5 livros que eu gostaria que virassem filmes

quarta-feira, novembro 23, 2016


Nos últimos dias andei dando aquela geral na estante e me bateu uma baita saudade de alguns livros que li já faz um tempinho. Olhei para cada um deles e lembrei do quanto me fizeram delirar por suas histórias. Não sei vocês, mas eu tenho mania de imaginar personagens de livros protagonizados por alguns artistas. Sei que é coisa de gente doida, eu sei, mas fazer o quê se minha imaginação é fértil..hahaha.



Enfim, dentre tantos livros inesquecíveis eu adoraria que alguns tivessem a oportunidade de serem  adaptados para o cinema ou para a TV. Separei ao todo 5 livros que ocupam um lugar muito especial no meu coração. Vamos lá!

1- Todo Dia - David Levithan - Galera Record



Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia.
Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

David Levithan é um dos meus autores favoritos da vida. Já li praticamente todos seus livros e não me canso de me apaixonar por ele a cada livro lançado. Mas Todo Dia é o meu favorito até hoje. Nunca li nada tão único, tão singular, simples e extremamente tocante. David é desses, sabe tocar fundo em nossos corações com histórias repletas de encorajamento, igualdade, sempre com leveza e muita delicadeza. 

Levithan já fora genial em criar um personagem que não têm nome, corpo e gênero, mas sua criatividade vai além ao criar tantos personagens “secundários” que na verdade atuam como primários ao decorrer da leitura. A cada corpo habitado A. nos relata como é acordar todo dia em um corpo diferente, mas as características físicas estão muito longe de ser o foco principal. São os sentimentos, anseios, angústias e conflitos pelos quais todos estão envolvidos que nos chamam a atenção. São histórias paralelas que se confrontam e possuem muitas características em comum. Em cada uma delas Levithan nos convida a refletir sobre um determinado assunto, alguns leves outros nem tanto, como: depressão, alcoolismo, religião, trabalho escravo, bullying entre outros. Contive-me em segurar as lágrimas em determinados momentos. Não há como não se identificar em algumas das histórias narradas por A. Sempre muito objetivo em ilustrar situações corriqueiras, Levithan disseca sobre situações que qualquer adolescente de 16 anos poderia vivenciar. A maneira como o autor escreve é muito peculiar.

2- Procura-se um marido - Carina Rissi - Verus Editora



Alicia sabe curtir a vida. Já viajou o mundo, é inconsequente, adora uma balada e é louca pelo avô, um rico empresário, dono de um patrimônio incalculável e sua única família. Após a morte do avô, ela vê sua vida ruir com a abertura do testamento. Vô Narciso a excluiu da herança, alegando que a neta não tem maturidade suficiente para assumir seu império – a não ser, é claro, que esteja devidamente casada. Alicia se recusa a casar, está muito bem solteira e assim pretende permanecer. Então, decide burlar o testamento com um plano maluco e audacioso, colocando um anúncio no jornal em busca de um marido de aluguel. Diversos candidatos respondem ao anúncio, mas apenas um deles será capaz de fazer o coração de Alicia bater mais rápido, transformando sua vida de maneiras que ela jamais imaginou. Cheio de humor, aventura, paixão e emoções intensas, Procura-se um marido vai fisgar você até a última linha.

Procura-se um marido é um verdadeiro conto de fadas às avessas. A personagem principal tem que fazer o caminho inverso. De princesa a gata borralheira, Alicia vai ter que aprender a viver como uma simples assalariada e a conviver com as adversidades. Acostumada a viver com luxo, agora ela não tem grana nem para o ônibus. 
Como todo chicklit as cenas hilárias e o perfil “mocinho gostosão” compõem o perfil de Procura-se um marido. Porém há uma grande diferença de outros livros do gênero que já li. A personagem principal Alicia não é uma simples menina rica, mimada e fútil. Aqui, Alicia é uma jovem decidida, firme, segura, (tirando sua estranha fobia por borboletas) e que apesar de se encontrar numa grande enrascada não fica se lamentando o tempo todo. Normalmente isso é muito comum nos livros do gênero. E o humor deve ser equilibrado para não parecer mais uma história clichê de uma mocinha que busca um verdadeiro amor. O humor descrito por Carina Rissi é inteligente, bem aplicado em situações comuns sem tornar os personagens caricatos.

Sou fã da Carina. Tenho quase todos seus livros, exceto o último lançamento Prometida. Me apaixonei pela sua escrita desde que li Perdida e de lá pra cá acompanho todo o seu trabalho. A série Perdida já pertence a outro patamar. Acho que deveria virar série de Tv porque a temática meio de época/meio contemporânea daria super certo, por exemplo, na tv a cabo. Mas dentre todos seus livros o meu favorito é Procura-se um marido. Lembro que pirei com o romance de Max e Alicia. O livro é delicioso, divertido, cheio de tiradas engraçadas, tudo que pede um bom chicklit. Carina é diva demais, seus livros mais parecem roteiros de cinema. É incrível como conseguimos nos conectar com seus personagens. Sabemos que Perdida vai virar filme, mas bem que poderiam incluir Procura-se um marido nessa leva. O sucesso seria garantido, ah..disso, ninguém duvida.

3- Eleanor & Park - Rainbow Rowell -Editora Novo Século



Eleanor é a nova garota na cidade e ela nunca se sentiu tão sozinha. Vestida com peças de roupas que não combinam, cabelo vermelho bagunçado e uma vida caótica em casa, ela não poderia chamar mais atenção. 
Então ela se senta ao lado de Park no ônibus escolar. Quieto, cuidado e – nos olhos de Eleanor – impossivelmente descolado, Park decidiu que voar fora do radar é o melhor jeito de sobreviver na escola. Devagar, constante, com conversas até tarde da noite e uma grande quantidade de mixtapes, Eleanor e Park se apaixonam. Eles se apaixonam da mesma forma que você se apaixona pela primeira vez, quando você tem 16 anos e nada e tudo a perder. O livro se passa ao longo de um ano escolar em 1986. Engraçado, triste, chocante e verdadeiro, Eleanor & Park é uma viagem nostálgica para aqueles que nunca esqueceram seu primeiro amor.

Rainbow disserta sobre assuntos polêmicos, porém comuns a qualquer narrativa do gênero. Falar sobre jovens que sofrem bullying não é novidade pra ninguém, mas o que diferencia Rainbow dos reles mortais é a maneira como o apresenta. Sabemos o quanto é traumático, mas o que me incomoda de fato é a passividade imposta por determinados autores a seus personagens. Pode ser difícil lutar contra isso, mas não é impossível e Rainbow dá voz a Eleanor. Ela é o que é e isso não a torna pior do que ninguém. Por mais que as coisas na realidade não ocorram desta maneira, sempre esperamos o contrário e, Eleanor não nos decepciona. 

Eleanor é encantadora. A personagem gordinha, de cabelos ruivos e que curte Beatles cativa nossa admiração desde o início. Com sua aparência desastrosa e seu jeito de ser ela rouba a cena com sua ingenuidade. 

E o que dizer de Park? Lindo, sensível, amoroso, frágil, determinado. Perfeito? Não. Como nada é na narrativa de Rainbow. Tantas vezes nos pegamos esperançosos com o dilema vivido por Eleanor, a mais velha de uma família de cinco irmãos, de pais separados e que enfrenta dificuldades em se relacionar com o padrasto. Rainbow apresenta-nos a um retrato comum a muitas famílias, mesmo assim ela consegue nos comover com sua descrição fria e cruel.

Ahhh..suspiro em "modo:ON". Como eu amo esse livro. É de uma singeleza e profundamente sem igual. A história de Eleanor & Park, possivelmente já encantou milhares de leitores mundo à fora e, por aqui não seria diferente. Essa história daria super certo nas telonas. A fotografia, a caracterização dos personagens, a trilha sonora do livro, os embates e problemáticas que envolvem os personagens. Seria um filme lindo que falaria direto aos jovens que passam por pelos mesmos problemas dos adolescentes. Seria difícil somente suportar a dor e aflição que sentimos no momento da leitura. Quem já leu sabe que é de cortar o coração. 

4- Talvez Um Dia - Colleen Hoover - Galera Record



Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex- melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida. Um namorado atencioso, uma melhor amiga com quem dividia o apartamento... Tudo bem, até Sydney descobrir que as duas pessoas em quem mais confiava se pegavam quando ela não estava por perto. Até que foi um soco merecido. Sydney encontra abrigo na casa de Ridge. Um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora.

De todas as histórias que li da autora essa foi a mais bela, a mais delicada, a mais completa. CoHo destaca a descoberta do amor através de uma amizade, o desejo proibido dá lugar a admiração, ao respeito. É claro que a atração física e a química entre os personagens dá aquele toque especial à narrativa, mas nesse caso, ela é mera coadjuvante. Destaque para a descoberta e troca de sentimentos através de uma simples batida do coração, uma troca de olhar que revela muito mais do que palavras, o som da respiração, tudo tem uma conotação diferente.

O que dizer de CoHo? Acho que todos os livros dela deveriam virar filmes, sem brincadeira, assim como os do tio Nick. A mulher escreve superbem, suas histórias são de dilacerar qualquer coração e de quebra, sempre tem uma boa trilha sonora em suas histórias. Escolhi Talvez Um Dia porque foi o livro mais recente que li, mas eu poderia citar vários outros que poderiam ser adaptados. Talvez Um Dia é único, pra mim o melhor que a autora escreveu até agora. A história de Ridge e Sidney é linda, a superação, a conexão com a música, o drama, a separação, o desejo de estarem juntos, etc. É uma história daquelas pra arrancar o coração do peito. Imagine isso na telona? Meu Deus,ia ser um máximo. CoHo leve suas histórias para as telonas e faça-nos mortais mais felizes e esperançosos..hahaha

5- Raio de Sol - Kim Holden - Planeta de Livros Brasil



Faça épico, costuma dizer Kate Sedgwick quando quer estimular alguém a dar o melhor de si. Nascida numa família-problema, com direito a mortes e abandono, a garota de dezenove anos sempre buscou fazer a diferença. Em vez de passar os dias lamentando os infortúnios da vida, como tantos fariam em seu lugar, sempre vê as coisas pelo lado positivo não é por outro motivo que Gus, seu melhor amigo, a chama de Raio de Sol.
E é por isso que, quando passa na faculdade e se muda da ensolarada San Diego, na Califórnia, para a fria cidade de Grant, em Minnesota, ela leva consigo apenas boas lembranças e perspectivas. O que ela não espera é que será surpreendida pelo amor único aspecto da vida em relação ao qual nunca quis ser otimista ao conhecer Keller Banks, um rapaz que parece corresponder aos seus sentimentos. Acontece que tanto ele quanto ela têm um segredo. E segredos, às vezes, podem mudar tudo.

Esse é outro drama que eu adoraria assistir nas telonas. Lembro que assim que li o livro eu fiz uma comparação com um dos meus filmes favoritos da vida: Agora e para sempre. Já perdi a conta de quantas vezes eu já assisti esse filme e choro, choro litros toda vez que o assisto.E, foi exatamente assim que me senti ao ler Raio de Sol

Quem ama livros do gênero assim como eu já imagina o que vai encontrar e reza, com todas as forças ,que a autora não decepcione. Nos dê exatamente aquilo que buscamos: um personagem gato, gostoso, badboy, testosterona pura, mas que também seja doce, romântico, companheiro. E isso de fato, o leitor encontrará ao longo da história. Aliás, nesse quesito, o leitor não poderá reclamar. A autora nos presenteará com dois personagens maravilhosos que irão fazer de Raio de Sol um dos melhores livros do gênero lançados recentemente.

Raio de Sol é aquele romance que você se apaixona desde o primeiro momento. Mas eu tenho um atento a fazer. Os leitores mais exigentes talvez se sintam um pouco desconfortável com a linguagem utilizada pela autora, tendo em vista o vocabulário utilizado pela protagonista. Kate é desbocada, fala palavrão, é imprevisível e, isso pode causar certo estranhamento. Mas, gente!! Alôuuu!! Estamos falando de um livro para jovens. Essa é a linguagem comum e predominante da maioria dos jovens. Não me venham com falso puritanismo, por favor.

E aí, curtiram? Já leram alguns desses livros? O que achariam de suas adaptações?

Me acompanhe também nas redes sociais: 
Facebook ♥ Twitter ♥ Instagram ♥ Skoob ♥ Google+

Você também pode gostar

2 comentários

  1. Oi, tudo bem? Eu gosto muito de Eleanor & Park, acho que daria um filme muito legal! E esse "Todo Dia", eu nunca li, mas já vi falarem muito bem. A história é interessante, realmente daria um ótimo filme!

    No meu blog está rolando um sorteio de "Harry Potter e a criança amaldiçoada" :) http://www.arteceteras.com/2016/11/sorteio-harry-potter-e-crianca.html?m=1

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. menina se qualquer livro da Carina virasse filme ia estourar, são ótimos enredos!

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto