|Resenha| Por lugares incríveis - Jennifer Niver @editoraseguinte

terça-feira, maio 12, 2015


Penso que muitas histórias surgem com um único intuito: mudar a maneira como devemos enxergar o mundo e, principalmente as pessoas. Pode parecer extremamente clichê dizer algo do tipo, pois em algum momento da vida você já deve ter escutado alguém dizer essa frase. Clichê ou não faço minhas as palavras de Mário Quintana que livros mudam as pessoas, pois ao escrever o belíssimo Por Lugares Incríveis a autora Jennifer Niver conseguiu transformar completamente a minha visão sobre esse mundo caótico em que vivemos.


“Sinto como se estivesse acabado de atravessar o fundo do guarda-roupa e entrado em Nárnia”.

Somente dois autores conseguiram tal proeza e repito o nome deles sempre que possível. Jojo Moyes e Markus Zusak com os respectivos Como eu era antes de você e A menina que roubava livros; dois livros que marcaram a minha vida profundamente. E agora para engrossar essa lista eis que os apresento Por Lugares Incríveis.

Eu já vinha lendo opiniões diversas sobre o livro. Todo mundo dizia que era o livro perfeito. Não me atrevi a conferir resenhas e só tomei conhecimento de sua grandeza por opiniões soltas em diversas redes sociais. Confesso que eu tenho muito receio em ler livros que ganham muita notoriedade no mercado editorial, mas nesse caso algo mais forte me fez decidir por sua leitura. Meu Deus! Assim como aconteceu com o livro de Jojo Moyes eu ainda não consigo concatenar as minhas ideias direito. Meus sentimentos estão tão confusos, ainda em estado de transe.

Por lugares incríveis é um livro muito especial. Eu já li alguns livros do gênero que possivelmente poderiam se enquadrar na mesma categoria de sick-lit, mas como a própria Jennifer descreve: não gosto de rótulos. Porém, é possível dizer que Por lugares incríveis surge em meio a uma leva de livros que já discutiram o bullying massivamente. O tema pode parecer repetitivo, mas existem diferentes formas de descrever esse mal praticado por pessoas perversas e desumanas.

Em Por Lugares Incríveis vamos conhecer a história de Theodore Finch e Violet Markey. Ambos estudam na mesma escola e estão cursando o último ano do colegial. Apesar de frequentarem a mesma escola, ambos fazem parte de mundos completamente opostos. Enquanto Violet é a garota popular, linda e bem resolvida que namora Ryan Cross, o carinha mais lindo e cobiçado; Finch é o típico garoto-problema. Finch possui um temperamento e uma personalidade muito peculiar. Finch vive seus dias de acordo com o seu humor. Se está feliz ele veste sua melhor roupa e dá a vida ao “Finch - descolado e feliz.” Tal comportamento é um escape para Finch que sofre com a perseguição dos colegas da escola. Todos o chamam de Finch Aberração e, a maldade não pára por aí. Além das humilhações verbais Finch precisa conviver com o brutamontes Roamer lhe agredindo fisicamente.

“Imagino como deve ser andar na rua, confiante e calmo, sentindo-se bem consigo mesmo, e simplesmente se misturar. Sem que ninguém se afaste, ninguém encare, ninguém espere ou imagine qual será a próxima maluquice que você vai fazer.”

Os problemas de Finch são muito mais sérios do que sobreviver aos socos e xingamentos de Roamer e sua turma. Finch vive com sua mãe e as irmãs Kate, um ano mais velha que ele, e Decca, de apenas oito anos. Quando seus pais se separaram Finch tinha apenas 12 anos mas, de lá pra cá, as sombras que perseguem Finch não o deixam em paz. Finch não tem boas lembranças da época que o pai convivia com eles. Finch ainda carrega no corpo e na alma marcas das agressões cometidas pelo pai.


Por conta disso Finch tenta se manter sóbrio o suficiente para recobrar a lucidez após dormir dias seguintes devido a combinação excessiva de remédios para depressão. Porém chega um momento em que Finch decide jogar a toalha e, é exatamente nesse momento em que ele e Violet se encontram: em cima do parapeito do colégio há mais ou menos sete metros de altura, ambos com o intuito de suicidarem. Finch por não aguentar ser chamado de Aberração, por não ter pais que notam a sua presença, por ser intitulado esquisito, louco, “ele é desse jeito mesmo”. E Violet, por não superar a morte da irmã mais velha Eleanor que morrera em um acidente de carro. Violet estava ao lado da irmã no momento do acidente e se sente culpada por dizer à irmã que tomasse o caminho aonde o acidente acontecera. 

Violet sempre tivera uma vida perfeita e feliz aos olhos dos amigos e familiares, sempre com um sorriso estampado no rosto. Mas a vida de Violet mudara completamente. Agora, com um olhar frio e perdido Violet vive seus dias ligada no piloto automático. Violet decide dar fim a esse tormento tentando o suicídio na torre da escola, mas Finch encontra-se no mesmo local. É Finch quem impede Violet de cometer tal desatino ainda que ele estivesse com a mesma intenção. Decidido a salvar Violet e tirá-la daquela situação Finch decide adiar o seu sofrimento. A partir daí ambos tem a oportunidade de se conhecer num projeto de Geografia onde eles terão que conhecer pontos turísticos da cidade de Indiana. 

A cidade de Indiana é pequena e possui as particularidades de uma cidade pequena, mas Finch descobre uma maneira de fazer Violet enxergar a beleza que ela pode oferecer lhe apresentando a lugares incríveis. Nada de visitas a museus ou pontos turísticos conhecidos, Finch leva Violet a lugares que possuam uma história particular, cada qual com seu significado. Numa jornada inesquecível e completamente diferente Finch e Violet irão descobrir que suas vidas estão entrelaçadas e que, ambos precisam encontrar uma maneira de seguir em frente.

“Ela é oxigênio, carbono, hidrogênio, nitrogênio, cálcio e fósforo. Os mesmos elementos que estão dentro de todos nó, mas não consigo parar de pensar que ela é mais que isso e que tem outros elementos dos quais ninguém nunca ouviu falar, que a tornam diferente de todas as outras pessoas.”
Eu fico pensando em cada palavra escrita por Jennifer e não paro de me sentir vazia, perdida. O inferno descrito por Finch é aqui cercado por tanta gente maldosa, egoísta que não dá a mínima para a individualidade do outro. Finch é um jovem brilhante, inteligente, sensível e muito especial. Os medos e aflições de Finch impedem que ele leve uma vida normal, mas ainda sim, ele faz de tudo para mostrar a Violet que a perda de Eleanor precisa ser superada. 

Através de Finch podemos explorar a mente de um jovem que estuda diferentes formas de suicídio. Podemos entender como é difícil conviver com a frustração, com a perda de entes queridos, com a sensação de impotência e principalmente, conseguimos captar o limítrofe entre a razão e a emoção que envolve suas atitudes. Alternando entre a narrativa de Finch e Violet acompanhamos como cada personagem enfrenta seus problemas.


Falar sobre suicídio e assumir uma responsabilidade sobre ele é algo extremamente complicado. É preciso tato e muita sensibilidade para tal, mas isso é o que não falta na narrativa de Jennifer. A autora soube construir uma história crível que permite trazer à tona um assunto tão delicado. O distúrbio mental, a depressão, o transtorno bipolar são discutidos com muita seriedade para que sua mensagem seja objetiva. Qualquer pessoa que enfrenta ou tenha passado por situação semelhante conseguirá captar a mensagem. É difícil não se emocionar, sem que um suspiro lento e pesado exprima todo o nosso desconforto com a situação enfrentada por Finch.

Quero me afastar de todos os rótulos. “Tenho TOC”, “Tenho depressão”, “Eu me corto”, eles dizem, como se essas coisas os definissem. Tem um coitado que tem déficit de atenção, é obsessivo-compulsivo, tem transtorno de personalidade limítrofe, é bipolar e, ainda por cima, tem um tipo de transtorno de ansiedade. Eu nem sei o que é transtorno de personalidade limítrofe. Sou o único que é só Theodore Finch.

A veracidade como Jennifer conta os fatos é ácida, perturbadora. Ela não romantiza os fatos, ela os expõe como eles são, descreve como as pessoas se sentem e, como suas vidas são alteradas por conta de suas limitações. É um grito agonizante de ajuda.

“O que eu sei sobre transtorno bipolar é que é um rótulo. Um rótulo para pessoas loucas. Sei disso porque fiz um semestre de psicologia e vi filmes e convivi com meu pai durante quase dezoito anos, embora ninguém jamais o rotulasse, porque senão ele mataria a pessoa. Rótulos como “bipolar” significam: É por isso que você é assim. Esse é você. Reduzem as pessoas a doenças.”

Mas dentro de toda essa atmosfera densa e perturbadora existem momentos memoráveis que fazem o livro se torna ainda mais bonito. Jennifer se encarrega de balancear os momentos tensos com os momentos de extrema beleza e entrega dos personagens. Com uma linguagem poética e citações de diversas obras importantes de autores como Virgínia Woolf em “As Ondas”, assim como o “Morro dos Ventos Uivantes” de Emily Brontë, entre outras obras célebres, o leitor sente como cada palavra tem um peso muito maior nessa narrativa.

“Sinto mil capacidades brotarem em mim. Ora sou brejeira, alegre, lânguida, ora melancólica. Tenho raízes, mas sou fluida. Toda dourada, fluindo...”

Por mais que eu cite as mais de duzentas marcações que fiz ao longo da leitura jamais conseguirei expressar o quanto esta leitura foi marcante. Por lugares incríveis é de uma beleza sem tamanho. É um livro triste, com um toque de humor negro característico de Finch, de uma sensibilidade e pureza inigualável. 

O livro possui uma linguagem simples que permite que o leitor leia-o em pouquíssimas horas. A leitura é viciante, dessa forma você nem perceberá que já terminou o livro. Aliás, sabe aquela história do “só mais um capítulo”, aqui ela cabe perfeitamente porque não há como fechar o livro sem antes finalizá-lo. O único problema é que após o término nós nos sentimos a deriva, perdidos, sem saber o que fazer com tanta emoção.

Por lugares incríveis entra na minha seleta lista de favoritos como um dos livros mais lindos que já li durante toda a minha vida. Agora, espero que os produtores responsáveis pela adaptação cinematográfica consigam captar toda sua beleza e grandiosidade.

No final do livro o leitor encontrará um mapa de Indiana, além da descrição de cada um dos lugares incríveis visitados por Finch e Violet. Nos agradecimentos e na nota da autora descobrimos que Jennifer Niver viveu situações semelhantes com pessoas queridas que passaram pelo mesmo dilema de Finch e Violet. É de arrepiar!




Me acompanhe também nas redes sociais: FacebookTwitterInstagramSkoobGoogle+


Sinopse: Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, a garota se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.

Título: Por Lugares Incríveis
Autora: Jennifer Niven
Editora: Seguinte
Páginas: 336

Você também pode gostar

7 comentários

  1. Oi miga
    Ainda hj eu li uma resenha deste livro, mas a sua realmente me despertou interesse para le-lo depois de ler os quotes que vc destacou, fiquei com vontade de conhecer mais do livro. Parece ser uma história forte e emocionante. Quero ler.
    Ameii sua resenha!!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Melhor resenha que já li deste livro!!!
    Caracaaaa. Minha vontade é falar um baita de um palavrão daqueles bem cabeludos... Já estou com ele aqui, mas ainda estou me preparando psicologicamente pra ler, porque pelo jeito será um sofrimento imenso, rs.

    Amei!!!

    Bjks

    Lelê

    ResponderExcluir
  3. Oi Zilda!

    Já ouvi falarem muito bem deste livro... e, pelo jeito, ele é mesmo incrível, né? Com tantos assuntos pertinentes e atuais, e uma história ao mesmo tempo perturbadora e memorável, deve ser uma leitura bem marcante... mesmo não sendo um dos meus estilos de leitura favoritos, já vou adicionar à lista de leitura! Fiquei curiosa!!
    Bjus,
    Paty Algayer - http://www.magicaliteraria.com/

    ResponderExcluir
  4. Depois que eu li por lugares incríveis também mudei minha opinião sobre várias coisas. Foi um livro que me fez pensar muito, me fez querer que as coisas fossem diferentes e mexeu comigo de uma forma que poucos livros conseguiram.

    Foi um livro com um assunto tenso mas que arrancou algumas risadas em determinadas partes. A autora soube muito bem conduzir a história e não deixar nem muito pesado e nem tão leve.

    Amei, amei, amei e me apeguei muito aos personagens. Principalmente Finch que é o personagem mais incrível de todos, hahaha. Fora a nota da autora que é acabar com qualquer um. Mas é um livro incrível. </3333

    Beijos!
    http://www.prateleiracolorida.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu tenho esse livro Zilda, e ainda não o li... sua resenha me fez sentir um peso na consciência por conta disso.
    E se você se emocionou, com certeza vou gostar! Markus Zusak e Jojo Moyes são escritores que mexem comigo.

    xoxo
    Mila F.
    @camila_marcia
    www.delivroemlivro.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá Zilda,

    Esse livro está na minha lista de desejados e a cada resenha que leio fico louco de curiosidade, sua resenha só aumentou a minha vontade, também acho a capa muito legal....bjs.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Miga,
    Como te falei comecei a ler o livro em ebook, mas como não tenho um aparelho especifico estou lendo do celular o que deixou a leitura um pouco lenta por causa do meu problema de vista, mas estou gostando muito da leitura, acredito que vou me emocionar tanto quando você se emocionou.
    Beijos



    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto