|Resenha| Vovó Vigarista – David Walliams @intrinseca

segunda-feira, abril 27, 2015


O espaço hoje é dedicado aos leitores mirins. Não, nada disso! A resenha de hoje é dedicada a todos que, assim como eu, não se importam com o gênero ou a classificação etária de um livro. Se ele é infantil, infantojuvenil ou adulto não importa. O livro tem de ser bom e, se por algum motivo você nem sonha em ler um livro infantil – PERAÊ!!! Preste atenção neste aqui. Vovó Vigarista pede passagem! 


David Walliams ganhou meu coração desde que conheci o livro O menino bilionário publicado pela editora Novo Século. Desde então venho adquirindo todos os livros publicados pelo autor no Brasil. Os livros de David são recomendados ao público infantil e infantojuvenil, mas nada impede que um adulto venha se apaixonar por sua narrativa. Além de bem humoradas, suas histórias são normalmente comoventes. No caso de Vovó Vigarista, por exemplo, imaginem um livro no estilo mais “fofo” de todos? Sim, Vovó Vigarista é o típico livro que você carrega embaixo do braço e aperta com bastante força sobre o peito. 


O título já nos dá uma prévia de que a tal vovó é uma trambiqueira nata, uma vigarista. Não se assustem! O autor não pretende corromper as crianças apresentando-lhes uma história sórdida. Na verdade, David já conquista e chama a atenção do leitor desde o primeiro momento com o título. 

Ben é um menino de apenas 11 anos que odeia as sextas-feiras, isso porque ele odeia ter que passar a noite na companhia de sua vó paterna que, até o momento ele ainda não conhece como uma vigarista. A avó de Ben tem um gosto muito peculiar, ou seria estranho: ela adora sopa de repolho, bolo de repolho, chocolate de repolho, ou seja, ela é LOUCA por repolho. Se não bastasse o fato de transformar todas suas receitas cujo repolho é o ingrediente principal, Ben tem de suportar a flatulência da avó causada pelo excesso de repolho. Flatulência = Pum = Muitos peidos (obs: parte da leitura extremamente engraçada).


A avó de Ben é a figura emblemática da vovozinha frágil, que não costuma sair de casa e que faz tudo para agradar o netinho. Porém, Ben é um menino muito mal humorado e impaciente com avó. O motivo de tamanho mau humor é que Ben é praticamente despachado para a casa da avó nas sextas à noite, isso porque os pais de Ben são apaixonados por um programa de dança na tv. 
A paixão de sua mãe pelo programa é tão insana que ela deseja que Ben se torne um dançarino profissional, mas isso está longe dos planos de Ben que na verdade é apaixonado por encanamentos. O menino coleciona revista de encanamentos e não se imagina fazendo outra coisa da vida a não ser consertando tubulações. Mas o desejo de Ben não é bem aceito por seus pais. Resumindo, Ben não tem escolha nem direito de gostar daquilo que lhe dá prazer. O que lhe resta é passar o tempo em que seus pais se ausentam com sua avó.

O convívio entre Ben e avó é bem difícil no começo, mas as coisas começam a fluir depois que Ben descobre uma lata antiga com joias preciosas escondidas na casa da avó. A partir daí, surge o interesse de saber de onde surgiram tais joias. Até o momento não existe nada que desabone a conduta de sua avó até que Ben surpreende sua vó roubando uma joalheria. What’s? De vovó chata e peidorreira para vovó vigarista em poucos segundos!

A avó de Ben passa a ser uma incógnita. Seria ela uma ladra de joias preciosas? Como uma velhinha poderia se passar por uma ladra sem que ninguém notasse? Ben tem muitas perguntas a fazer a avó que irá lhe surpreender ainda mais com histórias cheias de aventuras. O grande barato é perceber o quanto o autor vai inserindo a sua marca ao longo da narrativa. Lições de respeito ao próximo e, principalmente aos idosos que são ignorados por netos, filhos e parentela.

É emocionante a maneira como David constrói a relação de Ben com a avó. É possível que você deixe algumas lágrimas correrem durante a leitura de algumas passagens, mas uma coisa é certa: não há como não se emocionar com a história de Ben e sua vó vigarista. Não estranhe se de repente você abandonar a leitura para ir correndo ao encontro de um abraço de sua avó ou avô, seja ele vigarista ou não. Vovó Vigarista é um livro muito gostoso e que vai deixar você com aquele gostinho de rosquinha doce na boca.

Ilustrado por Tony Ross, Vovó Vigarista possui belíssimas ilustrações que tornam a leitura ainda mais prazerosa. Como não se apaixonar por uma vó como esta e não desejar ter uma igualzinha?

É a típica leitura que tende a transformar alguém ou pelo menos modificá-la de alguma maneira. É um alerta a pais e adultos. É uma mensagem clara e objetiva de como adultos devem tratar os idosos, e consequentemente uma lição para as crianças que precisam aprender a respeitá-los. De todos os livros de David esse é sem sombra de dúvidas o mais emocionante. Numa sociedade cada vez mais preocupada com a aparência, imediatista e individualista uma leitura como esta é indispensável.


Vovó Vigarista ganha um espaço especial na minha estante ao lado dos demais livros do autor. Vale cinco estrelas e um coraçãozinho para favoritar.


Me acompanhe também nas redes sociais: Facebook ♥ Twitter ♥ Instagram ♥ Skoob ♥  Google+




Sinopse: Se você acha que toda vovozinha é igual, precisa conhecer a avó de Ben. Ela poderia se passar por uma senhorinha qualquer: é velha, usa um casaquinho lilás, faz palavras-cruzadas, obriga-o a comer repolho e a ir para a cama às oito horas da noite. Ben acha tudo isso chato demais. Ou pelo menos achava, até descobrir que a coisa toda não passa de um disfarce: vovó, na verdade, é uma vigarista internacional, a ladra de joias mais procurada do mundo. Agora, juntos, eles vão planejar o maior roubo de todos os tempos.

Título: Vovó Vigarista
Autor: David Walliams
Editora: Intrínseca
Páginas: 240
Ano: 2013



Você também pode gostar

4 comentários

  1. Oi Zilda! Olha confesso que não sou muito adepto da literatura infantil ou infanto-juvenil não, mas não por conta de preconceito ou coisa parecida, é mais uma questão de gosto mesmo; desde criança nunca fui muito chegado às histórias infantis e desde que adquiri o hábito da leitura as histórias que me prendem são as mais pesadas, dramáticas, densas; aquelas com um bom suspense e um belo crime a se desvendar. Mas como sua resenha ficou ótima como sempre pode ser que num determinado momento - mas não sei quando - eu dê uma conferida na escrita desse autor que você tanto gosta. Parabéns pela resenha e pelo blog que continua o máximo. Abração!

    http://www.cabanadoslivros.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi miga!
    Eu já li este livro e gostei muito. Quero ler outros livros do autor, acho muito legal a forma que ele escreve e se comunica com as crianças. Sem falar na diagramação dos livros dele que são lindas!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá Zilda,

    Esse livro está na minha lista de desejados, já li algumas resenhas dele e todas positivas, gosto demais do gênero e espero poder ler esse livro e os demais do autor....bjs.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Agora eu quero. Na verdade eu já queria, mas agora eu quero muito mesmo!!!!

    Lindo, divertido, bem ilustrado, perfeito!!! Que mais que eu preciso?

    Do livro!!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto