|Resenha| Novembro,9 - Colleen Hoover @galerarecord

sexta-feira, janeiro 27, 2017


Autora número 1 da lista do New York Times retorna com uma história de amor inesquecível entre um aspirante a escritor e sua musa improvável. Fallon conhece Ben, um aspirante a escritor, bem no dia da sua mudança de Los Angeles para Nova York. A química instantânea entre os dois faz com que passem o dia inteiro juntos – a vida atribulada de Fallon se torna uma grande inspiração para o romance que Ben pretende escrever. A mudança de Fallon é inevitável, mas eles prometem se encontrar todo ano, sempre no mesmo dia. Até que Fallon começa a suspeitar que o conto de fadas do qual faz parte pode ser uma fabricação de Ben em nome do enredo perfeito. Será que o relacionamento de Ben com Fallon, e o livro que nasce dele, pode ser considerado uma história de amor mesmo se terminar em corações partidos?

Eis-me aqui, novamente, para declarar todo meu amor por Colleen Hoover. Quando eu pensei que ficaria um tempo longe de seus dramas, eis que me deparo com a oportunidade de ler seu mais recente lançamento. Eu sei, eu sei que um monte de gente já leu esse livro e talvez, eu seja uma das únicas mortais que ainda fico eufórica diante o livro. O fato é que estou ainda sem palavras para definir o quanto eu AMEI essa história. Definitivamente, Colleen Hoover nunca decepciona. Pode acontecer de, uma vez ou outra, ela dar uma exagerada no drama e tal, mas caso isso não aconteça, não estamos falando da mesma autora. Esse é o seu diferencial. Ao mergulharmos em suas histórias temos a certeza que seremos arrastados por fortes emoções e foi exatamente isso que aconteceu assim que iniciei a leitura de Novembro,9.

Eu retiro o que disse há quase dois meses atrás quando conclui a leitura de Talvez Um Dia (confira a resenha aqui). Lembro-me perfeitamente toda a euforia e os sentimentos que o livro provocaram. Agora, estou aqui novamente, com o coração em frangalhos, morrendo de amores pela história de amor de Ben e Fallon.
O engraçado nisso tudo é que toda vez que abro um livro da Colleen eu sei, exatamente, o risco que estou correndo. Por mais que eu conheça seu estilo, ela sempre arruma um jeito de arrancar meu coração. Confesso que não passava pela minha cabeça ler Novembro, 9 tão cedo, pois eu desejava preservar ao máximo as recordações de Talvez Um Dia. Vi muitas opiniões contrárias a respeito do livro, mas resolvi criar coragem para tirar minhas próprias conclusões. Para os fanáticos de CoHo, há quem diga que, esse é o tipo de livro que ou você ama ou você odeia. 


Em Novembro , 9 iremos conhecer a dramática história de Ben e Fallon, sim porque o que não irá faltar nesse livro é drama. Se você é daqueles que curte o gênero e o jeito único de CoHo de narrar histórias do tipo, vem meu querido(a), se joga!

A história inicia-se com Fallon indo ao encontro de seu pai em um restaurante local. Fallon e o pai já não se davam muito bem, mas as coisas ficaram ainda mais difíceis desde que Fallon sofrera o incêndio na casa do pai. O acidente deixara marcas permanentes em Fallon, mas é a sua alma que está desfigurada. Antes do acidente Fallon era uma jovem atriz prodígio. Atuava num programa de tv, era a atriz principal da série. Fallon viu o sonho de ser atriz se desfazer com as chamas que a queimaram e que marcariam para sempre sua vida.

Fallon está decidida a se mudar para Nova York, mas seu pai não apoia tal mudança e isso faz com que Fallon o odeie ainda mais. Fallon não consegue mais viver à sombra do acidente. Ela precisa de mudanças e somente, morando sozinha, longe de todos e tudo que a lembre do incêndio ela será capaz de recomeçar. Entre farpas e muito ressentimento, Fallon continua a atacar o pai até que um carinha com uma aparência um tanto esquisita se aproxima de sua mesa e senta ao seu lado, apresentando-se como seu namorado. 
A situação não poderia ser mais esquisita e constrangedora, já que Fallon quer provar para o pai que ela pode muito ser virar sozinha em Nova York e, principalmente voltar a atuar como antes, por mais que sua baixa autoestima queira lhe dizer o contrário.

Na mesa ao lado Ben começa a prestar atenção no papo de Fallon com o pai. É nesse momento que ele decide que Fallon precisa de sua ajuda. O mais estranho é que eles nunca se viram antes, mas isso não impede que Ben se aproxime e comece a fingir que é namorado de Fallon. A partir daí, Ben começa a bombardear o pai de Fallon com insultos que façam ele enxergar o quanto Fallon é linda e corajosa. Ben consegue colocar o pai de Fallon no seu devido lugar e, Fallon não consegue acreditar que alguém tenha conseguido enxergá-la além das cicatrizes. 

Após o encontro no restaurante Fallon têm pouco tempo para fazer as malas e seguir um novo rumo na vida. Nesse curto espaço de tempo existe Ben, um carinha com a aparência um tanto desleixada, mas nem por isso menos atraente, que lhe defende dos comentários maldosos e sem noção do pai. Fallon toma a atitude mais sensata de todas: decide passar as poucas horas que lhe restam ao lado de um desconhecido; digo, Ben.

A atração entre Fallon e Ben é notória, mas não há nada que ambos possam fazer a respeito. Fallon está de partida e Ben não sabe nada a seu respeito. O fato é que Fallon nunca havia sentido nada parecido, assim como Ben, jamais imaginara se colocar em tal situação. Sem saber como lidar com tantos sentimentos, ambos decidem firmar o compromisso de se encontrarem ao longo de cinco anos, sempre no dia 9 de novembro, até ambos completarem 23 anos. Fallon e Ben têm apenas um dia para recordar o que ambos sentiram. Mas a pergunta que não quer calar: será que isso funcionaria? 

Essa foi a primeira coisa que passou pela minha cabeça. Será que CoHo daria conta? Bem, nunca duvide do poder dessa mulher. CoHo é capaz de tudo, até mesmo de criar uma história repleta de clichês e torná-la algo totalmente surpreendente. Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi justamente a construção do relacionamento de Fallon e Ben. Vamos acompanhando o crescimento de cada personagem e a evolução de cada um na trama. Dessa vez, o leitor vai ter que ter um pouco mais de paciência porque CoHo foi bem comedida nos amassos e afins. Os capítulos irão se alternando entre as narrativas de Ben e Fallon e assim conseguimos nos sentir mais próximos de cada um. 

Ben e Fallon voltam todo ano, na mesma data, no mesmo restaurante, para reafirmarem o compromisso de se reencontrar. Fallon desafiou Ben a escrever um livro contando a história dos dois; já Ben, propôs a Fallon que ela deveria cumprir três metas assim que chegasse a Nova York. Assim vamos nos apegando aos personagens e começamos a entender o que verdadeiramente os une. Deixo agora, o aviso de que estamos falando de CoHo, daí pra frente: é tiro, porrada e bomba, tudo de uma vez só, pra acabar de vez com o nosso coração. Mas quanto drama, meu Deus do céu! Se não tiver sofrimento, revelações bombásticas, dilemas e situações complexas não estaríamos lendo um livro de Colleen Hoover.

A única coisa que me incomodou foi o título do livro, aliás, a sua inversão na verdade. Em relação à capa eu não tenho o que falar. A ilustração faz jus à proposta e corresponde fidedignamente ao enredo. Boa revisão e diagramação primorosa.

A inserção da música é outro ponto forte da autora. Aqui, seu significado é bem poético. Não temos playlist, mas a forma como a autora a inseriu foi de uma sensibilidade extrema, uma de suas características mais marcantes. Fallon é uma personagem adorável. Ainda que inicialmente ela pareça insegura, mas convenhamos que ela passou por um momento terrível. Ben é maravilhoso, assim como todos os personagens masculinos criados pela autora. E o melhor: ele é escritor. Têm carreira mais fofa, linda, inspiradora? Gostei muito da forma como CoHo o desenvolveu. Seu jeito doce, sensível, bem humorado, a maneira como ele encoraja Fallon e a incentiva. Nem senti falta dos bad boys que eu tanto amo. Só mesmo CoHo pra fazer a minha cabeça. A melhor autora do gênero. Eu já falei isso? Acho que sim, pelo menos umas mil vezes.

Novembro, 9 me cativou já nos primeiros parágrafos. Eu tinha certeza que seria algo surpreendente, perfeito e foi exatamente isso que encontrei ao longo das páginas. Colleen Hoover é a minha autora favorita pois sabe criar histórias emocionantes, que nos cativam imediatamente e que nos faz refletir como o amor pode transformar seres humanos em pessoas melhores. Suas histórias sempre transmitem força e superação.

Quero terminar essa resenha dizendo que esse é o meu favorito da autora, até que ela surja com um novo lançamento..rs. Até porque não dá pra afirmar que exista apenas um favorito entre tantos livros. Que venha o próximo, porque o ano só começa de verdade, quando temos livro novo da Colleen Hoover na livraria.



Me acompanhe também nas redes sociais: 
Facebook ♥ Twitter ♥ Instagram ♥ Skoob ♥ Google+




FICHA TÉCNICA
Título: Novembro, 9
Título Original: November 9
Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Páginas: 352
Ano: 2016
Comprar: Saraiva // Amazon

Você também pode gostar

0 comentários

Obrigada pela visita! Sua participação é muito importante.

SIGA-ME NO INSTAGRAM: @zildapeixoto