|Resenha| Verão Cruel, de Alyson Noël @NovoSeculo

sábado, março 15, 2014


Colby Cavendish, uma ex-nerd, decide mudar radicalmente sua própria imagem. Está ansiosa por participar de festas descoladas com a turma da praia e, se tudo der certo, ficar com o cara mais gostoso da escola, Levi Bonham. Mas seus planos vão por água abaixo quando seus pais a mandam passar férias forçadas na Grécia com sua tia.
Presa em uma ilha sem shoppings e sem sinal de celular, ela teme ser rapidamente esquecida por seus amigos. Mas eis que conhece Yanni, um deus grego, e tudo muda. Colby acaba confusa e tudo indica que aquele sentimento será mais que uma simples paixonite de verão.


Alyson Noël está de volta e dessa vez para nos convidar a passar as férias de verão numa ilha paradisíaca da Grécia. Mas como um verão poderia ser cruel num lugar desses? Só mesmo uma pessoa chata como Colby Cavendish para considerar um castigo passar as férias de verão num lugar como esse.

Há de se convir que Colby não esteja passando por uma de suas melhores fases. Tendo em vista que seus pais estão se separando e vivem em pé de guerra constantemente. Por decisão dos pais Colby não tivera escolha. Sua vida estava prestes a mudar completamente após uma temporada na casa de sua tia Tally localizada na pequena ilha de Tinos, na Grécia. 

Tinos é muito conhecida por hospedar peregrinos religiosos e por sua tranquilidade. Um lugar que o comércio é quase nulo. E para piorar Colby irá descobrir que na casa de sua tia não existe telefone, wi-fi, internet muito menos. Definitivamente, esse é o retrato do apocalipse para Colby. Pode parecer frescura, mas não é. Colby é uma garota de 16 anos muito antenada e que nunca se desconecta.

Colby deverá suportar o verão sem internet, sem celular e terá que descobrir meios de se comunicar com o mundo. Por isso, a única coisa que lhe restará é escrever num diário dado por sua mãe as vésperas da viagem. Mas o que Colby fará com um diário? Uma nerd não sabe nem o que isso significa? Escrever cartas e postais, muito menos. Obrigatoriamente Colby terá de se resetar por um tempo e quem sabe assim ela poderá descobrir um mundo real muito interessante por detrás de um emaranhado de fibras óticas. Colby só tem uma saída: curtir o verão longe dos amigos e de toda a parafernália tecnológica que lhe sempre lhe acompanha. Mas será que ela conseguirá?

Hum...você deve estar se perguntando: Mas o que essa história tem de inovadora? Os elementos são os mesmos. Uma garota chata e mimada que reclama de tudo. Um lugar lindo, novas oportunidades, um novo amor, talvez. 
Bem, para ser bem sincera minha resposta seria a mais óbvia possível. Sim. É bem por aí. Os elementos que constituem a narrativa de Alyson são comuns, mas como estamos falando da diva Alyson Noël podemos esperar tudo, não é mesmo?

Alyson nos apresenta um enredo comum, porém a estrutura como ela o apresenta é que faz toda a diferença. 
O livro possui uma estrutura bem diferenciada e versátil. Como Colby tem a companhia de um diário como única maneira de relatar suas experiências iniciais é através dele que passamos a conhecê-las. Com o decorrer da narrativa, Alyson passa a fazer uso de outros meios de comunicação para retratar o verão cruel de Colby.


Além de escrever no diário acompanharemos seus escritos por meio de e mails direcionados aos pais e amigos, postais e por fim, Colby cria um blog para relatar suas experiências.
Achei bem legal esse dinamismo. Fora a escrita de Alyson que é deliciosa. A leitura flui naturalmente e os personagens são cativantes tirando os chiliques de Colby. Mas num contexto geral a leitura é muito prazerosa. O livro é curtinho e num piscar de olhos você o conclui. 

Apesar de o livro focar nos dilemas da personagem principal ao longo da narrativa vamos conhecendo aos poucos os personagens secundários, responsáveis pelo bom desenvolvimento da história. 
Inicialmente você poderá até nutrir uma certa antipatia pela personagem devido a suas reclamações, mas com o tempo você vai se acostumando com o seu jeito. Colby é divertida, sarcástica e muito temperamental. Divertimos-nos com suas comparações e respectivas conclusões. E quando o livro termina só nos resta à expressão de: Acabou? _ Poxa vida!


Alyson deixa bem claro desde os primeiros capítulos sua intenção. A ideia central é fazer com que o leitor se divirta, mas que acima de tudo nós possamos enxergar as pessoas e principalmente, outras culturas de uma maneira menos preconceituosa. E isso é o mais difícil não é mesmo? Mudanças sempre nos assustam e o livro surge para nos fazer refletir sobre o assunto. Outros assuntos recorrentes em narrativas juvenis também estão presentes como: o valor das verdadeiras amizades, o relacionamento entre pais divorciados, etc.

Verão Cruel é um livro leve e despretensioso. O grande barato da narrativa é que você provavelmente irá se enxergar em diversas situações que a personagem vivencia. Quem já não foi passar aquela temporada num lugar sem internet, que o celular não funciona e se viu pirando por conta disso? 

Eu já passei por isso e não desejo isso pra ninguém, por isso compreendo perfeitamente o desespero da personagem. Mas lembrem-se: Grécia significa: lugares lindos? Ok. Ilhas paradisíacas? Ok. Homens lindos de tirar o fôlego? Correto.
Então, reclamar pra quê? Iria pra um lugar desses só com a passagem de ida. #sonhandoaltoquerdeixar

O livro possui uma diagramação bem legal. Passei por Tinos rapidamente, mas ao final da leitura deu aquele gostinho amargo de despedida porque Alyson Noël é mestre nesta arte.
Leitura recomendada.




FICHA TÉCNICA
Título: Verão Cruel
Autor (a): Alyson Noël
ISBN: 978-85-428-0172-9
Editora: Novo Século
Número de páginas: 178
Ano: 2014

Você também pode gostar

5 comentários

  1. ahhhh!!! Quero ler ;)
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Zilda, haa como gostaria de passar as férias de verão numa ilha na Grécia, adorei esta nova roupagem por assim dizer. Esste livro parece não ter os elementos sobrenaturais..
    Gostei do fato da personagem ter que aprender a conviver sem a tecnologia, seria interessante até passar por algo parecido, acho que renderia bons momentos e boas descobertas!!
    Desejo muito esse livro, Resenha ótima!

    Um Beijo, Mila
    http://dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. OI Amiga
    Acredita que eu ainda não li nenhum livro da autora.
    Eu morro de curiosidade e quem sabe eu comece por este.
    Gostei da temática e esta capa é linda!!

    Beijos*

    ResponderExcluir
  4. Oi Zilda,
    Estava meio sumida, mas te acompanho por e-mail, afinal quero comentar numa outra resenha sua que eu to doida pra ler...acho que foi o livro antes desse..sasha...bem queria dizer que estou gostando de leituras e diagramações diferentes...esse é um que está na lista de futuras compras, adorei o tema e mesmo com as reclamações da personagem fiquei bem curiosa, afinal qual adolescente não vive reclamando.....obrigado pela dica e a sua resenha só me deixou mais curiosa...bjus elis!!!
    http://amagiareal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Então em dois dias li o livro (verão cruel) a história em bem interessante fiquei envolvida com oq iria acontecer com Colby e yanni,então quando sairá um segundo livro? a história n pode acabar aqui.seria muito legal saber o resto,oq aconteceu depôs e tal bjs
    Leve em consideração os leitores.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto