|Resenha| A Máquina de Contar Histórias - Maurício Gomyde @Novo_Conceito

sábado, junho 21, 2014



Na noite em que o escritor best-seller Vinícius Becker lançou A Máquina de Contar Histórias ,o novo romance e livro mais aguardado do ano, sua esposa Viviana faleceu sozinha num quarto de hospital. Odiado em casa por tantas ausências para cuidar da carreira literária, ele vê o chão se abrir sob seus pés. Sem o grande amor da sua vida, sem o carinho das fi lhas, sem amigos... O lugar pelo qual ele tanto lutou revela-se aquele em que nunca desejou estar. Vinícius teve o mundo nas mãos, e agora, sozinho, precisa se reinventar para reconquistar o amor das filhas e seu espaço no coração da família V. Uma história emocionante, cheia de significados entrelaçados pela literatura, mostrando que o amor de um pai, por mais dura que seja a situação, nunca morre nem se perde.



Parece que foi ontem que li o primeiro livro do Maurício. Lembro- me perfeitamente a emoção que senti ao ler cada uma de suas palavras. Desde que conheci o seu trabalho venho batendo na mesma tecla; Maurício Gomyde é hoje um dos melhores autores do nosso país. Prova disso é o sucesso de seus livros ainda que publicados de forma independente. Uma legião de fãs torceu e vibrou muito quando sua contratação foi confirmada pela editora Novo Conceito.

Venho destacando a importância do selo Novas Páginas desde o princípio e, felizmente, a editora Novo Conceito acertou em cheio com a contratação do autor. Daqui por diante, muito mais leitores tomarão conhecimento do seu talento,e consequentemente entenderão o motivo de tanta euforia em relação ao trabalho do autor.

Acompanho o trabalho do Gomyde desde o início e contei os minutos para este lançamento. A Máquina de Contar Histórias surge para consagrar Maurício de uma vez por todas, pois quem teve a oportunidade de ler algum de seus romances saberá diferenciar o crescimento de seu trabalho.

Estamos acostumados a ler romances todos os dias, e sabemos perfeitamente o que iremos encontrar no interior de suas páginas. Amores roubados ou frustrados, personagens caricatos, tramas que abusam dos clichês entre tantos outros elementos similares presentes neste tipo de narrativa. Mas, hoje, não estou aqui para falar do comum, do previsível e, sim para destacar o trabalho daqueles que se destacam justamente por fazer o contrário. 
Maurício Gomyde é um deles. Escreve histórias simples que transbordam sentimentos. A maneira como ele constrói seus personagens, como ele narra suas ações, e faz com que desejássemos ser um dos seus personagens faz com que ele seja tão incrivelmente talentoso.

Falar do Maurício é fácil, difícil é conter essa vontade louca de dizer: “Seu livro é tão bom, que eu quero ser sua amiga”. Aliás, se existe uma pessoa que sabe muito bem como conquistar o leitor com frases que parecem ter saído instantaneamente do nosso pensamento, o nome desse cara é Maurício Gomyde.

Em “A Máquina de Contar Histórias” Maurício enlaça o leitor já nas primeiras páginas. Já li diversos romances ao longo da minha vida, mas nenhum que me fizesse refletir tanto em relação ao tema proposto. Foi muito difícil se desligar da história, pois ela fica martelando insistentemente após a sua conclusão. Romances que abordam o relacionamento entre casais surgem todos os dias com intuito de enfatizar a importância do amor, mas até o momento não havia surgido nenhum livro que focasse a relação entre um pai e suas filhas de forma tão delicada, pelo menos não que eu me recorde.

No caso de A Máquina de Contar Histórias vamos conhecer a história de Vinícius Becker, um escritor que alcançara o sucesso e liderava o ranking dos autores mais vendidos do país. Chegar a este posto exigiu muito de Vinícius, visto que ele abandonara sua família no momento em que eles mais precisavam de sua ajuda.
Vinícius foi covarde ao abandonar a esposa, vítima de leucemia, e o pior, deixando sua filha mais velha Valentina a cargo da responsabilidade de cuidar e amparar a mãe doente e, ainda ter que dar atenção e carinho a sua irmã Vida, de apenas quatro anos de idade.

A família V que antes era unida e feliz começa a se desintegrar após a morte de Viviana. E caberá a Vinicius Becker reconquistar o amor de suas filhas. Mas tal tarefa exigirá que Vinícius deixe de lado tudo que aprendera com seus livros. Acostumado a enxergar a vida com um olhar metódico e superficial, Vinícius tem a difícil tarefa de reescrever a sua história e provar para suas filhas que o amor incondicional de pai falará mais alto. Do que adianta ser famoso, ter milhões de fãs, se as próprias filhas não o admiram?

"_Papai, você é famoso? _ Vida perguntou._Não, fadinha. Não sou não. Mas, se vocês duas virarem minhas fãs, eu vou ser o homem mais famoso e feliz do mundo.

Todos esses elementos podem parecer batidos quando estamos falando de um romance-romântico, mas não se deixe enganar. A primeira coisa que nos chama a atenção é o fato do autor ter criado situações que conseguem mostrar um real significado sobre a arte da escrita. É como se Maurício nos tivesse dado a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre esse processo. É como se pudéssemos participar do momento da escrita, desde a sua criação até o projeto final. 

"Escrever é muito mais do que uma profissão. É uma atitude de amor, de entrega ao que se quer contar".

O engraçado nisso tudo é que involuntariamente iremos encontrar semelhanças em algum bestseller, Nicholas Sparks, provavelmente será um dos escolhidos. Quem melhor do que Nicholas para ser considerado uma máquina de contar histórias. Mas, independentemente da comparação, não acredito que ela se aplique. Prefiro imaginar que nenhum autor crie tabelas e dite seus romances obedecendo a regras e estatísticas. Mas, se nos distanciarmos um pouco certamente iremos encontrar muitos exemplos que seguem o modelo.

"No fundo, as pessoas não compram autores, não compram livros. Compram a emoção que a história promete proporcionar. O que cada leitor quer é, durante a imersão no mundo criado pelo escritor, esquecer-se dos problemas, angústias e tragédias do dia a dia. Ou, ainda que por alguns instantes, experimentar uma vida diferente da sua realidade."

A Máquina de Contar Histórias é aquele tipo de livro que faz com que você reflita a cada página sobre a vida. Emocionante, sensível, delicado, singelo, tocante. É aquele tipo de livro que você não larga nem por um minuto sequer. 
Aviso! Se estiver fazendo algo importante PARE porque você correrá um sério risco de esquecer do que estava fazendo. Desligue o fogo, o ferro da tomada. Pare a leitura somente ao atravessar o sinal. No mais, nada o fará largar a leitura.
É aquele tipo de livro que você abraça tão forte e leva ao peito desejando que ele faça parte de você. Maurício é desses que faz o leitor chorar compulsivamente na fila do ônibus, dentro do metrô e que possivelmente faz com que após incessantes lágrimas e soluços diga a quem esteja ao lado: “ _Nossa! Que lindo! Ele é incrível! Você tem que ler!” 

Apaixonados pela escrita do autor sabem e compreendem perfeitamente essa sensação. Se você já teve a oportunidade de ler algum de seus livros imagina que ele jamais poderia fazer algo menos grandioso, mas, em A Máquina de Contar Histórias ele realmente conseguiu se superar.


A capa do livro é linda e transmite perfeitamente sua mensagem. Cada um dos elementos ilustrados possui um significado dentro da trama. As capas dos livros anteriores são belíssimas, mas essa em particular é simplesmente perfeita. A composição das cores, os traços que transmitem leveza ao desenho, seu estilo vintage, enfim, uma obra-prima de encher os olhos de qualquer leitor. 

Admiro a facilidade que Mauricio tem de encantar e prender a atenção do leitor com sua narrativa fluída. É perceptível sua entrega, a emoção transmitida a cada parágrafo, mas em “A Máquina de Contar Histórias” ele nos conduz a um universo que nos encanta: o universo literário e todos os meandros que o constituem. Foi fascinante acompanhar o pensamento e maneira como o personagem Vinícius Becker constrói suas histórias. O autor descreve o processo da escrita destrinchando a facilidade com que o personagem cria suas histórias sem que haja uma entrega verdadeira. Vinícius precisa provar para as filhas e, para si mesmo, o quanto sua escolha foi equivocada. 

"O importante é tentarmos, seja com o absoluto domínio das técnicas ou com a mais singela das emoções, colocarmos numa tela de pintura, ou numa tela do computador, as almas das nossas histórias. Na nossa vida, podemos optar por sermos detalhistas ou simples. Basta escolhermos o caminho e seguirmos em frente."

A Máquina de Contar Histórias transmite tantas mensagens que eu poderia enumerá-las e, ainda sim, acredito que me esqueceria de alguma. O livro que a princípio narra uma simples história de amor entre pai e filhas irá deixá-los sem fala, sem jeito, sem chão diante tanta beleza. Nota 10 para edição, revisão e diagramação.

É difícil descrever o quanto me deixei levar pela emoção durante o período que estive lendo o livro, mas espero que todos possam ter a oportunidade de sentir o mesmo. Não importa por qual livro do autor você o conheça, mas se por um acaso você decidir optar por este livro, esteja ciente que nunca mais você será o mesmo. 
Maurício consegue transformar palavras em algo mágico. Inexplicavelmente passamos a ser o personagem, a viver seus dilemas, a frequentar os mesmos lugares, a viver intensamente suas histórias. Maurício sempre surpreende com grandes reviravoltas e desfechos que nos deixam ainda mais perplexos. Durante uma passagem muito importante do livro fiquei me perguntando: Como assim? Ah!! Eu não acredito!


Quem já conhece o estilo do autor sabe que a música sempre tem um papel de destaque em seus livros. Em “A Máquina de Contar Histórias” não poderia ser diferente. Mauricio mostra toda sua sensibilidade e bom gosto em citar canções e artistas consagrados do rock nacional. O que dizer do trecho escolhido pelo autor de uma das músicas mais lindas de Lulu Santos para embalar o casal Viviana e Vinícius Becker? "Nós somos feitos um pro outro, pode crer..."

A única coisa ruim após terminar um livro do autor é que já nos sentimos órfãos. Fica aquele gostinho amargo de saudade. Temos que lutar bravamente para não cair numa ressaca literária das “brabas” porque o efeito “Maurício de escrever e contar histórias” faz com que qualquer coração precise de um tempo para se restabelecer.

Desejo a todos uma boa leitura. Ah! E não se esqueçam da fiel e inseparável caixinha de lenços, neste caso, ela é sempre bem vinda.
A Máquina de Contar Histórias: favorito. Vai pra lista dos melhores do ano!


Título: A Máquina de Contar Histórias
Autor: Maurício Gomyde
Editora: Novo Conceito
Ano: 2014
Páginas: 192
Skoob


Acompanhe a Cachola Literária pelas redes sociais
Twitter | Facebook | Instagram | Google+

Post por Zilda Peixoto

Você também pode gostar

13 comentários

  1. Oi Zilda, tudo bom?
    Nossa eu amei sua resenha. Sério, dá pra sentir a profundidade desse romance pelas suas palavras.
    Eu não conheço a escrita do Maurício Gomyde, mas toda resenha dele que eu leio possuem muitos elogios. Que bacana que ele agora está NC e espero que eu possa ler esse romance em breve.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oiii meu bemm..
    Aiii, já me emocionei com essa resenha. Eu já recebi os livros, e tô tão encanada numa ressaca literária que decidi esperar mais um pouquinho pra lê-lo, pois quero dar atenção total, me emocionar total, como o Maurício merece. Eu não esperava menos deste livro e desta resenha amiga..esse livro conquista pelo simples e profundo titulo e pra quem já conhece o autor sabe bem o que esperar. Amei amiga... parabéns!!

    Beijãooo

    TeLa
    http://www.penseiraliteraria.com.br/

    ResponderExcluir
  3. eu nunca li nada do autor, essa vai ser minha primeira leitura ;w; espero gostar.

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  4. Oi Zilda, que resenha linda e claro emocionante, quero ler este livro, mais no momento estou enrolada com assuntos pessoais, estou doida para resolver tudo e voltar a ler a todo vapor!!
    Adorei a resenha, deu para perceber o quanto vc Amou!

    Beijos Mila
    http://www.dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Zilda :)

    Parabéns pela resenha, magnífica! Esse livro já está na lista e devido as inúmeras resenhas positivas sobre ele, estou pensando em ler. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Zilda!

    Que linda resenha, você transpirou sentimento que provavelmente você sentiu ao ler o livro. O meu ainda não chegou, mas assim que chegar vou colocar no topo da lista. Sou fã do Maurício Gomyde e além de escrever muito bem, ele escreve de forma cativante, não tem como não se apaixonar pela escrita dele.
    Por que o meu demora tanto chegar? Preciso ler esse livro.
    Pelo visto a diagramação também está linda né, flor?
    Muiiiiiiiito feliz pela Novo Conceito ter fechado contrato com o Maurício, para mim, uma das melhores contratações!

    xoxo
    Mila F.

    ResponderExcluir
  7. Oi Amiga*

    Vc so me deixou mais curiosa. Eu sou muito fã do Mauricio, eu amo tudo que ele escreve e eu estou loukkkk para ler este livro. Estou só esperando chegar nas livrarias que irei correr para comprar e ler. Ameii sua resenha*

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Mulher!! Resenha perfeita!!
    Também sou fã do autor e você sabe disso. Quando você disse: "Seu livro é tão bom, que eu quero ser sua amiga", eu me vi ali, hahaha. Eu fiz isso!!! Tive a oportunidade de ir vê-lo e conversar com ele algumas vezes e garanto que ele é tão lindo e fofo quanto seus livros!!

    Vou ler logo e pelo que vi aqui, já sei que vou amar!!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Zilda, querida, que resenha apaixonada! E apaixonante! Como resenhista que ainda engatinha (não sou da área das Letras), fico encantada com o mundo de informações que vc nos trouxe. Cada linha escrita com detalhes e cuidadosamente dedicada ao leitor.
    Conheci a escrita do Mauricio através do ótimo Ainda não te disse nada. Já percebi que ali estava um escritor que me traria emoções e a vontade de continuar acompanhando. Desejo todos os livros dele e estou prestes a receber este exemplar da Máquina. Mal posso esperar.
    Poderia até deixar pra comentar aqui depois de ler o livro, mas não resisti. Compartilho da sua opinião sobre o autor, ele merece todo o sucesso, nossa divulgação e reconhecimento.
    Beijo!
    Ler para divertir
    As Meninas que Leem Livros

    ResponderExcluir
  10. Oi Zilda, parece que foi ontem que comprei os livros do Maurício por indicação sua, a resenha foi tão boa que eu não me aguentei...realmente ele escreve lindamente. Nem preciso comentar que adorei sua resenha, você soube colocar emoção na medida certa e nos fazer ficar doidos de vontade de ler...eu particularmente adoro livros que tenham como foco a relação entre pai e filha...isso sempre me toca lá no fundo, pode ser pelo motivo de não ter tido pai, eu sempre fico pensando como seria nossa relação...e confesso que mais do que a história de amor do casal o que mais me atrai nesse livro é q questão do pai com as filhas...já prevejo muitas lágrimas.
    Parabéns pela maravilhosa resenha.

    Beijos!!!
    @jannagranado
    http://livrospuradiversao.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Além de grande escritor ele é ótimo baterista!

    ResponderExcluir
  12. Olá Zilda,

    Os livros anteriores do autor eu gostei demais e pela sua resenha vejo que esse não vai ser diferente...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá Zilda,

    Tudo bem?

    Sua resenha só me deixou com mais curiosidade sobre os livros do autor, muito clara e bem escrita acredito ter entendido perfeitamente seus sentimentos em relação a obra e ao autor.
    Esse final de semana , tive o prazer de conhecer o Mauricio no Stand da novo conceito, e afirmo, ele é uma pessoa incrível, cativante e atenciosa com seus leitores...
    Bjs

    http://www.paraisodasideas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto