|Resenha| Primeiro Amor - James Patterson e Emily Raymond - @Novo_Conceito

segunda-feira, abril 14, 2014


Axi Moore é uma garota certinha, estudiosa, bem comportada e boa filha. Mas o que ela mais quer é fugir de tudo isso e deixar para trás as lembranças tristes de um lar despedaçado. A única pessoa em quem ela pode confiar é seu melhor amigo, Robinson.
Ele é também o grande amor de sua vida, só que ainda não sabe disso. Quando Axi convida Robinson para fazer uma viagem pelo país, está quebrando as regras pela primeira vez. Uma jornada que parecia prometer apenas diversão e cumplicidade aos poucos transforma a vida dos dois jovens para sempre. De aventureiros, eles se tornam fugitivos. De amigos, se tornam namorados. Cada um deles, em silêncio, sabe que sua primeira viagem pode ser também a última, e Axi precisa aceitar que de certas coisas, como do destino, não há como fugir. Comovente e baseado na própria vida do autor, este livro mostra que, por mais puro e inocente que seja, o primeiro amor pode mudar o resto de nossas vidas.



Meu primeiro contato com James Patterson foi através do livro O diário de Suzana para Nicolas. Parece que foi ontem tamanho o impacto que ele me causara. Comecei a leitura do livro e em poucos minutos após concluí-la eu já estava me debulhando em lágrimas. Nossa! Que livro triste! A partir daquele momento a escrita do autor ficara para sempre marcada em minha memória. 

Quando vi que a editora Novo Conceito iria lançar o livro Primeiro Amor simplesmente pirei. Contei os segundos para seu lançamento até o momento de sua chegada. Não titubeei. Assim que recebi os lançamentos do mês da editora fui desesperadamente à sua procura e posso dizer que o devorei em pouco mais de uma hora. 

Essa coisa de criar expectativas é um problema sério. Ao iniciar a leitura confesso que logo nos primeiros capítulos tive a impressão que não estava lendo um livro do autor. Os primeiros capítulos começam com um ritmo lento, personagens inexpressivos e com personalidades incoerentes. E obviamente que, alguém tinha que levar a culpa e, adivinhem quem segurou o pepino? Emily Raymond, claro. 
Nunca tinha lido da autora e não conseguia aceitar que James pudesse construir uma narrativa tão superficial. Logo ele, um cara que exprime tanta emoção em seus personagens. Sempre tão fortes, decididos, cheios de ímpetos. Enfim, de qualquer maneira era preciso seguir adiante. E foi isso que fiz. Não desisti da história. Decidi ser um pouco mais tolerante para mais tarde dar o meu aval. E não é que a coisa deslanchou.

Ahh!!! Detesto quando isso acontece! Não que eu estivesse torcendo contra, não, pelo amor de Deus! Mas é que a gente fica meio que com cara de tacho. Como vocês foram cruéis, viu! 

Narrado em primeira pessoa o livro conta a história de Axi, uma menina careta, daquelas que não falta à escola e adora fazer citações literárias. Isso graças a sua paixão pelos livros. Axi gostaria que sua vida fosse como os romances dos livros, mas a verdade é que sua vida está longe de ser um conto de fadas. Axi foi abandonada pela mãe após a morte de sua irmã mais nova vítima de câncer. O pai se tornou alcoólatra, ou seja, Axi tem muitos motivos para desejar outra vida. A pacata cidade onde mora, Klamath Falls é tediosa. Por isso, ela decide dar uma guinada em sua vida. Convida seu melhor amigo, Robinson a fazer uma viagem inesquecível pelo país. 
Ao contrário de Axi, Robinson não consegue ler nenhum dos livros indicados por Axi. Robinson é fã de música e todas suas ações e diálogos se baseiam em trechos de músicas e demais referências musicais. O jogo de palavras protagonizado pelos personagens dão uma certa leveza à narrativa. Na verdade a história de Axi e Robinson é muito mais que a descoberta do primeiro amor. 



O roteiro escolhido por Axi contava com várias paradas, todas contendo um significado especial. Cada lugar representava algo tanto para Axi quanto para Robinson. Axi tinha tudo planejado, mas a única coisa que ela não contava era ficar ainda mais apaixonada por Robinson. Que sinuca de bico! A partir desse momento comecem a preparar vossos corações. 

Como havia dito anteriormente o início da história não me agradou. O livro é dividido em duas partes. A Parte Um foi a responsável por tal desconforto. Nesse primeiro momento os autores passam a narrar à trajetória de Axi e Robinson. O caminho traçado por Axi é interessante. 
Cada cidade escolhida para ser visitada tem um significado e Axi vive intensamente cada momento de sua passagem ao lado de Robinson, mas é justamente “a falta de ânimo” da personagem que faz com que essas paradas estratégicas não despertem qualquer emoção. Nesse primeiro momento acompanhamos as aventuras de dois jovens completamente inconsequentes. Nada que eles façam ao longo da primeira parte do livro justifica tamanho despautério. Suas atitudes são infantis. Axi que até então era careta num simples passe de mágica passa a se comportar como uma “bandida sem vergonha”. 
Robinson também deixa a desejar. No começo ele tem atitudes incoerentes. Ora mostra ser um cara descolado, com aquele jeitão sedutor e decidido, depois ele se comporta como um adolescente inconsequente. 

Confesso que fiquei bastante irritada até que levei um SUSTO daqueles. Na transição dos capítulos em direção a segunda parte do livro James e Emily provocam uma parada cardíaca. Meu Deus! Vocês não tem noção do susto que eu levei com a virada da narrativa. É como se eu estivesse lendo outro livro. Axi e Robinson tornam-se outras pessoas. Também pudera! Em plena viagem os dois são surpreendidos com um acontecimento que poderá transformar a vida dos dois para sempre. 
A partir da segunda parte do livro James começa a se aprofundar nos personagens apresentando-nos sua história, em que circunstâncias Axi e Robinson se conheceram e como eles se tornaram amigos. 




Foi difícil. Fiquei segurando a respiração e as lágrimas até o último parágrafo. Não preciso nem dizer que o livro é lindo. Primeiro Amor é uma história “real” já que o próprio James relata que ela foi baseada na sua vida. Ele dedica essa história a Jane Blanchard por quem esteve perdidamente apaixonado. Ele ainda revela que essa história foi entregue ao seu editor no outono do ano de 2010, mas que ela de fato dera início muitos anos antes. Primeiro Amor é um livro sensível sobre a história de amor e amizade de dois jovens com personalidades muitos diferentes, porém completamente apaixonados um pelo o outro. 
Primeiro Amor é um livro que desperta vários sentimentos no leitor. A narrativa é engraçada na medida certa e muito romântica, porém ser piegas, ou seja, um prato cheio para os leitores que curtem o gênero. Apesar de toda a previsibilidade há de se tirar um bom proveito da história como um todo. 

"Amo como você toca a ponte do nariz quando está pensando profundamente em alguma coisa - ele falou, se virando para fixar o olhar em mim. _ Amo como você coloca o cabelo atrás da orelha, mas ele cai imediatamente outra vez. Amo seus olhos e seus lábios perfeitos. Amo que seu esmalte, quando você se incomoda em usar, está sempre descascado. Amo como você usa palavras difíceis que preciso procurar no dicionário em casa. Amo essa marca de nascença na forma de meia-lua na ponta do seu dedo mindinho. Amo o jeito como..."

Termino a leitura do livro com o coração em frangalhos. Nunca imaginei que o livro pudesse me surpreender. A única coisa que eu tinha certeza era que James não iria me decepcionar. Recomendo a leitura a todos e como de praxe deixo um coraçãozinho para marcar Primeiro Amor como um dos meus favoritos.





FICHA TÉCNICA
Título: Primeiro Amor
Autores: James Patterson e Emily Raymond
Editora: NOVO CONCEITO
Número de Páginas: 240
Ano: 2014 


Você também pode gostar

3 comentários

  1. Oi amiga!
    Uauu, que resenha foi essa?? Me matou agora de curiosidade.
    Meu primeiro contato com o autor tbm foi O diário de Suzana para Nicolas e depois li outros.
    Quando vi este tbm fiquei curiosa e agora vc só me afirmou que eu devo ler.
    Ameii sua resenha!!

    Beijos*

    ResponderExcluir
  2. Romance do James é pra fazer derramar litros de lágrimas. Tô me preparando pra isso!!!

    Adorei a resenha. E eu adoro quando a narrativa vai crescendo, começa baixinha, levinha, quase cansativa, mas depois te joga na parede e te levanta!! Adoro isso!!

    Resenha impecável!!

    Bjkas

    Lelê
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Me surpreendi assim como você. Não esperava pela reviravolta que o livro deu, e mesmo sabendo ou melhor, imaginando o que iria acontecer, não consegui me preparar para o final. Uma bela história.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto