|Resenha| O livro de memórias - Lara Avery @editoraseguinte

segunda-feira, dezembro 05, 2016


Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível. E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença genética que aos poucos vai apagar sua memória e acabar com sua saúde física. Ela só precisa de um novo plano. É assim que Sammie começa a escrever o livro de memórias: anotações para ela mesma poder ler no futuro e jamais esquecer. Ali, a garota registra cada detalhe de seu primeiro encontro perfeito com Stuart, um jovem escritor por quem sempre foi apaixonada, e admite o quanto sente falta de Cooper, seu melhor amigo de infância de quem acabou se afastando. Porém, mesmo com esse registro diário, manter suas lembranças e conquistar seus sonhos pode ser mais difícil do que ela esperava.


Quando eu recebi o convite da editora para resenhar o livro em questão eu não tinha a menor ideia do que se tratava e, confesso que se eu tivesse o visto na prateleira de uma livraria eu não daria a menor bola pra ele. Não que o livro seja ruim, pelo contrário. O Livro de Memórias entrou para a lista de melhores de leituras do ano. O problema é que não vi muita gente falando a respeito e acredito que isso faça com que as pessoas não deem o crédito que ele realmente merece. 

Sou fã de romances dramáticos e foi esse um dos fatores que me fizeram aceitar o convite. Pensando em se tratar de um livro triste achei que era o livro perfeito pra mim, ledo engano. Apesar do tema triste, a autora Lara Avery escreveu uma história que segue um caminho totalmente diferente daqueles que estamos acostumados a ler se tratando do gênero.

Sammie é uma jovem que planejou a sua vida inteira. Sam é muito estudiosa, determinada e sonha ir estudar em Nova York numa das melhores universidades do país. Entrar para NYU fez com que Sam dedicasse todo seu tempo aos estudos e seu principal objetivo é vencer o campeonato de debate para que possa alcançar o sonho de estudar e morar em Nova York. 

Sam é uma jovem muito inteligente, contudo lhe falta empatia para lidar com as pessoas. Não que ela seja uma pessoa ruim ou egoísta; o problema é que ela não se doa e acaba se mantendo longe daqueles que a amam verdadeiramente, como por exemplo, os pais e os três irmãos mais novos. Sammie é uma jovem reservada, de poucos amigos. Aliás, no momento Sam não têm ninguém que possa dividir o peso da tristeza que carrega. Cooper, seu vizinho e amigo desde a infância já não fala com Sam desde que ele deixara de fazer parte do time da escola e somente ela sabe o verdadeiro motivo por trás da saída precoce de Cooper do time.

Sam e Maddie, sua parceira de debate, passam muito tempo juntas por conta dos ensaios do debate, mas Sam ainda não conseguiu estreitar verdadeiramente os laços com Maddie. E como não poderia faltar aquela pitadinha de amor mal resolvido eis que conhecemos Stuart, um jovem escritor por quem Sam é apaixonada desde o tempo que Stuart frequentava a mesma escola. Com o retorno de Stuart à cidade, Sam não consegue esconder a euforia de tê-lo por perto. 

A família de Sammie é a representação de família unida e feliz apesar, de seus pais terem que trabalhar tanto para sustentar a grande família. Deixar para trás a vidinha de cidade pequena é tudo o que mais Sam deseja na vida, o problema é que ela não contava que todos os seus planos corriam um sério risco de não se concretizarem após ser diagnosticada com uma grave doença terminal.


Sammie descobre ser portadora de NP-C (uma grave doença degenerativa que afeta diretamente a memória) e o medo eminente pela perda da memória é o que mais lhe afeta. Logo sua memória que é um dos seus pontos fortes. Como ela poderia se tornar uma profissional de sucesso, vencer o campeonato nacional de debate se ela perdesse a capacidade de articular suas ideias e memorizar tantas coisas? Impossível. Por conta disso Sammie passa a escrever em seu notebook um livro, como se fosse um diário, relatando todas sua vida para que mais tarde, a Sam do futuro pudesse recordar-se de suas lembranças.

"Você sou eu, Samantha Agatha McCoy, em um futuro não muito distante. Estou escrevendo para você. Dizem que minha memória nunca mais será a mesma, que vou começar a esquecer as coisas. Só um pouco no início, depois muito. Então, estou escrevendo para lembrar."

A personalidade de Sam e a maneira como ela encara a doença é admirável. Normalmente, nesse tipo de história é comum nos depararmos com protagonistas inseguras, que ficam a se lamentar pela baixo autoestima. No caso de Sammie é justamente a inteligência e, não a aparência, o seu ponto forte. A autora fez uma sábia escolha ao pontuar as transformações de Sam ao longo do desenvolvimento da doença deixando de lado termos técnicos que poderiam tornam a narrativa cansativa.


A leveza com que a autora trabalhou o tema é de uma sensibilidade tocante. Algumas memórias permitirão o leitor compreender o motivo pelo qual Sam tornara-se uma pessoa tão evasiva. Com o decorrer da leitura e o relato de suas memórias vamos acompanhar o desfecho dessa linda história de superação. Profundo, intenso, devastador, uma verdadeira lição de vida.

Mais do que um livro sobre superação, O Livro de Memórias é um livro sobre entrega, redenção. Eu esperava chorar mais do que sorrir na verdade. Durante todo a leitura praticamente, me vi com um sorriso bobo no rosto por conta da delicadeza da história. A maneira como a autora descreveu todo a determinação e superação de Sammie é comovente. Quando iniciei a leitura imaginei que se tratava de uma história triste, daquelas cheias de clichês e foi exatamente o contrário que encontrei. Agora quando é chegado o momento de derramar as lágrimas, putz! É pra deixar qualquer um com o coração apertado, olhos marejados e o típico nó na garganta que vai se formando quando tentamos segurar a emoção.

Recomendo a leitura a todos que curtam histórias de superação cujo a temática envolva doenças terminais. O Livro de Memórias vai trazer uma paz para o seu coração, vai te fazer enxergar o quão é precioso valorizar o tempo e a companhia daqueles que te querem bem. Anotei o nome de Lara Avery carinhosamente na lista de autores favoritos e O Livro de Memórias como um dos livros que todo mundo um dia tem que ler.

"[...] Temos que nos acostumar com a ideia de que ninguém se importa tanto quanto nós porquê... adivinha? Ninguém se importa. Sucesso, fracasso, tanto faz! Ninguém vai te dar um tapinha nas costas por passar todas as horas do seu dia estudando ou pesquisando ou desistindo de tudo para escrever. Então o ideal seria fazer todas essas coisas por nós mesmos, não pelos outros."


Me acompanhe também nas redes sociais: 
Facebook ♥ Twitter ♥ Instagram ♥ Skoob ♥ Google+


Título: O Livro de Memórias
Autora: Lara Avery
Editora: Seguinte
Ano: 2016
Páginas: 392
Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino

Você também pode gostar

1 comentários

  1. Olá Zilda,

    Já li e apesar de ter gostado algumas coisas me incomodaram no livro, então não entrou para meus favoritos, mas fiquei abismada com o fato de as coisas que me incomodaram foram as mesmas que fizeram você amar o livro. Sou apaixonada por literatura e essa forma que cada livro tem de tocar o leitor. Que fantástico, não?

    xoxo
    Mila F.
    www.delivroemlivro.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto