|Resenha| Cartas de Amor aos Mortos - Ava Dellaira @editoraseguinte

quarta-feira, maio 27, 2015


Cartas de Amor aos Mortos era um dos livros desejados da minha estante há muito tempo. Demorei a adquiri-lo por motivos óbvios que todo leitor compreende perfeitamente. Milhares de lançamentos surgem todos os dias e nos deixam eufóricos. Por conta disso, vamos postergando e aumentando consideravelmente a lista de leituras. Depois que terminei de ler o livro em questão fiquei pensando em adotar uma nova estratégia: ler imediatamente todo livro desejado assim que a vontade surgir. Não deixar para depois. Não adiar esse momento mágico. Estou sem palavras para descrever o quanto este livro mexeu comigo. Ava Dellaira me encantou desde o primeiro capítulo e, tive a certeza, que o livro entraria para a minha de lista de favoritos.


O livro narra à história de Laurel, uma jovem que acabara de ingressar no ensino médio. Além de ter que enfrentar os dilemas que todo jovem encara nesta fase, Laurel está passando por um momento delicado em sua vida. Laurel perdera a irmã May a pouco mais de um ano e, ainda não sabe lidar com a ausência da irmã. May era a referência de perfeição para Laurel que sempre viveu à sombra da irmã.


"Todos nós queremos ser alguém, mas temos medo de descobrir que não somos tão bons quanto todo mundo imagina que somos."

May era uma garota que vivia intensamente suas emoções e isso fazia com que Laurel a admirasse ainda mais. A relação de amizade e cumplicidade entre May e Laurel era muito forte. Laurel admirava a maneira como May conduzia a sua vida e, sonhava em um dia ser igual a irmã. Mas o que Laurel não imaginava que uma tragédia pudesse mudar radicalmente a sua vida.
Após a morte da irmã Laurel decidira mudar de escola para que não precisasse encarar os amigos e possíveis questionamentos. Como se não bastasse perder a irmã de maneira tão trágica, Laurel tinha que aprender a lidar com as consequências da separação de seus pais. Depois de ingressar numa nova escola, Laurel passa há morar uma semana com o pai e, uma semana com sua tia Amy.
Com o coração despedaçado e uma família totalmente desestruturada, Laurel passa os primeiros dias de aula vagando entre uma aula e outra. Na hora do intervalo, Laurel não consegue se aproximar de ninguém e passa boa parte de seu tempo sozinha e deslocada. A primeira coisa a lhe chamar a atenção na nova escola é Sky, um garoto lindo e misterioso que está sempre acompanhado pela galerinha popular da escolar. Laurel se mantém avessa a qualquer tipo de aproximação e passa todos os seus dias apenas admirando Sky à distância. Cansada de sentir sozinha, Laurel decide se aproximar de duas garotas bem diferentes das garotas populares da escola. Natalie e Hannah se tornam suas melhores amigas e, Laurel começa a dar um novo rumo a sua vida. O único problema é que Laurel passa a se vestir com as roupas de May e a se comportar como se estivesse na pela da irmã deixando de lado toda sua autenticidade.


"Havia uma barreira entre mim e o mundo. Parecia uma grande parede de vidro, espessa demais para ser atravessada. Eu poderia fazer novos amigos, mas eles nunca me conheceriam, não de verdade, porque nunca conheceriam minha irmã, a pessoa que eu mais amava no mundo."


É durante a aula de inglês que Laurel recebe uma das tarefas mais difíceis de sua vida: escrever uma carta para alguém que morreu. Imagina-se que Laurel irá escrever uma carta para irmã, mas Laurel não tem estrutura para enfrentar a situação. Por isso, Laurel decide escrever para Kurt Cobain. O que inicialmente deveria ser apenas uma tarefa escolar torna-se um grande desabafo. Kurt Cobain não fora escolhido aleatoriamente. May era muito fã do cantor e, por esse motivo, Laurel o escolhera. Para os fãs de música esse é um dos momentos célebres do livro. É possível sentir uma vibração diferente durante este momento.


Daí por diante, o caderno de Laurel passa a conter mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Judy Garland, Elisabeth Bishop, Amelia Earhart, Jim Morrinson, Heath Ledger, entre outros. Todos, de alguma maneira fazem parte das lembranças da época em que May e Laurel estiveram juntas. São recordações que despertam emoções fortes e que definem o estado de espírito de Lauren de acordo com o momento que ela está vivenciando.

As cartas representam muito mais que um simples desabafo. Em cada uma delas identificamos as semelhanças que unem suas histórias. Ava Dellaira não se limita a apresentar o perfil já conhecido por muitos sobre a vida de cada um dos artistas para qual Laurel escreve. Conhecemos um pouco sobre a infância de cada um deles. A autora nos descreve suas aflições, limitações e os dilemas que levaram a cometer tantos desatinos. Por trás do glamour e sucesso enxergamos pessoas comuns.



Cartas de Amor aos Mortos é um livro extremamente musical. Durante a narrativa a autora vai citando músicas emblemáticas que se tornaram trilhas sonoras inesquecíveis. Para os fãs de rock e boa música é um verdadeiro deleite. A linguagem de Ava é poética, fluída, cada palavra carrega um significado diferente. 
Apesar de sua essência dramática, Cartas de Amor aos Mortos não peca pelo excesso. A história de Laurel e May possui uma leveza que torna o livro ainda mais especial. Alguns temas importantes são apresentados ao longo da narrativa como a violência doméstica, o uso abusivo do álcool, os sintomas causados pela separação, entre outros assuntos que mexem com o nosso emocional.

Não poderíamos deixar passar a importância de alguns personagens que compõem a narrativa. Cada um vive um dilema a ser explorado e, Ava Dellaira constrói uma relação muito forte entre eles tornando a história ainda mais delicada.

"Percebi que existe uma razão para Kristen, Tristan, Natalie, Hannah e eu estarmos juntos ali _ somos todos estranhos de um jeito diferente, e isso é normal. E mesmo que exista muita coisa que eu não possa dizer a eles, é bom me sentir parte de um grupo."

Torcemos para que Natalie faça que seu verdadeiro amor a reconheça. Hannah e seu jeito aparentemente fútil nos conquista desde o primeiro momento. A maneira como ela se comporta nos leva a pensar sobre como julgamos as pessoas pela aparência. Tristan (o roqueiro) e Kristen (a hippie) formam um casal aparentemente improvável, mas é justamente este o fato que faz com que eles se tornem tão admiráveis.

Sky é um dos meus personagens favoritos. Seu jeito frágil faz com que nos apaixonemos desde o primeiro momento. Apesar da aparente fragilidade, Sky sabe internalizar muito bem seus monstros deixando apenas seu jeito sensual e enigmático aflorar. Ava Dellaira conseguiu construir uma história cuja carga dramática é explorada até o último momento. São histórias que se completam e que transmitem lições de vida.

"Fui até ele e o abracei. Nesse momento senti que as mariposas dentro dele, com suas asas tão finas, nunca estarão perto o bastante da luz. Vão sempre querer chegar mais perto _ entrar nela. Algo tinha se perdido em Sky. Eu queria colocar a mão no peito dele, na altura do coração, e acompanhar os batimentos. Queria encontrá-lo." 

É gratificante ver o amadurecimento de Laurel e faz com que eu admire ainda mais o trabalho da autora. É comum vermos muitos autores explorarem apenas o lado dramático da narrativa, perdurando em situações que só tornam o livro ainda mais enfadonho. Ava Dellaira não comete esse erro em Cartas de Amor aos Mortos


A escrita de Ava e tão viciante que é praticamente impossível você conseguir ler apenas um capítulo. Digo isso por experiência, pois ao iniciar à leitura só consegui fechar o livro somente quando li o último parágrafo. Foi uma madrugada inteira presa à sua narrativa. Lembro que iniciei a leitura às 22:00 e a conclui às 04:00h. Sem sentir que o tempo havia passado tão rapidamente tive aquela sensação terrível de quando um livro incrível termina: o gosto amargo da saudade de uma história tão perfeita.




Sou apaixonada por Nirvana e Amy Winehouse e ao longo da leitura fiquei completamente extasiada com tantas referências. Além de suas músicas pude conhecer alguns artistas que ainda não faziam parte do meu repertório musical. Foi maravilhoso! Adoro ler ouvindo música e, Ava Dellaira simplesmente tornou a minha leitura ainda mais prazerosa trazendo tanta beleza com suas recomendações.



A relação de amor entre Laurel e May é comovente. Fiquei muito emocionada com um dos momentos narrados por Laurel sobre os momentos em que elas estiveram juntas. É totalmente plausível a relação de devoção que ela mantém com a irmã, pois May era mais do que uma irmã. Ela era sua amiga, cúmplice, confidente; por isso, Laurel a venera com tanta veemência. É bonito ver como Laurel amadurece e consegue superar todos os obstáculos.

"A verdade é bela, não importa qual seja. Mesmo que seja assustadora ou má. É a beleza simplesmente porque é verdade. E a verdade é radiante. A verdade nos faz ser nós mesmos. E eu quero ser eu".


Carta de Amor aos Mortos é um livro que descreve o amor em todas as suas formas. Ele é um sopro de esperança para àqueles que assim como Lauren perderam alguém muito importante em sua vida. Ava Dellaira mostra como a força da amizade é importante neste processo. É um livro extremamente delicado, bem escrito, com uma narrativa poética que os deixarão fascinados desde o primeiro capítulo. É um daqueles livros que a gente deseja reler inúmeras vezes tamanha sua profundidade e beleza. Recomendo a todos e desejo profundamente que vocês possam sentir pelo menos um pouquinho dessa magia.

"Tudo me afeta. Não consigo evitar."

Me acompanhe também nas redes sociais: FacebookTwitterInstagramSkoobGoogle+




Sinopse: Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.


Título: Cartas de Amor aos Mortos
Autor: Ava Dellaira
Tradutor: Alyne Azuma
ISBN: 9788565765411
Editora: Seguinte
Páginas: 344


Você também pode gostar

5 comentários

  1. Oi Miga
    Eu comecei a ler este livro, e acabei parando por conta de outros livros, mas ele é ótimo e eu espero em breve poder retomar ele, pois é lindo!!
    Carregado de sentimentos, e emocionante!! Estou curiosa para saber como termina!

    Adorei as fotos.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oláá
    Uau, a sua resenha ficou tocante, adorei. Eu tenho o livro a um tempo pois assim como você, vou adiando por tantos lançamentos, parcerias e ai fico sem tempo mas com certeza quero o ler em breve, tenho grandes expectativas, ainda mais depois da sua resenha, adorei as fotos, os pontos apresentados, e que bom que gostou tanto da leitura.
    Fazia um tempão que não passava aqui haha adorei.

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Também gostei muito deste livro e a forma com ele foi feito e narrado. Uma leitura que emocionou mesmo.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  4. Confesso que eu estava com um certo medinho de ler este livro. Vi tantas opiniões diversas que nem sei direito o que pensei... mas agora, com essa resenha sua, minha opinião está pra lá de formada.
    Se você gostou e se emocionou, com certeza vou gostar e me emocionar também.
    Convenceu!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa adorei sua resenha. Foi exatamente como me senti quando li o livri. É tão lindo conhecer a personagem e vê-la evoluindo com o tempo, vê-la se tranformar pelo simples fato de estarmos lendo. Laurel acha que quando sua irmã morreu a parte mais importante de si mesma foi levada com ela , e tenta de alguma maneira não deixar sua irmã usar suas asas e se afastar dela. Ava Dellaira nos mostra que mesmo quando estamos desolados com a perda devemos buscar os momentos bons e superar. É muito interessante a meneira como ela introduz diferentes problemas sociais no livro , e transmite inúmeros sentimentos para o leitor. É uma leitura muito gratificante, àquelas que purificam a alma.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto