|Resenha| A Playlist de Hayden - Michelle Falkoff @Novo_Conceito

quarta-feira, junho 10, 2015



Sempre acreditei que a música e a literatura não existem por acaso. De alguma maneira elas fazem parte do nosso cotidiano. Por meio da música e da literatura conseguimos dizer tudo sem que façamos nenhum esforço. Há quem diga que a perfeição como um estado de ser é uma utopia. Eu discordo completamente.

Assim como uma canção define nosso estado de espírito, um livro também consegue atingir o mesmo objetivo. E se ambos caminham juntos não existe nada que os impeça de alcançar a perfeição. 


Em A Playlist de Hayden a autora Michelle Falkoff conseguiu exatamente atingir esse objetivo. Numa trama que envolve temas sérios a autora aborda com muita sutileza os conflitos gerados a partir de assuntos como: bullying, suicídio, depressão, homofobia, entre outros assuntos que acarretam situações de extrema vulnerabilidade.

O início da história se dá a partir do suicídio de Hayden, um garoto rico, muito tímido e que não possuía muitos amigos. Logo de cara, o estereótipo de Geek é apresentado para que possamos compreender o motivo pelo qual Hayden se sente tão solitário. Mas Hyden não está só nesta jornada. Sam, seu único e melhor amigo também sofre com o bullying. Diferentemente de Hayden, Sam nunca se deixou abater pela situação. Mas a covardia de Hayden é justificada ao longo dos capítulos. Assim como a maioria dos livros do gênero A playlist de Hayden define o quanto jovens como Hayden e Sam sofrem com o bullying. Apesar de Hyden ser branco e rico isso não o torna melhor do que ninguém, pelo contrário, isso faz com que ele se cobre cada vez mais, já que os pais exijam que ele seja perfeito.

Essa questão de corresponder às expectativas alheias está minando completamente as suas esperanças. Decidido a superar esta fase Hayden decide ir à uma festa com Sam. Mas frequentar festas nunca foi um dos programas prediletos de nenhum dos dois. Mesmo assim Sam decide acompanhar Hayden. Durante a festa algo muito sério ocorrera fazendo com que Hayden saía transtornado. Ao sair da festa Sam e Hayden discutem e cada um segue o seu rumo. No dia seguinte Sam vai à procura de Hayden em sua casa e chegando lá descobre que o amigo está morto. Hayden cometera o suicídio e, Sam nem tivera a oportunidade de se desculpar, ainda que ele não saiba exatamente o que ocorrera na noite anterior. 

Sem respostas e com o coração completamente despedaçado, Sam não entende o motivo que levara Hayden a cometer suicídio. Algo muito sério levou o amigo a tomar essa decisão e, Sam precisa de respostas. A única pista para decifrar esse mistério está na playlist deixada por Hayden, além de um bilhete onde ele dizia que a única maneira de entender a sua atitude era ouvindo a playlist. Com o pendrive em mãos Sam passa a conhecer por meio de músicas tristes e melancólicas um pouco mais sobre seu amigo e, descobre que Hayden tinha muitos segredos que nem mesmo ele pudesse imaginar. O suicídio de Hayden serve de estopim para muitos acontecimentos que estão interligados ao longo da história. 

Michelle foi muito feliz em trazer este tema para ser discutido. Com uma narrativa fluída e dinâmica somos levados a refletir sobre como nos posicionamos perante as dificuldades do outro. Construir uma narrativa acerca do bullying é relativamente algo muito comum nos dias atuais, mas nem por isso todos conseguem obter sucesso. Erros como caricaturar personagens são muito comuns, isso quando não se levanta um questionamento de forma rasa e superficial. Por esse motivo devemos ficar atentos a esse tipo de abordagem. 



Felizmente Michelle Falkoff soube destrinchar um tema tão recorrente nas narrativas do gênero. A autora utiliza uma linguagem simples e usual que consegue atingir o público a qual o livro é direcionado. Qualquer um consegue captar a sua mensagem, ainda que as músicas escolhidas para compor a playlist não sejam tão atuais. Esse é mais um dos motivos que colaboram para o sucesso de sua narrativa. Quem nunca ouviu artistas como: Radiohead, Ramones, Arcade Fire, Tears for Fears, Metallica, Vampire Weekend, provavelmente não é deste mundo! Brincadeirinha! Porém, caso você esteja aberto a conhecer rock de qualidade, bebê, eis uma ótima oportunidade para começar.
O grande barato é ouvir as músicas apresentadas logo no início de cada capítulo para compreender o que Hayden estava sentindo no momento em que escolheu cada uma das músicas. É possível fazer essa conexão até porque cada uma delas define um estado emocional. O que dizer de: "How To Disappear Completely" (Como desaparecer completamente - Radiohead).


Já que é pra cavar um buraco no coração que tal Mad World? (Mundo Louco – Gary Jules) Isto é apenas uma prévia do que está por vir ao longo das 283 páginas de A playlist de Hayden.



Apesar de o mote principal partir do suicídio de Hayden podemos identificar outros pontos marcantes dentro da narrativa. A começar pela construção dos personagens secundários que fazem parte da narrativa. O livro que fala diretamente sobre perda apresenta de forma explícita o posicionamento de cada um a respeito da morte de Hayden. Além de Sam, outros personagens também carregam algum tipo de remorso. Todos imaginam que poderiam ter feito algo para impedir que Hayden chegasse a tal ponto. Cada personagem tem uma história para contar, a sua versão dos fatos e isso torna o livro ainda mais interessante. 

Apesar da pouca idade Sam é de longe o mais sensato e equilibrado na história. Ainda que em alguns momentos desejasse que ele tivesse tomado outra atitude. Por vezes, sua frieza era incompreensível dada à gravidade da situação. Cheguei a discordar do aparecimento repentino de Astrid, que surge na vida de Sam como seu primeiro amor. Eu não conseguia enxergar um propósito para Astrid ocupar tamanha importância, mas como a própria narrativa propõe, não sejamos preconceituosos. Existem dois lados na história, ou três, quatro, quem sabe?

A ingenuidade de Sam me assustava em determinados momentos. Era como se ele enxergasse as coisas de uma única maneira, sempre óbvia e, normalmente, equivocada. Aliás, os equívocos são explorados massivamente ao longo da narrativa. A autora soube elucidar situações que cada personagem exercesse um juízo de valor equivocado deixando bem claro as suas consequências.

O livro ainda conta com outros personagens estereotipados como, por exemplo: a trifeta (composta pelos três carinhas perversos – Ryan (o irmão de Hayden), Trevor Floyd e Jason Yoder; as líderes de torcida, os geeks e a galera hipster. 
Uma das grandes sacadas do livro é justamente não enquadrar ninguém num grupo específico, ainda que aparentemente isso não seja notado inicialmente. Mas já que a vida imita a arte e, consequentemente a ficção corrobora para tal, Michelle Falkoff não se abstém de sua responsabilidade. A playlist de Hayden é leitura obrigatória e recomendada a todas as idades. A leitura flui naturalmente que é possível concluí-la em poucas horas. 

Quero dizer que o livro me surpreendeu bastante. Na verdade eu esperava bem mais, confesso, mas ainda sim, fiquei bem satisfeita com o desenrolar da trama. Fiquei bem empolgada ao descobrir que o livro tratava o suicídio como um dos temas principais. Gosto de histórias dramáticas. Gosto de chorar, de sentir desidratada após esse tipo de leitura. (Isso é um tanto louco, eu sei!) Por isso, A playlist de Hyden me surpreendeu. Não chorei não me desfiz em lágrimas, mas ainda sim, me senti tocada pela história. E isso não pode ser visto de forma negativa, já que a história torna-se marcante justamente por sua leveza e delicadeza em discutir o assunto. 



A playlist de Hayden é um livro tocante, singelo que mostra maneiras de como sobreviver ao julgamento alheio. Como lidar com a frustração, a não se deixar levar pelas trevas, a dizer o que sente quando o “pote” está a ponto de transbordar. O livro nos mostra que conviver com as diferenças é necessário, mas que, acima de tudo precisamos aprender a respeitar o próximo, que atitudes muitas vezes impensadas podem machucar e muito, o outro. Enfim, são tantas as lições que só mesmo lendo para compreender. A sua relação com a música só nos faz acreditar que não sabemos ouvir as pessoas como deveríamos, aliás, só filtramos o que nos convém. Por esse e tantos outros motivos ouça e leia A Playlist de Hayden.



Me acompanhe também nas redes sociais: FacebookTwitterInstagramSkoobGoogle+



Sinopse: Depois da morte de seu amigo, Sam parece um fantasma vagando pelos corredores da escola, o que não é muito diferente de antes. Ele sabe que tem que aceitar o que Hayden fez, mas se culpa pelo que aconteceu e não consegue mudar o que sente
Enquanto ouve música por música da lista deixada por Hayden, Sam tenta descobrir o que exatamente aconteceu naquela noite. E, quanto mais ele ouve e reflete sobre o passado, mais segredos descobre sobre seu amigo e sobre a vida que ele levava.
A PLAYLIST DE HAYDEN é uma história inquietante sobre perda, raiva, superação e bullying. Acima de tudo, sobre encontrar esperança quando essa parte parece ser a mais difícil.

Título: A Playlist de Hyden
Autor: Michelle Falkoff
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581637044
Ano: 2015
Páginas: 288

Você também pode gostar

7 comentários

  1. Que música legal! E JÁ VICIEI rsrs e esse livro parece ser bom também. Vou ver se acho ele por aqui para ler rsrs.

    Beijos princesa!

    Blog: http://rafaeljviana.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Terminei de ler hoje! Não gostei muito do final... :/ USHUASHU

    ResponderExcluir
  3. Bom Dia Zilda!!

    Amei a resenha, estou com este livro para ler, só não sei quando vou fazer isso... :(
    Gostei dos vídeos que postou aqui, espero conseguir ler logo.. Tenho tantos kkk

    PS: Comecei a ler Mentirosos, Amando!!

    Beijos Mila
    Daily of Books

    ResponderExcluir
  4. Oii querida, tudo bom?
    Amei sua resenha, já li o livro e também gostei muito. Você consegue expor muito bem seus sentimentos em relação ao livro, gostei disso.
    Suas fotos ficaram lindas, você não poderia fazer um post com dicas de como tirar fotos bonitas? (qual camera você usa?)
    Um beijoo
    Garota do Livro

    ResponderExcluir
  5. Oi Zilda,

    Eu comecei a ler esse livro na terça - estou bem no comecinho, porque estou lendo outros dois ao mesmo tempo - então, eu gostei da parte em que já li. Estou com o coração já meio que partido, porque essa temática meio que me deixa tão triste, mas acho interessante, então sigo lendo.
    Ps.: A playlist em si é um arraso.
    Ps.: Ps.: Vou tentar voltar aqui qndo terminar a leitura para comentar mais coisa. Muack

    xoxo
    Mila F.
    @camila_marcia
    www.delivroemlivro.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu confesso que antes de ler a sua resenha eu não estava com muita vontade de ler esse livro, mas eu gostei tanto da maneira que tu aborda a história que eu mudei de ideia. Esse livro merece uma chance sim!
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. oi flor, eu não solicitei, mas já estou me arrependendo! Vejo só coisas positivas pelo livro e estou cada vez mais tentada a comprá-lo!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto