|Resenha| Fragmentada - Slated - Livro 02 - Teri Terry @FarolLiterario

sexta-feira, março 21, 2014


Kyla não deveria se lembrar de nada quando foi reiniciada. Mas segredos do seu passado atormentam sua mente. Presa em uma luta contra a opressão dos lordeiros, e ansiando por liberdade, Kyla vê seu passado e presente colidir de uma forma que ameaça sua vida.
Enquanto sua busca desesperada por Ben continua, em quem ela poderá confiar em um mundo repleto de segredos e mentiras?


Fôlego...fôlego..eu preciso de ar! 

Perdoem-me pela falta de jeito e pela minha aparente descompostura é que estive na companhia de Teri Terry nas últimas 24 horas e ainda não consigo me situar. Na verdade não sei bem nem quem sou após o término da leitura de Fragmentada, segundo livro da série Slated. Prometo que daqui em diante vou tentar me controlar. 

É nesse ritmo frenético e totalmente descompensado que termino a leitura de Fragmentada. Teri Terry nos surpreende ainda mais na sequência de Reiniciados. Reza a lenda que a maldição do segundo livro assombra desde os primórdios algumas sequências. Comecei a leitura com cautela respeitando a maldição que paira sobre as séries desejando que tudo terminasse bem. 


Confesso que inicialmente Teri me pregou uma peça. Sua danadinha! Me enganou direitinho! O início de Fragmentada começa com um ritmo lento apresentando uma Kyla ainda mais confusa, perdida em devaneios e memórias fragmentadas.
O título da obra não poderia ser mais adequado já que ao longo da narrativa Teri apresenta fragmentos do passado da personagem principal. 
É como se estivéssemos frente a um enorme quebra cabeça onde várias peças não se encaixam. Kyla tem sonhos pertubadores, confusos e lembranças fragmentadas. Caberá a mocinha descobrir o que está por trás desses pesadelos que tanto lhe atormentam.
Bem, até aí nada de novo. Assim como em Reiniciados Kyla permanece confrontado o fato de ser uma Reiniciada. O grande sacada de Fragmentada é justamente apresentar uma Kyla mais determinada, focada em descobrir o seu passado e claro, e o confronto direto com os Lordeiros.
Em Reiniciados conhecemos uma Kyla mais frágil.Já em Fragmentada a personagem está mais madura, questionadora, dona de si, apesar da constante ameaça dos Lordeiros.

Em Fragmentada Teri explana alguns pontos importantes da narrativa retomando situações apresentadas no volume anterior. Mesmo que o leitor não leia os livros em sequência, quando a leitura for retomada ele poderá se situar perfeitamente já que Teri faz alguns flasbacks ao longo de Fragmentada.
Apesar de o foco ser Kyla alguns personagens secundários ganham destaque. A começar por Nico, seu professor de Biologia. Nico é um homem muito misterioso e Kyla sente que ele é uma peça importante neste imenso quebra-cabeça. Drª Lysander, a médica responsável por Reiniciar jovens arbitrários como Kyla também ganha força ao longo da narrativa. 

Sabe aquela história "parece mas não é", pois é mais ou menos isso que Teri faz com a gente. Constrói uma ideia na mente do leitor, depois desconstrói. Ela brinca com a mente de leitor o tempo todo e isso, só os gênios detentores de um talento indescritível são capazes.

Confesso que inicialmente a leitura não me agradou, não pela escrita da autora, mas a forma como a narrativa foi iniciada. Kyla passa muito tempo pensando, divagando, conjecturando ideias a fim de preencher lacunas para desvendar o seu passado. Não é assim que desejamos que uma sequência se inicie não é mesmo? Desejamos que Kyla parta para cima, aguardamos ansiosos pelos confrontos com Lordeiros e por quem sabe a descoberta de um novo “antigo” amor. É seria perfeito se fosse assim, mas seria também totalmente previsível. Tudo muito fácil e isso não combina com Teri Terry. Ela guarda o melhor para ser apresentado no momento oportuno. E claro que pra fazer todo o sentido temos que aturar o processo de amadurecimento da personagem. Seria realmente lamentável que Teri nos decepcionasse, mas felizmente ela não nos decepciona. Aliás, estamos falando de Reiniciados – uma das melhores distopias dos últimos tempos.


Confesso que algumas distopias cansam minha beleza por conterem elementos futurísticos demais. Graças ao bom senso de Teri isso não ocorre em Reiniciados e, Fragmentada segue uma linha de raciocínio compreensível. Podemos facilmente nos remeter a cidade de Londres e ao seu sistema arbitrário de governar. Reiniciar jovens que vão contra as opiniões do governo e que não aceitam seu autoritarismo é totalmente plausível. Aliás é justamente a maneira como Teri constrói e monta seu enredo que faz que Reiniciados seja o que é. 

É como um jogo entre gato e rato. Kyla representa os dois papéis facilmente e conduz o leitor a uma aventura de tirar o fôlego. Não espere benevolência de Teri, pois ela é cruel. Prende nossa atenção, nos sufoca com tantas descobertas e reviravoltas. A narrativa segue um ritmo frenético até o final e quando a concluímos o que nos restam são inúmeras perguntas: Como assim? Quando? Por quê? Ah...Teri...você é má, muito má. Você não pode simplesmente nos abandonar desse jeito! Volte já aqui e termine com essa tortura!


Tá bom! Chega de perguntas e interjeições intermináveis. Não quero enchê-los com minhas divagações, mas desejo sinceramente que você vá agora começar a leitura dessa série. Quem avisa amigo é e deseja o bem do outro. Por isso, leia Reiniciados. Pire com Fragmentada. Agora só nos resta aguardar pacientemente pelo último volume da série. Por isso que eu odeio acompanhar séries. Esse negócio de ansiar pelos próximos volumes é terrível!

De qualquer maneira não preciso nem recomendar a leitura de Fragmentada, pois isto seria totalmente redundante. A única coisa que lhes recomendo é que durante a leitura vocês possuam um balão de oxigênio, pois vocês irão precisar. #ficaadica





FICHA TÉCNICA
Título: Fragmentada - Slated - Livro 02
Autora: Teri Terry
Editora: Farol Literário
Páginas: 424



Você também pode gostar

5 comentários

  1. Li Reiniciados e gostei tanto Zilda que é claro que vou ler Fragmentada, principalmente depois dessa sua resenha eufórica, mas como assim a Teri brinca com os leitores? Que má! Como ela faz a gente pensar algo e é outra coisa? Isso não é justo, alguns autores sempre nos terão nas mãos, não é? Aiiiii isso me deixa ainda mais empolgada!

    xoxo
    Mila F.
    @camila_marcia
    De Livro em Livro
    Devaneios Fugazes

    ResponderExcluir
  2. OI Zi
    Ainda não li o primeiro livro, mas pelo que andei lendo, essa série parece ser muito boa, vou colocar na minha lista de desejados ;)

    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  3. Oi amiga!
    Aí está outro livro que tenho curiosidade em ler, já li diversas resenhas e minha curiosidade só aumenta.
    Adorei sua resenha.

    Beijos*

    ResponderExcluir
  4. Hahahaha! Balão de oxigênio foi tudo!!
    Realmente, o livro é incrível! Tenho um carinho especial por esta distopia e estou curiosíssima pra saber como ela irá acabar.
    Resenha linda né! Como sempre!!

    Bjkas

    Lelê Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Ufaa,pela resenha já perdi o folêgo.Realmente as capas dos dois livros são bem interessantes.O primeiro livro da serie parece ser bem sombrio e condensado.Pelo que vejo o segundo sanara algumas coisas que possivelmente n ficaram claras no primeiro.
    Abraços,
    http://www.cacholaliteraria.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto