|Resenha| Talvez um dia - Colleen Hoover @galerarecord

sexta-feira, novembro 18, 2016

Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex- melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida. Um namorado atencioso, uma melhor amiga com quem dividia o apartamento... Tudo bem, até Sydney descobrir que as duas pessoas em quem mais confiava se pegavam quando ela não estava por perto. Até que foi um soco merecido. Sydney encontra abrigo na casa de Ridge. Um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora.



Meu Deus! Que livro é esse? Sei que corro o risco de ser redundante, mas dessa vez Colleen Hoover acabou com meu coração deixando-o em pedaços. Sei que não estamos falando de nenhum lançamento, apesar de parecer que todos os dias essa mulher publica um livro porque pelo amor de Deus ela consegue se superar a cada livro lançado. Eu até fiquei bem curiosa para ler o seu último lançamento – 9 de Novembro, mas confesso que mudei de ideia depois de ver pela internet o povo todo alvoraçado por Talvez Um Dia. E como diz o ditado: A voz do povo é a voz de Deus. CoHo foi impiedosa, malvada, me torturando até a última página. Fiquei completamente encantada por essa história e posso dizer que até o momento é a minha favorita e, olha que já li alguns livros da autora mas, nenhum foi tão comovente como este.

Quem conhece CoHo sabe que a mulher não poupa no drama para deixar seus leitores completamente devastados e, no caso do livro em questão, acho que ela até exagerou um pouco. Meu Deus! É muita tensão, agonia, sofrimento. É uma contradição de sentimentos tão angustiante que você não sabe de que lado ficar e se, na verdade existe algum lado certo ou errado da história. O fato é que você toma partido mesmo sem querer porque não tem outro jeito. A cada capítulo vamos nos envolver com uma história dramática de dois jovens que estão acostumados com seus respectivos relacionamentos, até o dia que um deles têm sua vida virada de ponta-cabeça. Isso faz com que ambos se aproximem para travar uma intensa luta contra o desejo de estarem juntos.

O livro é narrado alternadamente pelos dois personagens principais: Rigde e Sydney. Dessa forma podemos acompanhar a perspectiva de cada um no decorrer da leitura. Ridge e Sydney são vizinhos de prédio, mas nunca trocaram uma palavra entre si. A única interação e, a mais forte de todas, é a conexão que ambos têm com a música.

Todas as noites Sydney senta na varanda de seu apartamento para assistir Ridge tocar violão. Ao observá-lo Sydney nota que Ridge têm algo especial. Ela sente que algo lhe incomoda, sem compreender direito seus sentimentos. O fato é que Sydney namora Hunter há mais de dois anos,ainda que não consiga enxergar um futuro ao seu lado, por mais que ele se faça presente. Sydney têm uma vida simples e até bem monótona. Divide seu tempo entre a faculdade e o trabalho de meio período na biblioteca do campus. 

Na noite do seu 22º aniversário é que o caos chega sem avisar. Sydney descobre que Hunter está lhe traindo com sua melhor amiga. Por mais que aquilo lhe causasse tamanha estranheza Sydney não consegue acreditar na situação. Quem acaba abrindo seus olhos é exatamente Ridge que todas as noites vê Hunter e Tori se pegarem todas as vezes que Sydney se ausenta. Tudo parece conspirar contra Sydney, pois além de ser traída pelo namorado e pela melhor amiga, ela ainda perde seu emprego na biblioteca. Sem ter pra onde ir Sydney saí desesperada e quem lhe dá abrigo é justamente o vizinho que ela tanto admira.

Ridge mora com seu melhor amigo Warren que conhece desde a adolescência e, Bridgette, uma mulher estressada que passa o tempo todo gritando com as pessoas. Parece um apartamento de loucos. Ele e o irmão Brennan fazem parte da banda Sounds of Cedar. O irmão é cantor e Ridge o compositor, que no momento está passando por um bloqueio criativo. E a chegada de Sydney vem a calhar porque Ridge descobre que ela também compõem. O único problema é que nem Sydney nem Ridge imaginavam que essa aproximação poderiam lhe acarretar tantos problemas. Sydney sente uma forte atração por Ridge, mas não sabe como lidar com toda a situação já que ela e o ex acabaram de terminar o relacionamento. Já Ridge namora Maggie há cinco anos e nunca imaginou que pudesse se apaixonar por outra pessoa. A vida de Ridge é cuidar de Maggie e protegê-la de todas as maneiras. 

Maggie é uma garota linda, adorável, super gente boa. Todos a adoram, tornando as coisas ainda mais difíceis. Ridge sonha em viver ao lado de Maggie, mas ela não cede aos seus desejos pois, o que ela realmente precisa é de liberdade. Ser independente é o que Maggie mais almeja pra sua vida.

Sydney e Ridge passam a compor juntos e o espaço entre eles, físico e emocional vão se estreitando cada vez mais. A música é o elo que os une e fará com que ambos vivenciem momentos de intensa ternura e profundidade. Ao longo da narrativa vamos descobrindo um pouco do passado cheio de mágoas e traumas de Ridge que o torna tão especial.

Por outro lado sofremos com tudo que Sydney têm que enfrentar para frear o desejo de se entregar à paixão que vem nutrindo por Ridge. Uma das coisas mais belas do livro é poder acompanhar o crescimento desse amor. Nada brota de um desejo súbito, do sexo propriamente dito. É a construção da amizade, da confiança que torna tudo tão profundo. Ridge é um ser humano ímpar, correto, justo, leal, o "príncipe" que todo mundo deseja ter na vida. Aliás, se existe alguém que saiba construir personagens dessa forma essa pessoa é CoHo. Ela deixa todo mundo pirado com tanta entrega e devoção de seus personagens. E o drama apresentado é necessário, sempre, na maioria das vezes para tornar a narrativa mais crível, palpável; assim o leitor consegue conectar-se facilmente com a narrativa.

"Entretanto, aprendi que não podemos dizer ao coração quando, quem ou como amar. O coração só faz o que quer. A única coisa que podemos controlar é se escolhemos nos dar a chance de deixar nossa vida e mente alcançarem nosso coração."

Sabe aquele sorriso bobo que fica estampado na cara quando a gente lê alguma coisa que nos toca tão profundamente? Então, foi exatamente assim que fiquei durante a leitura, suspirando a cada parágrafo, me debulhando em lágrimas a cada revelação. Eu nunca imaginei me deparar com uma história tão comovente. A sensibilidade de CoHo é nata, o talento para criar histórias dramáticas cheias de mensagens inspiradoras faz com que a gente queira viver aquela história. 

O livro nos mostra a importância de vivermos uma vida intensamente. Ensina-nos a lidar com os percalços da vida com determinação. Perceberemos que há uma grande diferença entre viver intensamente ou apenas existir. Confesso que fiquei muito dividida. Ora eu desejava que Maggie não existisse na vida de Ridge para que ele e Sydney pudessem viver o seu amor, mas ao mesmo tempo acabava entendendo a decisão de Ridge. Essa é uma das grandes questões do livro: o apelo moral, aquilo que julgamos como certo ou errado. Quando devemos nos deixar levar pelos impulsos? Quem ouvir primeiro: a razão ou a emoção? O comprometimento e lealdade de Ridge nos mostra isso o tempo todo permitindo-nos refletir sobre o assunto.

De todas as histórias que li da autora essa foi a mais bela, a mais delicada, a mais completa. CoHo destaca a descoberta do amor através de uma amizade, o desejo proibido dá lugar a admiração, ao respeito. É claro que a atração física e a química entre os personagens dá aquele toque especial à narrativa, mas nesse caso, ela é mera coadjuvante. Destaque para a descoberta e troca de sentimentos através de uma simples batida do coração, uma troca de olhar que revela muito mais do que palavras, o som da respiração, tudo tem uma conotação diferente.

Quando decidi optar por essa leitura, a primeira coisa que me veio à mente foi que se tratava de um livro sobre música. Já imaginava que seria um dos favoritos só por incluir o tema, mas nunca imaginei que pudesse viver uma experiência tão diferente. Foi mágico ler cada trecho do livro acompanhada de uma canção composta exclusivamente para a trama. Consegui me conectar ainda mais à Ridge, pude “sentir” cada vibração, cada som. Sei, parece loucura, mas foi uma sensação indescritível.
Colleen Hoover fez uma parceria que deu muito certo com o cantor e compositor  Griffin Peterson que compôs as canções que acompanhamos ao longo de toda a narrativa. Leia o livro acompanhado da playlist. Deixe sua imaginação fluir, permita-se viver essa experiência. Para ouvir as canções clique aqui .

Esse é mais um daqueles livros que a gente passa muito tempo falando a respeito, que recomenda pra todos, que dá vontade de dar um exemplar pra cada pessoa. Ninguém sai ileso depois dessa leitura. Colleen Hoover , mais uma vez, prova que é uma das melhores autoras do gênero. Não há o que pontuar de negativo, a não ser que você não tenha uma estrutura capaz de suportar tanto sofrimento. Mas vale a pena. Você sabe que ela sempre nos reserva algo de bom, algo mágico; aquela mensagem que o amor verdadeiro tudo pode superar. Mas nem só de drama vive um bom romance não é mesmo? CoHo também nos diverte com diálogos hilários normalmente protagonizados por Warren e Sydney. 

Eu não me canso de repetir o quanto Colleen Hoover é magnífica, soberana, fodástica. Sempre nos presenteando com histórias profundamente tocantes. Corri para o Skoob e favoritei o livro antes mesmo de terminá-lo, lá pela metade do livro pra vocês terem uma noção da magnitude dessa obra. 

Talvez Um Dia é um livro que vai tocar fundo no seu coração que irá abalar todas suas estruturas. Pode preparar a caixinha de lenços. Ah, não esquece de separar uma boa quantidade de post-its, muitos por sinal, pois certamente você ficará louco com tantos trechos para marcar; todos memoráveis e inesquecíveis.
O segundo livro irá contar a história de amor de Warren e Bridgette, ou seja, podem aguardar fortes emoções.

[...] os sentimentos são a única coisa em nossas vidas que nós não temos absolutamente nenhum controle.


Me acompanhe também nas redes sociais: 
Facebook ♥ Twitter ♥ Instagram ♥ Skoob ♥ Google+




Título: Talvez Um Dia
Série: Maybe #1
Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Ano: 2016
Páginas: 368
Onde comprar: Saraiva Amazon



Você também pode gostar

0 comentários

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto