos esses infortúnios ao longo do nosso caminho propositalmente para chegar aonde gostaríamos. Em que momento você começa a escrever? Sua resenha se dá a partir de um prazo determinado? Sabe aquele momento que tem alguém bem no pé do seu ouvido ou diante da tela do seu notebook lhe exigindo um prazo para resenhar determinado livro? 

Sabemos da importância de se estabelecer um prazo para resenhar tal livro, mas o que gostaríamos de saber é se você funciona quando é cobrado. 
No meu caso a coisa funciona da seguinte maneira: Primeiramente tem de haver uma identificação para o texto fluir. É assim em todas as situações. Não entremos no mérito se a leitura do livro é agradável ou não. Já li muitas críticas negativas tão boas quanto positivas. Cabe o leitor tirar suas próprias conclusões.

Será que o ato de procrastinar é um dos grandes males da sociedade contemporânea?

Sempre reclamamos da falta de tempo, do caos do trânsito, da barriga negativa da Cláudia Leite entre outros desvios que perturbam nossa concentração. 
Há de se convir para que o texto nasça e que venha ao mundo com qualidade e, que se torne digno de respeito e atenção devemos dedicar nosso precioso tempo a ele. E caso ele venha a ser prematuro que possamos ter sabedoria o suficiente para não abandoná-lo a bel prazer.

Entre analogias e bifurcações voltemos ao nosso ponto de partida. 
Não conjugueis o verbo Procrastinar. 


Você também pode gostar

3 comentários

  1. Oie!!
    Adorei o texto e a reflexão.

    Beijinhos*

    ResponderExcluir
  2. Oi Zilda, de fato essas redes sociais roubam nosso tempo, já aconteceu comigo de ligar o computador para fazer uma resenha e entrar no face, entrei e fiquei lá, depois vi um e-mail e quando ia pegar na resenha já estava cansada demais.. Deixei para outro dia!!
    E eu não posso deixar isso acontecer..

    Beijos Mila
    http://dailyofbooks.blogspot.com.br/2014/03/resenha-azul-da-cor-do-mar.html

    ResponderExcluir
  3. Adorei Zilda!!

    Foca no beijo que tô mandando!!! :*

    Bjkas

    Lelê Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto